Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 17 de junho de 2019
Romances de Rogel Samuel
Obras integrais
Tamanho da letra A +A

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

 Conheci um judeu que fugiu de um campo de concentração.
Mas ele nunca falava a respeito.
Nunca disse para ninguém como conseguiu fugir, o que se passou. Nem a mulher, que era minha amiga, nunca soube de nada. Nada era para lembrar, mas para apagar do passado, para sempre, para trás, para o esquecimento.
Mas imagino como foi.
Deve ter sido da mesma maneira como chegamos ali, eu e Jara, uma índia maacu, tentando apagar tudo o que se passara antes.

Encontramos aquelas cabanas de paxiúba como um acolhimento celestial, ainda que suspeito de que Jara já sabia onde estariam aquelas palhoças na beira daquele igarapé onde uns cães nos vieram latindo mais para nos saudar do que nos atacar.

E as pessoas nem se assustaram conosco, armados como estávamos, com fuzis e revólveres, acostumados talvez a ver surgir do mato garimpeiros, traficantes e bandidos.  

Negociando nossos fuzis e alguns dólares, aluguei uma “voadora”, canoa com motor de popa, que seguindo veloz pelo igarapé chegou àquele rio e nos deixou numa cidade, cujo nome não me quero lembrar.


Desembarcamos no cais do hotel onde nos hospedamos regiamente; Jara trazia uma bolsa cheia de dólares americanos.


Dali mesmo telefonei para membros de nossa organização que me instruíram para onde ir e o que fazer.

Descansamos, compramos roupas, cortamos o cabelo e fretamos um táxi aéreo até certa cidade onde descemos de táxi até a cidade onde já nos esperava uma senhora de nossa organização que nos escondeu e providenciou nossos novos documentos para sairmos do país.

Partimos para Paris.


Ficamos no Hotel Fondary, na rua do mesmo nome.

Ao lado morava minha amiga Annie, que nos convidou para seu apartamento.
Jara se recusou a entrar no elevador, pequeno e ameaçador, por isso subimos sete andares de escada, eu e ela.
Annie nos serviu um maravilhoso chá com torradas, mistura que só ela sabia fazer.
- Quando chegaram? – perguntou Annie.
- Ontem, respondi.
- Ahh – fez Annie – com uma expressão de espanto e admiração.
Ficamos um tempo em sua sala e depois saímos todos em direção à Torre Eiffel que não era longe.
Atravessamos a praça Duplex, por baixo do metrô e nos metemos numa daquelas ruas.

Ao passar pela Avenida Motte Picquet 52 parei para mostrar para Jara a galeria “Paris-Manaus”.

No dia seguinte, tomamos o café no hotel e fomos, eu e ela, conhecer um pouco de Paris.
Almoçamos no “Le Roi du Couscous” e nos mudamos para o Hotel Du Petit Louvre, ali perto, mais conveniente e maior.

Em Paris, conforme o combinado pelo telefone, encontrei meu tio no “Bistro Duplex”, que fica em baixo do “Hotel du Petit Louvre”.
Estava com um café na mesa.
Parecia um parisiense.
Sua alegria foi grande.
Sentamo-nos com ele e ouvimos suas novidades.
Meu tio já tinha comprado um lote de livros e de Cds.
- Não existe mais a Paris do meu tempo, disse ele, triste.
- Acabou com a guerra, respondi. E perguntei:
- Quanto tempo mais quer ficar aqui?
- Uns seis anos!
E caímos na gargalhada.
Sim, mas estávamos felizes.
- Ótimo, respondi. Posso resolver isso.

Dias depois, aluguei um apartamento ali perto, na rue Violet, onde nos alojamos.


Era um sala e dois quartos com um bom hall de entrada. A sala era dividida por um biombo desbotado. Eu e Jara ficamos num quarto, meu tio no outro.

Na sala, um jogo de sofás, perto da cozinha e do banheiro.
Comprei uma máquina de costura usada.
Depois desses ajustes, tudo ficou ótimo e passei a desenhar, cortar e costurar um vestido para Jara e fiz um magnífico sobretudo para meu tio.
Ele adorou e disse-me que eu era um gênio da moda.
Realmente vinha-me, cada vez mais, um desejo antigo de costurar. Meu tio trouxera meus antigos desenhos de moda, queria que eu me tornasse estilista de moda.
- Estamos em Paris, disse ele. A capital da moda. 
É isso que você faz muito bem.


E assim, e como eu precisava de um visto de estudante,
incentivado por meu tio Carlos, matriculei-me na 
“Ecole de la Chambre Syndicale de la Couture 
Parisienne”. 

Ali estudei estilo, desenho de figurino, silhueta, 
movimento, posições do corpo, criação de uma coleção
pessoal, montagem, acabamento e modelismo. 
O curso, mantido em colaboração com agentes do 
mundo profissional, habilitava os alunos a aprofundar 
seus conhecimentos de técnicas de design de 
vestuário, tradicionais e contemporâneas, com 
abordagem criativa para modelar e desenvolver suas 
habilidades estilísticas através de registros de uma 
coleção pessoal.
E para complementar oferecia o conhecimento do 
ambiente dos negócios econômicos do setor da moda. 
Na realidade, preparavam-nos para ser um empresário 
da moda. 

Era tudo o que eu queria.

Logo vi que tinha muito a aprender e aperfeiçoar, mas eu era muito bom naquilo que aprendi ainda menino.


Um dia um professor, vendo-me trabalhar na gola de um casaco, me perguntou:

- Com quem você aprendeu a fazer isso?
- Com minha mãe, respondi.
- Quem era ela? Coco Chanel?
E rimos.

De certo modo era verdade. Minha mãe era discípula de Chanel à distância.


Decidi morar em Paris até o fim dos meus dias. Não podia sentir medo diariamente, vendo inimigos em toda parte.

Com meu tio e Jara, ganhava recuperava a família que perdida.
Para fixar-me em Paris, dei entrada no pedido de cidadania francesa, já que meu pai era francês.

Mas meu tio voltou para o sítio.

E nós continuamos em Paris, no apartamento da rue Violet. Tomado por Paris, ele disse que voltaria, que ia arrendar o sítio, mas nunca voltou.
Eu e Jara éramos felizes.
Eu estava cada vez mais animado com o curso, e logo me especializei em modelos especiais (senhoras baixas, gordas e idosas).
Nisso eu era bom.

Mas tudo mudou quando Jara começou a dizer que queria voltar para a tribo.

A princípio, não levei a sério, mas ela repetia, e eu comecei a suspeitar que estivesse louca.
Por fim, tomou decisão de voltar sozinha e disse que ninguém poderia impedi-la.

Ela embarcou sozinha para Manaus, onde meus companheiros a esperavam e a levaram para a mata e ali ela desapareceu.


Não mais vi Jara.

Desesperado, organizei, mesmo de Paris, expedições em sua busca.
Mas como aquilo começava a chamar atenção da mídia e era falado em Manaus, desisti.

Sem Jara, cai no mais fundo da sombria noite de depressão.  

Eu chorava sozinho em meu quarto e durante dias não saí de lá.

Depois, continuei meu curso de costura e já fazia pequenos trabalhos em diversos ateliers  além de ser um auxiliar de ensino na própria escola.

Era fácil desenhar e costurar roupas para aquelas modelos altas e magras, mas difícil era fazer o que eu fazia, trabalhar com senhoras de meia idade baixas, ou idosas, gordas e barrigudas como as freguesas de minha mãe.

Entretanto eu conseguia que elas se sentissem elegantes. Sabia realizar o milagre. Era o que eu ensinava na escola, uns truques, a poucos alunos.


Mas eram senhoras milionárias, podiam pagar bem.


A minha especialidade foi logo reconhecida.

Eu recuperava minha mãe naqueles vestidos.
A escola reconhecia logo quem sabia fazer o difícil, os melhores em cada caso. E eu me destaquei, nisso era um consumado mestre.

Então compreendi havia algo em Jara que dizia “sou livre, sou um animal selvagem, uma caçadora solitária da floresta”.

Jara era solitária pantera.
Mas eu estava quase morto, no fundo de mim algo morrera. O meu âmago chorava diariamente.

Tentei esquecê-la buscando novas relações a qualquer preço.

Toquei minha vida. Sempre fui um sobrevivente, um guerrilheiro.
Não mais vivia com o dinheiro dela que estava com a organização e comecei a ganhar alguma coisa  como costureiro.

Vivia modestamente, tomava o café de manhã em casa, ia para as aulas na Escola. Voltava para casa. Lia até bem tarde. Era o meu cotidiano.

Paris é uma cidade cara. Comecei a pensar em morar num quarto no subúrbio.

Meu tio faleceu pouco depois. Foi outra grande perda. Não fui ao seu sepultamente.  



Um dia, uma senhora, diretora da Maison Rivière, me procurou perguntando se eu poderia atender uma freguesa.


Fui apresentado como estilista a uma senhora baixa, mal-humorada, gorda, barriguda e poderosa que tinha rejeitado todos os modelos apresentados anteriormente.


Era a Madame Adele.


Ela era a viúva de um magnata oriental, uma espécie de príncipe, que necessitava de uma roupa para um evento, o que eu desenhei na hora, e ela gostou, porque era algo que ela podia vestir com conforto e beleza, com uma capa de seda e lã em dois planos, sem nenhum enfeite, mas deslumbrante. Na realidade desenhei dois vestidos, um mais claro, outro mais escuro, e eram simplesmente notáveis (eu mesmo reconheço) e possibilitavam que ela usasse suas jóias, que certamente ela deveria de ter.


O detalhe majestoso estava na gola, uma espécie de cocar indígena franzido na própria fazenda que a “levantavam”, que a fazia maior, mais alta, além do cabelo e do salto.


Ela gostou e comprou na hora por uma fortuna, não discutiu preço, e se foi.

E a equipe de costureiras em alvoroço começou a preparar as fazendas e a cortar, sob a minha supervisão.

O milagre da obra eram aquelas costureiras e bordadeiras.


Quando Mme Adeloe voltou para as provas disse que estava magnífica e encomendou outras roupas e foi assim que eu me tornei estilista daquela senhora, que me pagava regiamente, viúva de um dos homens mais ricos do mundo.


Comecei na ganhar pequenas fortunas dela e de outras freguesas que ela indicava.


E me ocupava naquela profissão, o que me ajudava a esquecer Jara.


Eu dormia e sonhava com diversas roupas, luxuosas, vestidos daquelas mulheres que se pareciam com a Rainha Vitória, a mais indígena das rainhas.


E pouco depois passei a desenhar também joias que deveriam ser usadas com meus vestidos, cocares de ouro e diamantes, penduricalhos espetaculares, chocalhos reluzentes.

Um dia recebi um convite para visitar um príncipe árabe que queria que eu vestisse sua mulher.

Eu lhe disse que ia pensar... - ele dobrou o preço.

- Mas o senhor vai permitir que eu a veja e toque na sua esposa?

- Com a minha presença...

E acrescentou:

- Você não vai vê-la por muito tempo, e eu quero um vestido excepcional para ela.

Depois descobri que era filho de Madame Adele.

Assim fiz o meu trabalho e ele me pagou regiamente.
Ao chegar em Paris e atender Madame Adele que não parava de me encomendar novas roupas e de me recomendar a suas amigas soube que gostaram, ouvi:

- Meu filho adorou seu trabalho, me disse ela em segredo, sussurrando no meu ouvido. E me deu um Cartier de presente.

E eu me ri, pensando no que representava aquela profissão que estava tomando um rumo inesperado e aumentava minha conta bancária permitindo-me viver quase luxuosamente.

Depois disso, outros árabes me encomendaram roupas para esposas e concubinas. Principalmente concubinas.
Para todas eu acoplava um véu ou uma capa que podia ser usados para cobrir o rosto.
E descobri uma coisa – quanto mais luxuosos e caros os vestidos, mais gostavam.
Então eu ia criando roupas dignas de rainhas, escandalosamente bordadas a ouro sobre sedas raras, com pássaros e flores exóticos e até um largo bracelete de ametistas e brilhantes que ficou famoso pela beleza e pelo preço.

A criança costureira que fui aos pés de minha mãe agora amadurecia. Minha mãe me punha a costurar a seus pés para que eu não fosse para rua.

Entretanto a minha agitação e loucura ia  aflorando, era a síndrome de pânico, e aumentou naqueles dias e os fantasmas e demônios secretos e recônditos apareceram com toda a força, me confrontaram, me dominaram e mostraram suas máscaras.

Em sonhos eu me via na selva, em plena guerra da guerrilha que passei, ouvindo disparos de todos os lados, tentando escapar do cerco das tropas inimigas, me arrastando pela terra úmida, pulando sobre a correnteza de um córrego na escuridão da noite para escapar.

Era uma lembrança real que vivi e que me perseguia porque fui o único sobrevivente daquela noite.

Tínhamos caído numa emboscada levados, por um falso guia para a morte.

Foi terrível.

Todos morreram.

Eu escapei porque me perdi na fuga, eu me atrasei no caminho, me perdi do grupo devido ao peso de uma bolsa cheia de dólares.

Eu era o tesoureiro da campanha, e dir-se-ia que eu tinha fugido com o dinheiro, que eu era um desertor.

Com isso cheguei tarde para a morte.

Continuei fugindo, até queperdi a consciência do tempo, da vida, do espaço...

Eu tinha desmaiado e acordei no meio de imensas árvores, no entrecortar dos gritos de estranhos pássaros silvestres que silvam fortemente em minha frente, em frente ao lago verde se abrindo, se estendendo, se alargando, sinistro, sem nome, imóvel, enorme, trágico, no ar, naquele silêncio morno, naquele calor úmido, naquele mormaço tardio, mortal.

Foi quando, na minha frente, vi Jara, silenciosa, misteriosa, possível inimiga.
 
Eu vejo Jara na minha frente, pescando com uma lança. Por que está aqui? Onde estou?
Mas eu já não penso, espero a morte, estou fraco.

Será que virão os inimigos que temo?

Mas Jara me acalmou, conseguiu me dizer que eu estava em paz, e me deu água e comida..

(CONTINUA)

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

16.12.2018 - Anisio Teixeira na porta da FNFi

11.12.2018 - A PANTERA 17

05.12.2018 - A PANTERA 16

05.12.2018 - 15. A PANTERA

26.11.2018 - A Pantera - 14

19.11.2018 - A Pantera - 13

14.11.2018 - A Pantera - 12

13.11.2018 - A Pantera - 11

10.11.2018 - A Pantera - 10

05.11.2018 - A Pantera - 9

05.11.2018 - A Pantera - 8

03.11.2018 - A Pantera - 7

02.11.2018 - A Pantera - 6

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

12.06.2019 - TRADUÇÃO DO POEMA "NEGRO", DE LANGSTON HUGHES (1902-1967)

Negro

11.06.2019 - A mentira de Haddad no segundo turno

Como diz o Senador Álvaro Dias, abre o olho!

09.06.2019 - TRADUÇÃO DE UM POEMADE ALFRED DE MUSSET ( 1810-1833)

j'AI PERDU

07.06.2019 - Abreviaturas em correspondências e não uso do ilmo

Abreviaturas em correspondências e não uso do ilmo

07.06.2019 - O que ando a ler

Em Tudo Havia Beleza, de Manuel Vilas

07.06.2019 - Do amor e outros demônios

A história de Sierva Maria de Todos los Ángeles

06.06.2019 - O CAVALO DO APOCALIPSE

O CAVALO DO APOCALIPSE

05.06.2019 - TRADUÇÃO DE UM POEMA DE E.E.CUMMINGS (1894-1962)

since feeling is first

02.06.2019 - SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA

Estou pensando

01.06.2019 - Coronel Doca Borges e a ascensão política de Floriano.

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre um importante coronel da política piauiense.

01.06.2019 - A MORTE DE LAMPIÃO

A MORTE DE LAMPIÃO

30.05.2019 - EXPEDIÇÃO ÀS SERRAS DAS ÁGUAS COLONIAIS (*)

De forma bem clara e firme, sem querer ferir ou magoar ninguém, mas apenas por amor ao debate, que sempre deve existir em assunto controvertido, e apego à verdade histórica, eu disse comungar da tese do historiador Vicente Miranda...

30.05.2019 - ESTRADA CLARA

ESTRADA CLARA

28.05.2019 - Aspas e maiores ou mais informações

Existem os dois casos: aspas e ponto / ponto e aspas

28.05.2019 - TRADUÇÃO DE UM POEMA DE LANGSTON HUGHES (1902-1967)

i tOO

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br