Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 19 de junho de 2018
Paradoxo
Margarete  Hülsendeger
Tamanho da letra A +A

Elétrons

Elétrons

 Vivemos no mundo do irreal onde tudo o que vemos é somente uma sombra imperfeita de uma realidade mais perfeita.

Platão

Há quanto tempo esperavam? Não sabiam. Essa, no entanto, sempre fora a marca de suas vidas: longos momentos de um não agir, intercalados por breves períodos de intensa agitação. Contudo, o que os tornava, muitas vezes, impacientes e nervosos era o fato de estarem confinados em um espaço diminuto. Nele permaneciam tão próximos uns dos outros que tinham dificuldades até para respirar. Nesses momentos, sonhavam com a liberdade. Livres, poderiam cumprir a missão para a qual se sentiam predestinados. Para alguns, entretanto, essa seria uma viagem só de ida, enquanto, para outros, um movimento ininterrupto, partindo e voltando, de cá para lá. Porém, nenhum deles sentia medo, pois uma força invisível sempre os impulsionara orientando-os no caminho a seguir. Quando ela estava presente o espaço em torno deles se modificava, preparando-os para o que poderia acontecer. O nervosismo e a ansiedade, nessas ocasiões, aumentavam, tornando a tensão insuportável. Esse, no entanto, era um preço muito baixo a pagar. Afinal, a presença dessa poderosa força impelindo-os para frente era seu único passaporte para a tão sonhada liberdade. E quando ela finalmente fosse atingida eles, no cumprimento do seu destino, passariam a ser chamados de Mensageiros ou Portadores.

****

No quarto, um pesadelo despertou o menino. Assustado, ele viu no escuro os monstros do seu sonho. Com medo, pôs-se a gritar. Seu pai o encontrou em lágrimas. E apenas quando a lâmpada do abajur foi ligada, e o quarto se encheu de luz, o menino, enfim, parou de chorar.

****

Felizes por sua liberdade recém-conquistada, os Mensageiros esforçavam-se em realizar a sua missão. No fio incandescente da lâmpada acesa, em silêncio eles corriam de um lado para o outro, sem saber que, com seu esforço, os monstros que tanto assustaram o menino, como num passe de mágica, simplesmente haviam desaparecido.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

05.03.2018 - Elétrons

12.02.2018 - OS LIMITES DA LOUCURA

04.12.2017 - PERDIDA

04.11.2017 - LIÇÃO DE CASA

03.10.2017 - HERESIA! PARTE II

05.09.2017 - HERESIA!

07.08.2017 - DIÁRIO DE UM SOBREVIVENTE - PARTE III

03.06.2017 - DIÁRIO DE UM SOBREVIVENTE - PARTE II

08.05.2017 - DIÁRIO DE UM SOBREVIVENTE - PARTE I

01.04.2017 - UM ARCO-ÍRIS SÓ MEU

13.01.2017 - O PRÍNCIPE - PARTE I

04.09.2016 - A CASA AZUL

05.06.2016 - VESTIDA DE NEGRO

05.05.2016 - ADEUS!

12.04.2016 - A APRENDIZAGEM DA MENTIRA

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.06.2018 - Profº R. N. Monteiro de Santana

O acadêmico Reginaldo Miranda faz homenagem a um grande intelectual piauiense.

16.06.2018 - O CURSO DE LETRAS: SUA IMPORTÂNCIA, DESAFIOS E PERMANÊNCIA

Sinto-me muito honrado

15.06.2018 - Perseguição aos cristãos no mundo inteiro

Os fatos aqui mencionados são verídicos, mas a mídia pouco deles fala.

15.06.2018 - A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

12.06.2018 - Histórias

- Não só meu avô, professor, minha avó conta que também trabalhava.

12.06.2018 - O AMOR

O AMOR

11.06.2018 - A que ponto chegamos

Analise cuidadosamente o caso antes de trocar precipitadamente o “ao ponto de” que seu computador assinala em verde por “a ponto de”, visto que Você pode estar com a razão!

10.06.2018 - O amor, o cinema, a revolução

Nem tudo que diz respeito aos anos 1960 pode ser carimbado com a fórmula “sexo, drogas e rock-and-roll”.

09.06.2018 - Marcos Antônio de Macedo

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante cientista, magistrado e político piauiense.

08.06.2018 - Alguns fragmentos, meus e de outros

Há muito tempo

07.06.2018 - "A Coisa" de Stephen King

Existem monstros sagrados que são mais monstros que sagrados...

06.06.2018 - Louro da Banca, patrimônio cultural parnaibano

O Louro é uma instituição da Praça da Graça, e deveria ser tombado como um patrimônio vivo do município.

05.06.2018 - POEMA DE EMILY DICKINSON

POESIA

05.06.2018 - Minha Rua

Quando eu morrer, quero ser nome de rua

02.06.2018 - O Shakespeare de Giovanni Emanuel no Teatro Amazonas, em 1889

Grande intérprete de Shakespeare, Giovanni Emanuel revolucionou a cena italiana.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br