Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 19 de junho de 2018
Poetas de todas as paisagens
Dilson Lages Monteiro (org.)
Tamanho da letra A +A

Mia Couto: Para ti

Mia Couto: Para ti

Foi para ti

que desfolhei a chuva

para ti soltei o perfume da terra

toquei no nada

e para ti foi tudo

 

Para ti criei todas as palavras

e todas me faltaram

no minuto em que talhei

o sabor do sempre

 

Para ti dei voz

às minhas mãos

abri os gomos do tempo

assaltei o mundo

e pensei que tudo estava em nós

nesse doce engano

de tudo sermos donos

sem nada termos

simplesmente porque era de noite

e não dormíamos

eu descia em teu peito

para me procurar

e antes que a escuridão

nos cingisse a cintura

ficávamos nos olhos

vivendo de um só

amando de uma só vida

No livro “Raiz de Orvalho e Outros Poemas”

 

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

05.01.2017 - Mia Couto: Para ti

05.04.2016 - Jorge de Sena: Os paraísos artificiais

23.09.2013 - Hardi Filho

21.09.2013 - Vladimir Maiakovski (★ 19 de Julho de 1893, Baghdati - † 14 de Abril de 1930, Moscou)

05.09.2013 - A chacina

16.07.2013 - Ofertório

02.04.2013 - Fernando Campanella

01.03.2013 - Emílio Moura (1902-1971)

03.02.2013 - Uma luz existe na primavera, Emily Dickinson (tradução de Fernando Campanella)

03.01.2013 - Manoel de Barros

16.12.2012 - Teresa Tudela

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.06.2018 - Profº R. N. Monteiro de Santana

O acadêmico Reginaldo Miranda faz homenagem a um grande intelectual piauiense.

16.06.2018 - O CURSO DE LETRAS: SUA IMPORTÂNCIA, DESAFIOS E PERMANÊNCIA

Sinto-me muito honrado

15.06.2018 - Perseguição aos cristãos no mundo inteiro

Os fatos aqui mencionados são verídicos, mas a mídia pouco deles fala.

15.06.2018 - A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

12.06.2018 - Histórias

- Não só meu avô, professor, minha avó conta que também trabalhava.

12.06.2018 - O AMOR

O AMOR

11.06.2018 - A que ponto chegamos

Analise cuidadosamente o caso antes de trocar precipitadamente o “ao ponto de” que seu computador assinala em verde por “a ponto de”, visto que Você pode estar com a razão!

10.06.2018 - O amor, o cinema, a revolução

Nem tudo que diz respeito aos anos 1960 pode ser carimbado com a fórmula “sexo, drogas e rock-and-roll”.

09.06.2018 - Marcos Antônio de Macedo

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante cientista, magistrado e político piauiense.

08.06.2018 - Alguns fragmentos, meus e de outros

Há muito tempo

07.06.2018 - "A Coisa" de Stephen King

Existem monstros sagrados que são mais monstros que sagrados...

06.06.2018 - Louro da Banca, patrimônio cultural parnaibano

O Louro é uma instituição da Praça da Graça, e deveria ser tombado como um patrimônio vivo do município.

05.06.2018 - POEMA DE EMILY DICKINSON

POESIA

05.06.2018 - Minha Rua

Quando eu morrer, quero ser nome de rua

02.06.2018 - O Shakespeare de Giovanni Emanuel no Teatro Amazonas, em 1889

Grande intérprete de Shakespeare, Giovanni Emanuel revolucionou a cena italiana.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br