Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 19 de junho de 2018
Pé de página
Dílson Lages
Tamanho da letra A +A

A poética da tensão intangível do tempo em Geovane Monteiro

(*)Dílson Lages Monteiro

“Seria o prazer o bem supremo da vida?” A indagação ocupou o pensamento da filosofia na Grécia Antiga e, em tempos de comunicação instantânea e sem fronteiras, de uma era em que tudo parece feito para durar pouco, como bem ilustrou Zygmunt Bauman, volta a inquietar o homem. Essa inquietação é o que move a poética de Geovane Fernandes Monteiro, em “A Arte de Não Saber”.

Trata-se todo o livro, a partir do próprio título, de uma negação irônica da razão, em busca de expressar o hedonismo. Poesia de dúvidas e antinomias. Poesia de questionamentos metafísicos:

“No cuidado de não merecer

Tenho amor maior:

De nele não crer,

Amo.”

 

 Toda a obra é uma procura pela experimentação do afeto. A voz lírica dialoga com os próprios sentimentos, tentando resistir à brutalização da vida e à perda da essência do que é ser humano. Daí, a oscilação perene do eu lírico entre o prazer e a dor, criando uma atmosfera de perplexidades, desespero e melancolia, somente suplantada pela carga sígnica da própria poesia, que assume, aqui, contraditoriamente, uma função utilitária.

“Não tardes,
Se não pretendes a noite finda,
Quando ainda não houver soluços
Que nos apontem a alma.
Não tardes,
Que até o luar
Esse inefável espelho
De todos os amores
Dissolve-se na noite a fio.”

(Eclípse)

 

Essa dimensão hedonista está na gênese da recorrente sublimação do eu pela vivência do tempo presente. Quer a voz lírica controlá-lo pela possibilidade de experimentar as sensações do intangível. Ser potência e ser ato se confundem e estimulam a sutil melancolia das “coisas” perdidas. 

“Por detrás do tempo
Há um finito
(...)
Renovando despedidas.”

O percurso do hedonismo, em “A Arte de Não Saber”, transita entre o sonho e a realidade. Ser é sonhar:

“Meu esconderijo
É teu sono,
(...)
Amar tem sido
Velar tua ausência

(...)

 

            A trajetória de descobertas existenciais a qual  move o eu lírico passa, também,  pela expressão recorrente dos prazeres físicos, em metáforas e definições, de tom sensual. Ser é explodir a linguagem do corpo:

 

“O cotidiano é o maior segredo:
montanha - russa de cortinas
embotadas de Omo,
beijo óbvio e traiçoeiro,
contrassenso de sorriso neutro.
Os pecados se convertem
a imprecisas constatações,
o prazer surpreende o desejo
e há novidades na 3 x 4.
Quero teu corpo, e não a alma

(...)”

 

Em A Arte de Não saber, Geovane Fernandes Monteiro situa-se, por meio de sua poesia neorromântica, entre os poetas que fazem do escapismo a manifestação confessional do amalgama de sentimentos do ser e do estar no mundo. Nele, poesia é prazer, mas também uma tentativa desenfreada de encontrar a serenidade e o equilíbrio das vivências perdidas. Sua poética, pois, reflete a tensão misteriosa e não concreta do tempo, despertando em nós, leitores, a certeza do próprio paradoxo que é o existir:

“(...)

sigo vontades, sem tempo para escolhas

é que escolho.

Não separo alegria de tristeza;

eis a clareza”.

 

(*)Dílson Lages Monteiro é poeta, romancista e membro da Academia Piauiense de Letras.

  

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

07.02.2018 - A poética da tensão intangível do tempo em Geovane Monteiro

07.11.2017 - A criação de Guimarães Rosa na crítica acadêmica de Martha Magalhães

04.09.2017 - O regionalismo de Teodoro Bicanca, de Renato Castello Branco

04.09.2017 - Meia-vida, de Oton Lustosa

22.07.2017 - Histórias de Évora e as formas dos prazeres do tempo

16.06.2017 - A gênese de nossa criação literária

06.10.2016 - Apenas Memórias

28.05.2016 - Eventos promocionais e institucionais

10.05.2016 - A Bela dos Diários

30.08.2013 - Estórias de minha gente

04.05.2013 - Uma saudade danada de meu tempo de menino

19.04.2013 - O tato em forma de compromisso

16.01.2013 - Cambacica

15.12.2012 - Lembrança, de hoje; esperança, de todos os dias

02.11.2012 - Barras no dia dos mortos

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.06.2018 - Profº R. N. Monteiro de Santana

O acadêmico Reginaldo Miranda faz homenagem a um grande intelectual piauiense.

16.06.2018 - O CURSO DE LETRAS: SUA IMPORTÂNCIA, DESAFIOS E PERMANÊNCIA

Sinto-me muito honrado

15.06.2018 - Perseguição aos cristãos no mundo inteiro

Os fatos aqui mencionados são verídicos, mas a mídia pouco deles fala.

15.06.2018 - A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

12.06.2018 - Histórias

- Não só meu avô, professor, minha avó conta que também trabalhava.

12.06.2018 - O AMOR

O AMOR

11.06.2018 - A que ponto chegamos

Analise cuidadosamente o caso antes de trocar precipitadamente o “ao ponto de” que seu computador assinala em verde por “a ponto de”, visto que Você pode estar com a razão!

10.06.2018 - O amor, o cinema, a revolução

Nem tudo que diz respeito aos anos 1960 pode ser carimbado com a fórmula “sexo, drogas e rock-and-roll”.

09.06.2018 - Marcos Antônio de Macedo

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante cientista, magistrado e político piauiense.

08.06.2018 - Alguns fragmentos, meus e de outros

Há muito tempo

07.06.2018 - "A Coisa" de Stephen King

Existem monstros sagrados que são mais monstros que sagrados...

06.06.2018 - Louro da Banca, patrimônio cultural parnaibano

O Louro é uma instituição da Praça da Graça, e deveria ser tombado como um patrimônio vivo do município.

05.06.2018 - POEMA DE EMILY DICKINSON

POESIA

05.06.2018 - Minha Rua

Quando eu morrer, quero ser nome de rua

02.06.2018 - O Shakespeare de Giovanni Emanuel no Teatro Amazonas, em 1889

Grande intérprete de Shakespeare, Giovanni Emanuel revolucionou a cena italiana.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br