Dilson Lages Monteiro Domingo, 16 de dezembro de 2018
Letra viva
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

POR UM RIO DE JANEIRO MAIS CARIOCA


                                                                                                       Cunha e Silva Filho

 

           Considerada internacionalmente como uma cidade de belezas deslumbrantes, lugar obrigatório do turismo estrangeiro e nacional, o Rio de Janeiro, a “Cidade Maravilhosa,” tem sido castigada severamente por uma onda de violência fora de todos os limites imagináveis se comparados com o seu passado tranquilo de um povo dado a festas, folias, pândegas, samba e animado futebol, entretenimento variado e a uma vida plena de alegria e convívio ameno e acolhedor.

          Em 1964, quando vim para o Rio de Janeiro, ainda havia essa tranquilidade, esse sossego que, hoje, é coisa do passado. Eu podia chegar em casa altas horas e não sentia medo algum de ser assaltado. Hoje isso é uma temeridade e os cariocas se enfurnam em suas casas ou apartamentos deixando, muitas vezes, de sair de casa, de ir a um teatro, cinema ou qualquer show anunciado, de andar sozinho num lugar ou outro porque haverá sempre o medo à espreita.

       
          Uma espécie de medo coletivo que se apoderou das pessoas está acabando com a antiga alegria de liberdade e de vida ao ar livre saudável e sem a paranoia que tomou conta de seus habitantes. A notícia agora de uma intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, a cargo do Exército Brasileiro, é algo alvissareiro aos cariocas penalizados no seu cotidiano e em todos os bairros pelo crime organizado. Por outro lado, não se deve esquecer de que o respeitado Exército só terá êxito quando travar uma batalha ingente contra traficantes de drogas e armas e os viciados em drogas em todos os níveis sociais. De nada valerá só o combate sem trégua contra os bandidos se não forem tomadas medidas enérgicas e contínuas contra os usuários de drogas.


       Sei bem que isso envolve outros componentes de lidar com esse gravíssimo problema, para cuja solução os agentes sociais são chamados a colaborarem com o Exército. Sabe-se também que um dos fatores da gigantesca violência tem raízes na complacência contraproducente dos governos que, no passado, não tomaram decisões eficazes de modo a não permitirem que as chamadas favelas ( eufemisticamente denominadas comunidades) se transformassem em megafavelas nas quais prevalecem, ao longo dos anos, lideranças criminosas que estabelecem regras próprias de convivência social - espécie de “governos paralelos” e desobedientes às leis do Estado - entre os seus habitantes na base do terror implantado pelo tráfico e milícias. Nesses redutos convivem pessoas honestas e marginalidade armada e ostensiva impondo-se através da força das armas e exigindo uma “lei do silêncio” sob a mira de armas de fogo e com arsenal mais poderoso do que o da segurança pública.

        Sei igualmente que o crime no Rio de Janeiro, de São Paulo e de outros estados da Federação evidencia fatores intimamente relacionados às condições aviltantes da pobreza brasileira, à ausência do Estado, da educação, ainda bastante deficiente, e, finalmente, ao êxodo rural, com as migrações ocorridas maciçamente ao longo dos anos para, notadamente, as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. A falta de controle dos dois estados com os emigrantes, sobretudo do Nordeste e Norte, a falência de outros estados de não reterem em seus lugares de origem esse contingente colossal de população sonhando com uma vida melhor, um Eldorado tupiniquim, na grande cidade, são outros componentes da proliferação da miséria e, no limite, do número altíssimo de favelas no Rio de Janeiro.

        A cidade das mulheres bonitas e das praias paradisíacas, vem há tempos sendo o alvo de uma escalada de homicídios nos quais as vítimas são crianças mortas por balas perdidas num crônico estado de guerra e confrontos entre facções criminosas e enfrentamentos com as polícias militar e civil. Estes confrontos de criminosos e traficantes e as forças de segurança do estado do Rio de Janeiro já deixaram atrás de si um número elevadíssimo de policiais mortos e, em muitos casos, lutando em desigualdade de condições de armamentos contra traficantes superiormente armados. A sociedade carioca e a fluminense têm sido outra grande vítima das ações sangrentas de meliantes do tráfico.

      Oxalá o general que irá comandar a segurança pública do Rio de Janeiro consiga pelo menos reduzir ao máximo das possiblidades as aflições e os desesperos de uma cidade que se tornou refém da maior criminalidade de todos os tempos - a bela e amada Cidade de São Sebastião. Desejo-lhe boa sorte e espírito cívico nessa espinhosa empreitada.


 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

13.11.2018 - Comentário e reflexão sobre esquerdismo e direitismo no Brasil e no Mundo

10.11.2018 - Sobre a deplorável condição do professor do ensino fundamental e médio público

08.11.2018 - Pendotiba é uma Pasárgada

02.11.2018 - Sobre a condição de ser crítico no moldes de Agripino Grieco

05.10.2018 - A AMIZADE: BREVÍSSIMA REFLEXÃO

27.09.2018 - COTIDIANO BRASILEIRO ATUAL

25.09.2018 - BERNARDO GUIMARÃES E JOÃO GUIMARÃES ROSA: DOIS CASOS DE METANARRATIVA

13.09.2018 - Reflexão sobre o chamado ensino domiciliar

12.09.2018 - TRISTE CENA BRASILEIRA

04.09.2018 - Minha resposta a um comentário de uma escritora sobre a tragédia do Museu Histórico Nacional

19.08.2018 - Covardia contra a mulher brasileira

12.08.2018 - Passando pelo centro do Rio de Janeiro

05.08.2018 - HOW GOES THE ENEMY?

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

15.12.2018 - A ARTE DA FUGA

A ARTE DA FUGA

12.12.2018 - Lovecraft e o Modernismo

O escritor de Providence é um dos grandes mestres da literatura de horror

11.12.2018 - A PANTERA 17

A PANTERA 17

05.12.2018 - A PANTERA 16

A PANTERA 16

05.12.2018 - 15. A PANTERA

15. A PANTERA

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

Alguns escritores

02.12.2018 - "Names", novela de Dalton Almeida

Ficção científica brasileira existe e é muito ativa. Vejamos este exemplo.

02.12.2018 - Meus tempos de editor na FCMC

Foi, na época a que me refiro, sem a menor sombra de dúvida, o mais importante e arrojado plano editorial do Estado do Piauí...

01.12.2018 - PRESSÁGIOS: DAS MOIRAS AOS SUECOS

Cloto, Láquesis e Átropos, três irmãs que tinham em suas mãos o destino dos deuses e dos homens.

26.11.2018 - A Pantera - 14

A casa em ruínas. Por isso, resolvemos morar na lancha que, apesar de apertada, nos oferecia melhor conforto e proteção

19.11.2018 - A Pantera - 13

Jara se recusou a entrar no elevador, que era pequeno e ameaçador. Subimos os sete andares de escada, eu e ela

18.11.2018 - Agro orgulho

Em meio século, o Brasil se tornou potência agrícola, com o preço dos alimentos caindo pela metade

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

Habituado que

14.11.2018 - A Pantera - 12

Ouvíamos todas as noites, no bar, a voz daquela cantora de jazz, em fita-cassete

14.11.2018 - Expedição a Batalha

O certo é que num percurso de poucos quilômetros, vimos cerrado ou chapada, caatinga ou sertão, este em tudo semelhante ao que é visto nas fotografias do cangaceiro Lampião.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br