Dilson Lages Monteiro Domingo, 16 de dezembro de 2018
Letra viva
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

O país que sempre adia

             [Cunha e Silva Filho]


         A quem já viveu uma boa experiência de vida, lembro aqui de uma crônica exemplar de Paulo Mendes Campos (1922-1991) falando sobre o espírito protelatório do brasileiro. Nem me recordo mais do título, mas ela é muito atual para os dias que vivemos no país Concordo em gênero número e grau com o apreciado cronista, jornalista e poeta brasileiro. Repare o leitor se o cronista não estava certo. Darei como exemplo o setor da segurança pública do Rio de Janeiro.
       Veja-se o que a ação protelatória fez com a segurança pública desse estado da Federação, sobretudo na cidade do Rio de Janeiro. Aproximadamente, pode-se afirmar que há trinta anos os cariocas começaram a sentir na pele as consequências severas da violência que de então ate hoje só tem crescido ao ponto de o governo federal ter tomado a difícil decisão de nomear um interventor militar, o general Braga Neto, para ser comandante-em-chefe, com todos os poderes de sua função, da segurança fluminense.
        Eu diria que o passo dado pelo governo federal só foi dado porque a escalada da violência chegou a tal ponto que o próprio governador Pezão houve por bem pedir socorro ao Presidente da república alegando que tinha perdido total controle da alarmante e caótica desordem social que se instalou no asfalto e nas favelas por traficantes de drogas s e meliantes oportunista.
       O ponto máximo de grau de violência e barbárie localizou-se em pleno carnaval carioca. As imagens, na zona sul, de facínoras armados com fuzis atirando em várias direções, um policial civil sendo quase massacrado por um bando de bandidos, uma senhora idosa sendo caçada numa calçada da zona sul e imobilizada por criminosos que lhe tomavam tudo que lhes parecesse valioso e outras cenas de selvageria como arrastões, furtos, assaltos em diferentes lugares do Rio de Janeiro foram a gota d’água a fim de que o governo federal acordasse de um longo sono pesado para a realidade nua e crua da vida carioca de hoje.
        Agora, me pergunto: por que não se tomou essa decisão muito tempo atrás? Sabia-se há tempos que o Rio, tal como São Paulo e outras cidades pelo país afora, já vinha dando evidentes e sobejos sinais de que a coisa estava ficando preta para os brasileiros de todas as classes. Pelo Rio de Janeiro, o Estado, passaram vários governadores ( Moreira Franco, Brizola, Garotinho, a mulher do Garotinho, Benedita da Silva, Sérgio Cabral e Pezão) e, no mandato de cada um deles, o Rio de Janeiro já vinha sofrendo as consequências de uma segurança pública mal conduzida.
        Medidas contra a violência não nego, foram tomadas, mas nenhuma delas surtiu efeito positivo relativamente à segurança que teimava em se manter cada vez mais ameaçadora Implantaram-se as UPPs porém estas foram fogo de palha, porquanto a violência nos morros recrudescia e, no varejo, vieram as balas perdidas matando crianças, jovens e adultos decorrentes dos confrontos entre facções criminosas, milícias ou entre forças de segurança pública e meliantes em geral.
        O fato é que a violência ascendente atingiu tão magnitude que seus agressores passaram a mandar e desmandar nos morros e favelas, de todos os cantos do Rio de Janeiro. Nessas comunidades começou a imperar a lei dos chefes de quadrilhas cada vez mais bem armadas e, em muitos casos, bem superiores às dos policiais civis e militares.
       As favelas e os morros deixaram de pertencer a um país com ordenamento jurídico para se definir como “cidades paralelas” “governos paralelos,” “cidades partidas” - enclaves com as suas leis próprias e draconianas, “olho por olho,” “dente por dente”, ou seja, pena de talião. Seus modos de vida em flagrante dissociação com a vida no asfalto. Nesses enclaves manda quem tem mais, império da força bruta e das armas, lei do cão, “cidade de Deus,” lei do silêncio, em convivência tácita à revelia da estrutura do Estado Brasileiro. Desobediência civil ampla e irrestrita.
       Ali só entra quem passar por uma revista de homens armados. Quem desobedecer a seus esquemas sofre pena capital. Ali os serviços de luz, gás e outros só funcionam se passarem pelas mãos de um chefe de quadrilha, traficante ou miliciano, ou melhor, quem esteja com o poder nas mãos sempre sujeito a ser substituído por outro bando de criminosos invasores e vitoriosos na batalhas entre marginais. Ali poucos viverão uma velhice feliz. Quase todos morrem em plena adolescência, ou ainda mocidade.
     Muitos dos que vão ajudar seus chefes são analfabetos funcionais ou senão analfabetos. Os que se rebelam contra esses chefes de tráfico são expulsos ou mortos. Não há meio termo. Não há diálogo. Os dedos-duros são penalizados mortalmente. Há tempos a pena de morte ai se tornou consuetudinária. Ninguém escapa dos algozes. A solução para tudo ali só se resolve com um tiro na testa, sem julgamentos nem tribunais, nem promotores nem defensores, nem jurados, quanto menos juízes togados.
      Perdidos para sempre são essas gerações esquecidas dos poderes públicos, vivendo vidas relativas e temporárias, ao arrepio das leis do Estado Brasileiro. A intervenção das Forças Armadas, acima de ideologias e partidos políticos, é um dever das autoridades e, para mim, é um ponto de partida. Já é um começo da batalha contra a violência tentacular e covarde que angustia e cobre de luto a sociedade carioca. 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

13.11.2018 - Comentário e reflexão sobre esquerdismo e direitismo no Brasil e no Mundo

10.11.2018 - Sobre a deplorável condição do professor do ensino fundamental e médio público

08.11.2018 - Pendotiba é uma Pasárgada

02.11.2018 - Sobre a condição de ser crítico no moldes de Agripino Grieco

05.10.2018 - A AMIZADE: BREVÍSSIMA REFLEXÃO

27.09.2018 - COTIDIANO BRASILEIRO ATUAL

25.09.2018 - BERNARDO GUIMARÃES E JOÃO GUIMARÃES ROSA: DOIS CASOS DE METANARRATIVA

13.09.2018 - Reflexão sobre o chamado ensino domiciliar

12.09.2018 - TRISTE CENA BRASILEIRA

04.09.2018 - Minha resposta a um comentário de uma escritora sobre a tragédia do Museu Histórico Nacional

19.08.2018 - Covardia contra a mulher brasileira

12.08.2018 - Passando pelo centro do Rio de Janeiro

05.08.2018 - HOW GOES THE ENEMY?

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

15.12.2018 - A ARTE DA FUGA

A ARTE DA FUGA

12.12.2018 - Lovecraft e o Modernismo

O escritor de Providence é um dos grandes mestres da literatura de horror

11.12.2018 - A PANTERA 17

A PANTERA 17

05.12.2018 - A PANTERA 16

A PANTERA 16

05.12.2018 - 15. A PANTERA

15. A PANTERA

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

Alguns escritores

02.12.2018 - "Names", novela de Dalton Almeida

Ficção científica brasileira existe e é muito ativa. Vejamos este exemplo.

02.12.2018 - Meus tempos de editor na FCMC

Foi, na época a que me refiro, sem a menor sombra de dúvida, o mais importante e arrojado plano editorial do Estado do Piauí...

01.12.2018 - PRESSÁGIOS: DAS MOIRAS AOS SUECOS

Cloto, Láquesis e Átropos, três irmãs que tinham em suas mãos o destino dos deuses e dos homens.

26.11.2018 - A Pantera - 14

A casa em ruínas. Por isso, resolvemos morar na lancha que, apesar de apertada, nos oferecia melhor conforto e proteção

19.11.2018 - A Pantera - 13

Jara se recusou a entrar no elevador, que era pequeno e ameaçador. Subimos os sete andares de escada, eu e ela

18.11.2018 - Agro orgulho

Em meio século, o Brasil se tornou potência agrícola, com o preço dos alimentos caindo pela metade

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

Habituado que

14.11.2018 - A Pantera - 12

Ouvíamos todas as noites, no bar, a voz daquela cantora de jazz, em fita-cassete

14.11.2018 - Expedição a Batalha

O certo é que num percurso de poucos quilômetros, vimos cerrado ou chapada, caatinga ou sertão, este em tudo semelhante ao que é visto nas fotografias do cangaceiro Lampião.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br