Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 19 de junho de 2018
Não tropece na língua
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

A que ponto chegamos

“Roubaram as roupas da cachorrinha. A que ponto chegamos!” Terminou assim o comentário do jornalista Luiz Carlos Prates sobre um inédito caso de furto. Isso vem a propósito da dúvida que assaltou a leitora Cláudia N. M. da Cunha, de Florianópolis/SC: Como é correto escrever e por que: chegando AO ponto de ou chegando A ponto de.

Assinale a primeira opção, Cláudia, por causa do verbo chegar. A questão é que existem três expressões parecidas:

 
1. AO PONTO. Diz-se de carne medianamente passada:
 
 
Quero minha picanha ao ponto.
 
 
2. A PONTO DE.   
a) Locução que significa "prestes a; em perigo de"; segue-lhe um verbo no infinitivo:
 
 
Quando chegou a visita, estávamos a ponto de sair de casa.
 
Estivemos a ponto de comprar a casa que ruiu na última enchente – sorte nossa.
 
Jota estava a ponto de afogar-se quando chegou o salva-vidas.
 
 
b) Locução de valor consecutivo [recordemos as conjunções consecutivas: tão...que, tal...que, tanto...que, tamanho...que], com sentido equivalente a "a pique de"; também seguida de um verbo no infinitivo:
 
 
O sujeito ficou superfurioso, a ponto de agredir fisicamente o árbitro (que esteve a ponto de perder sua imparcialidade).
 
Jota indignou-se a ponto de interromper o discurso do paraninfo.
 
O programa – que é não governamental – vem cumprindo sua missão de maneira invejável, a ponto de suscitar muitas imitações.
 
A inflação recrudesceu, a ponto de o presidente convocar reunião de emergência com a equipe econômica.
 
 
3) PONTO. Substantivo com o sentido de "limite, situação extrema" e que pode ser definido: o ponto, esse ponto, que ponto, tal ponto etc.; muito usado com o verbo chegar, que requer a preposição a (se for usado o artigo, ficará ao):
 
 
Bateu na mulher – nunca pensei que fosse chegar a esse ponto. 
 
A lei não chega ao ponto de exigir a assinatura do destinatário.
 
O desequilíbrio o levou ao ponto da violência física.
 
O condomínio tradicional perdeu importância nos últimos 40 anos diante da avassaladora presença dos empreendimentos imobiliários subordinados à Lei 4.591/64, [chegando] a tal ponto que hoje se costuma adjetivá-lo como milenar, antigo etc.
 
 
Sendo assim, analise cuidadosamente o caso antes de trocar precipitadamente o “ao ponto de” que seu computador assinala em verde por “a ponto de”, visto que Você pode estar com a razão!

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

11.06.2018 - A que ponto chegamos

22.02.2018 - Verbos visar e penalizar

17.01.2018 - Crase com hora + até a

05.10.2017 - Casar, sentar, mudar, divociar - verbos pronominais

28.08.2017 - casar, mudar, sentar, divorciar - verbos pronominais

19.08.2017 - Infinitivo e subjuntivos - diferenças

06.08.2017 - Omissão de que e não omissão de verbo

30.06.2017 - Ter por haver

24.04.2017 - Aspas simples por ironia vale?

30.03.2017 - O uso de não como prefixo

05.01.2017 - De festas e cerimônias

11.12.2016 - Norma culta e língua padrão - I

28.11.2016 - Fui eu que fiz o jantar

06.10.2016 - Fui eu que fiz o jantar

20.05.2016 - Substativos abstratos e concretos

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.06.2018 - Profº R. N. Monteiro de Santana

O acadêmico Reginaldo Miranda faz homenagem a um grande intelectual piauiense.

16.06.2018 - O CURSO DE LETRAS: SUA IMPORTÂNCIA, DESAFIOS E PERMANÊNCIA

Sinto-me muito honrado

15.06.2018 - Perseguição aos cristãos no mundo inteiro

Os fatos aqui mencionados são verídicos, mas a mídia pouco deles fala.

15.06.2018 - A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

12.06.2018 - Histórias

- Não só meu avô, professor, minha avó conta que também trabalhava.

12.06.2018 - O AMOR

O AMOR

11.06.2018 - A que ponto chegamos

Analise cuidadosamente o caso antes de trocar precipitadamente o “ao ponto de” que seu computador assinala em verde por “a ponto de”, visto que Você pode estar com a razão!

10.06.2018 - O amor, o cinema, a revolução

Nem tudo que diz respeito aos anos 1960 pode ser carimbado com a fórmula “sexo, drogas e rock-and-roll”.

09.06.2018 - Marcos Antônio de Macedo

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante cientista, magistrado e político piauiense.

08.06.2018 - Alguns fragmentos, meus e de outros

Há muito tempo

07.06.2018 - "A Coisa" de Stephen King

Existem monstros sagrados que são mais monstros que sagrados...

06.06.2018 - Louro da Banca, patrimônio cultural parnaibano

O Louro é uma instituição da Praça da Graça, e deveria ser tombado como um patrimônio vivo do município.

05.06.2018 - POEMA DE EMILY DICKINSON

POESIA

05.06.2018 - Minha Rua

Quando eu morrer, quero ser nome de rua

02.06.2018 - O Shakespeare de Giovanni Emanuel no Teatro Amazonas, em 1889

Grande intérprete de Shakespeare, Giovanni Emanuel revolucionou a cena italiana.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br