Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 14 de agosto de 2018
Paradoxo
Margarete  Hülsendeger
Tamanho da letra A +A

A APRENDIZAGEM DA MENTIRA

A APRENDIZAGEM DA MENTIRA

 Verdade é mentira que não fala a mesma língua do pensamento.

Mia Couto (Estórias Abensonhadas)

 “Mentir é coisa feia. É pecado. Papai do céu não gosta”, dizia a mãe.

No entanto, a avó uma vez havia explicado que certas mentiras não eram ditas para fazer mal. Ao contrário. “Ajudavam o bem a triunfar! ” – exatamente como nos contos de fada. Portanto, segundo ela, eram aceitas e quase sempre perdoadas. Era preciso apenas ter muito cuidado para que essas mentiras não se transformassem em “mentiras feias”, pois essas, com certeza, “papai do céu” não perdoaria.

Essa foi a primeira vez que a menina se deparou com uma das várias contradições dos adultos, em uma época que ela ainda nem mesmo sabia o significado da palavra “contradição”. No entanto, sendo esperta, logo compreendeu que, no mundo dos “mais velhos”, havia coisas que, simplesmente, deviam ser aceitas, sem tentar entendê-las. Mentir era apenas uma delas.

A partir dessa aceitação das “coisas dos adultos”, a menina passou a silenciar e, na impossibilidade de permanecer em silêncio, a mentir sobre tudo que considerasse importante para a sua vida ou a vida daqueles que amava.  Sempre atenta aos olhares intensos da mãe, aprendeu muito rápido a interpretar os sinais sutis que ela enviava. Criou-se entre elas um canal de comunicação de fazer inveja a qualquer serviço de inteligência. E, na maioria das vezes, a mensagem transmitida era invariavelmente a mesma: “Fique quieta e tudo vai ficar bem”.

Assim, quando flagrava a mãe retirando escondida, dinheiro da carteira do pai, para comprar um par de sapatos ou uma roupa nova, fingia nada ver. Se o pai perguntava sobre a carteira ou o dinheiro, ela, com ar inocente, respondia sem pestanejar, “Não sei pai, não vi nada!”. E se encolhida quando percebia o olhar de fúria em seus olhos.

O problema era que para cada nova mentira, uma nova história precisava ser inventada. Gerando um ciclo angustiante e sem fim. A menina instintivamente entendia por que a mãe se comportava dessa maneira, mas sempre acabava se perguntando se não seria mais fácil dizer a verdade, não precisar mais mentir. E se afligia ao pensar no “papai do céu”. O que Ele faria se descobrisse todas as mentiras que ela era obrigada a contar. O medo tornou-se o companheiro de todas as horas, transformando seus dias de criança numa tortura difícil de lidar.

No entanto, o olhar preocupado da mãe, alertando-a para o perigo, fazia com que ela permanecesse calada. Nessas ocasiões, lembrava da avó, apegando-se a ideia de que suas mentiras seriam perdoadas. “Papai do Céu vai compreender. Papai do Céu vai perdoar”, ela dizia a si mesma.

Uma noite, quando a confusão e a dúvida a estavam deixando inquieta e mais ansiosa do que o normal, a menina, tomando coragem, perguntou:

“Mãe? Quando crescer será que vou ter de mentir?”

A mãe ficou em silêncio, pensando no que deveria responder. Depois, respirando fundo, disse:

“Se for necessário, sim”.

“E os meus filhos?”, quis saber a menina.

“O que têm os teus filhos?”, perguntou, confusa, a mãe.

“Vou ter de ensiná-los a mentir?”

A mãe ficou muito quieta. A menina a olhava com expectativa esperando uma resposta. Há tanto tempo convivia com a necessidade da mentira que não percebera o tamanho do sofrimento da filha. A tristeza estampada no rosto da menina era imensa, algo que havia sistematicamente ignorado para não sentir o peso da culpa que agora caia sobre ela.

Quando finalmente reuniu coragem para responder, a mãe não teve dúvidas e olhando firme nos olhos da filha disse:

“Não, querida. Você não vai precisar ensiná-los a mentir, porque você será feliz”.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

05.03.2018 - Elétrons

12.02.2018 - OS LIMITES DA LOUCURA

04.12.2017 - PERDIDA

04.11.2017 - LIÇÃO DE CASA

03.10.2017 - HERESIA! PARTE II

05.09.2017 - HERESIA!

07.08.2017 - DIÁRIO DE UM SOBREVIVENTE - PARTE III

03.06.2017 - DIÁRIO DE UM SOBREVIVENTE - PARTE II

08.05.2017 - DIÁRIO DE UM SOBREVIVENTE - PARTE I

01.04.2017 - UM ARCO-ÍRIS SÓ MEU

13.01.2017 - O PRÍNCIPE - PARTE I

04.09.2016 - A CASA AZUL

05.06.2016 - VESTIDA DE NEGRO

05.05.2016 - ADEUS!

12.04.2016 - A APRENDIZAGEM DA MENTIRA

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

13.08.2018 - BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

Em seguida, disse que ele mesmo iria mandar preparar uma buchada, a ser feita com bode de seu próprio rebanho. Marcamos a data e o local do repasto.

12.08.2018 - PASSANDO PELO CENTRO DO RIO DE JANEIRO

Não cfoi hoje nem ontem

12.08.2018 - Julião Afonso Serra, um dos quatro grandes sesmeiros do Piauí.

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um dos conquistadores e maiores sesmeiros do Piauí

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

05.08.2018 - HOW GOES THE ENEMY?

o ePIFÂNICO

04.08.2018 - Cidadela saqueada

Fato é que o crime organizado está levando a melhor. Até quando?

04.08.2018 - violência nas escolas

Nunca mais ninguém o perturbou

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

O ponto alto da solenidade será o lançamento do livro “Câmara Municipal de Campo Maior: 256 Anos de História”, da autoria do professor e historiador Celson Chaves

01.08.2018 - Aborto: crime não pode deixar de ser crime

Não podemos calar diante da barbaridade.

01.08.2018 - MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA

MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA – ROGEL SAMUEL

31.07.2018 - Mario Benedetti

Mario Benedetti

27.07.2018 - Os males do Crivella: um prefeito que não deu certo

Eis um prefeito

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

Gigliola Cinquetti e o ingênuo “Dio, come ti amo” fizeram muitas adolescentes verterem profusas e sentidas lágrimas, com direito a profundos soluços e palpitações.

25.07.2018 - Eurídice

049

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br