Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 26 de março de 2019
Tamanho da letra A +A

Gente que respira o mundo

Gente que respira o mundo

[Dilson Lages Monteiro]

O tempo é mesmo insuperável em levar afetos para outras dimensões e transformá-los em saudade. Às vezes, de modo corrosivo ou surpreendente, gerando um vazio que ele, o tempo, vai tratando de contornar pela consciência do caminho natural de tudo no mundo. Nascemos para nos renovar de alguma maneira.

Quando entrei nas ruas da pequena e agradável Água Branca, senti-me hoje bem diferente de como habitualmente me invadia o peito olhar para as colinas de sua entrada e à curva que, subitamente, apresenta a sua matriz. Era dia de despedida. Estava ali para dar adeus ao último dos irmãos de meu pai, o tio Raimundo Soares Monteiro, 87 anos. Filho, irmão, pai e esposo admiráveis.

Pouco convivemos fisicamente, quer pelas imposições geográficas da meninice e pré-adolescência no Norte, quer por outras contingências que vão sorvendo nossos segundos sem sequer darmos conta. Somente rapazinho, aos 13 anos, é que efetivamente o conheci (e minha identificação com sua pessoa foi imediata), mas era como se ele, em minha convivência material, sempre tivesse morado. Tínhamos sempre muito a conversar sobre histórias de outros tempos, que o imaginário nunca cansa de ouvir quem muito tem a contar ou a dizer.

Raimundo Soares Monteiro

Sua presença transmitia uma energia de leveza, bom humor, conversa fácil, bondade e apreço ao ser humano, traços comuns, também, aos irmãos Gonçalo, Aderson e Antônio. Todos tinham uma doçura congênita. Pareciam feitos para sentir a respiração do mundo.

Era o mais velho entre os 4 irmãos homens, aos quais se somou filha por adoção, frutos do matrimônio de Manuel Barbosa do Rêgo Monteiro e Laudelina Soares Ribeiro, primos com ascendência na numerosa família Neiva do Rego Monteiro, Soares Ribeiro, Barbosa de Almeida, Da Costa e Silva, Bonfim Pessoa, espalhada entre Regeneração e Água Branca, no Médio Parnaíba Piauiense.

O tempo vai vertendo silenciosamente seus caminhos e hoje seu significado é saudade. Que repouse o último dos irmãos no sono dos justos! 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas notícias

24.03.2019 - Gente que respira o mundo

Tínhamos sempre muito a conversar sobre histórias de outros tempos

23.03.2019 - Dia 29: Bate-papo com Diego Mendes Sousa

A partir de 20h, o poeta conversa sobre a gênese de sua poética

22.03.2019 - Poesia em embalagens ajuda a vender?

Toda grande rede de supermercado faz o chamado "marketing sinestésico"

21.03.2019 - Iniciação poética

O meu primeiro contato com a poesia nasceu do emaranhar-se na natureza.

21.03.2019 - Jesualdo Cavalcanti, por Hugo Napoleão

Vinha de anos de luta e corajosa atuação.

23.02.2019 - Entrevista com Afonso Romano de Sant'ana

Entrevista concedida em 2 de fevereiro de 1978.

23.02.2019 - Flávio AMoreira, o poeta sem margem

Pessoa Doutra Margem é um livro sem margens.

Listar mais

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br