Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 24 de setembro de 2018
Os segredos da ficção
Raimundo Carrero
Tamanho da letra A +A

Existe uma estética da criação literária?

[Raimundo Carrero]
 
Quando terminei de escrever Maçã Agreste, em 1988, senti a necessidade de debater a criação de um romance com meus amigos e com futuros leitores. Foi um romance que exigira imenso trabalho porque procurei uma língua para cada personagem e um conjunto narrativo ''há quem chame bloco narrativo'' para cada um deles. Acabara de descobrir a individualidade de cada criatura ficcional sem perder a unidade e a harmonia da obra.
 
A isso chamava e chamo - de montagem da história, uma técnica que o cinema desenvolve com grande capacidade. Tudo isso estudado a partir do ensaio de Autran Dourado ''Uma poética de romance'' matéria de carpintaria -, em que o escritor mineiro revelava a constrição dos seus romances e indicava caminhos. Sem esquecer que naquela época, eu imprimia forte dose armorial nos meus escritos, herança que estava vindo do meu sempre mestre Ariano Suassuna, com quem tive uma grande convivência.
 
Um tempo de inquietação e aprendizagem. Sempre aprendi muito com Ariano e o que aprendi é eterno. Aliás, a abertura do meu romance Maçã Agreste recupera uma das conversas que tínhamos à tarde na ampla sala do Palácio Armorial de Casa Forte até porque o personagem Jeremias teria, como tem, o meu ritmo interior.
 
Gastei horas de estudo e noites em claro para aprender a montagem de um romance. Alguns esclarecimentos breves vieram com dois livros que considero essenciais: Orgia Perpétua, de Mario Vargas Llosa, e Aspectos do Romance, de E. Forster, alguns críticos o chamam de ''livrinho''. Vieram, então, os estudos de Aristóteles, Kant e Hegel. Inevitável. O estudo da estética tornou-se inevitável.
 
Criei a Oficina de Criação Literária para o estudo na intimidade do romance ou da prosa ficcional. Nunca me passou pela cabeça a criação de uma estética do romance. Cheguei a uma possível ''Didática da Criação'', estudando desde a ideia até conclusão do romance.
 

A materialização de tudo isso veio com o livro Os segredos da ficção, escrito por solicitação ao editor Paulo Roberto Pires, da Ediouro. Apenas dei forma às apostilas que escrevi para meus alunos, seguido de A Preparação do Escritor, escrito a partir de uma oficina que fiz para o Portal Literal, do Rio de Janeiro. 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

17.01.2018 - Existe uma estética da criação literária?

10.09.2017 - Graciliano renovou a prosa e ninguém percebeu

04.09.2017 - As técnicas não existem, mas Tchecov não passava sem elas

11.01.2017 - Escritor e escrevente

18.05.2011 - Segredos que conquistam estudiosos

12.04.2011 - Sobre o estilo na obra de ficção

04.02.2011 - Mário de Andrade - criador de oficinas?

28.08.2010 - Sem personagem, a digressão se diverte

08.07.2010 - O princípio e o fim são conceitos vagos

20.05.2010 - Na dança das cenas, o psicológico se apresenta

08.04.2010 - Tem barulho ai? O cenário resolva

28.02.2010 - Andamento segue reto por linhas tortas

04.01.2010 - A narrativa é construída de cena em cena

12.12.2009 - Curvas e retas no caminho da ficção

25.11.2009 - Com acúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.09.2018 - A ÍNDIA MAACU

A ÍNDIA MAACU

20.09.2018 - O maçom e barbeiro Chagas Vieira

Um Mestre da tesoura e da Sublime Arte Real.

19.09.2018 - praça da saudade

praça da saudade

13.09.2018 - Didi

Enquanto o Didi trabalhava, meu vizinho enxugava uma cerveja estupidamente gelada, a olhar o trabalho.

13.09.2018 - Reflexão sobre o chamado ensino domiciliar

Na área da Educação

12.09.2018 - Marina Silva dá entrevista ao jornal "O Globo"

Uma das três candidaturas equilibradas (junto com José Maria Eymael e Álvaro Dias) expõe suas ideias e posições.

12.09.2018 - TRISTE CENA BRASILEIRA

uMA ADVOGADA

04.09.2018 - CLANDESTINIDADE: poema de Jefferson Bessa

POESIA

04.09.2018 - Minha resposta a um comentário de uma escritora sobre a tragédia do Museu Histórico Nacional

SUA BREVE E INCISIVA

04.09.2018 - Mergulhando nas lembranças de Cavour

Li e reli, salteadamente, vários trechos e legendas. Me concentrei nas fotos de carros, pessoas, prédios, praças e paisagens.

01.09.2018 - Os entrevistadores carrancudos

A vergonhosa atitude de dois repórteres da Globo

31.08.2018 - CAMPANHAS ELEITORAIS ACADÊMICAS

Pertencendo a mais de uma dúzia de entidades culturais, nove delas academias, creio ter alguma experiência para discorrer sobre o assunto assinalado no título deste texto.

21.08.2018 - O PALÁCIO

O PALÁCIO

19.08.2018 - Covardia contra a mulher brasileira

Grade parte dos meus

19.08.2018 - Viagem ao marco extremo de nós mesmos

Os aventureiros europeus, como os franceses e alemães, à época, por não se acharem os “donos” da Colônia, penetraram naquele templo de pureza mítica, conhecido como Floresta Amazônica, com a intenção evidente de apropriação do local.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br