Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 17 de janeiro de 2019
Letra viva
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

O PAÍS DAS DISPARIDADES

 


                                                                                                   Cunha e Silva Filho

 

 

        Não pense o leitor que eu tenha alguma pretensão ou veleidade de ser um analista da realidade brasileira como se fora um cientista político, um sociólogo, um historiador ou um pensador. Ao meu texto simplesmente aplicaria a classificação de gênero crônica, ou artigo de opinião. Nada mais do que isso. Meu texto não está repleto de quadros estatísticos, de porcentagens, de gráficos, de pesquisa de campo, de embasamento teórico com a sua terminologia própria e o seu jargão técnico girando em torno de uma hipótese de trabalho. Seria, antes uma conversa (escrita) com um leitor indeterminado, um leitor geral, em bate-papo descontraído e salutar, quiçá se aproximando (me perdoe a indevida comparação) de um “resmungo” à Ferreira Gullar (1930-2016) ou à Carlos Drummond de Andrade (1902-1987).
        Se falar do título até diria que me inspirei numa nota aposta a uma reportagem de um jornal de ampla circulação. Meu texto apenas quer se comunicar claramente com alguém, ou algum leitor que, por acaso, me venha a ler e que, talvez, nem me conheça bem. A minha intenção, contudo, é boa e não fará mal a ninguém, a menos que seja uma pessoa extremista ou radical em questões da realidade social do país.
        mitando uma ficha de dados sobre um autor analisado, apresentada por um eminente crítico literário  brasileiro que, agora, anda um pouco afastado dos arraiais literários ou acadêmicos, veja o que mostro na minha ficha abaixo:

Brasil: pais de dimensões continentais;
População: muito populoso, com um crescente contingente de idosos;
Classes sociais: miseráveis, pobres, classe média baixa (difusa, a bem dizer, de difícil classificação), média média, média alta, elite econômica (alta burguesia), bilionários;
Níveis de escolaridade: analfabetos, analfabetos funcionais, semiletrados, letrados, altamente letrados (um parêntese: no ensino da matemática, o rendimento nacional se mostra pleno de “disparidades”: escolas com baixo rendimento em matemática, em contraste flagrante com escolas públicas (poucas) e privadas com alto rendimento nessa disciplina. Se, porém, olhar-se para o grupo de elite no desempenho da matemática, vê-se que o Brasil, contraditoriamente, se alça, dentro dos parâmetros da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), como um país que já  ombreia com os países com o altíssimo nível da União Matemática Internacional. Quer dizer, o país revela ser um mosaico que vai dos baixos níveis da educação mundial ao mais alto nível dos países de economia avançada;

Maiores problemas:  corrupção política, violência crescente, tráfico  de drogas e arma, rivalidades entre facções criminosas dentro dos presídios e fora deles.


       Ora, tal estratificação sóciocultural, agravada pelas inúmeras mazelas, dá o que pensar e ainda torna mais contraditória e complexa a  situação anômala  do Estado Brasileiro. Diante de tal complexidade de modos de ser de uma nação, é fácil de entender por que o pais não cresce harmoniosamente nos setores mais vitais a fim de que se alcance um melhoria significativa que nos conduza a um de bem-estar mais igualitário, mais humano, mais justo. Está aos olhos de quem tem experiência que o Brasil é vítima de uma perniciosa concentração de renda, onde uns poucos vivem como qualquer rico de um pais adiantado ou não. E tal concentração tende a aumentar à medida em que os ventos do capitalismo global soprem com a rapidez e fúria devastadora.
      A avidez do lucro e da mais valia, da reserva de mercado pandêmica nada deixam de pé na sua passagem em busca do lucro e da acumulação de riqueza unilateralmente. Da pobreza alheia dos anônimos, sempre desavisados e inconscientes, nasce a opulência dos tycoons. A riqueza não é subjetiva, mas é dura qual uma pedra. A objetividade é a sua falta de limite mais perseguido.
      Neste contexto social é que o país se situa e define o que seja melhor aos plantonistas dos poderes político e econômico. Neste mesmo contexto é que os destinos da nação são traçados a peso de ouro (ou de propina deslavada e cínica).
     Ao mesmo tempo em que o país está bem adiantado na burocracia federal, estadual ou municipal altamente informatizadas e, por conseguinte, controlando todo os passos, por exemplo, dos servidores públicos, em outros setores também públicos tudo está mal administrado, mal gerido e suscetível de desvios de verbas, peculatos e corrupção ativa ou passiva crônicas, a despeito de algumas vitórias do Ministério Público e da Polícia Federal, aqueles setores como educação, segurança, saúde e transporte estão, no geral, deixando ainda no que concerne a benefícios sociais prestados ao  contribuinte pelo país afora.
     Afirmar-se, pelas mensagens de governantes, que o país está saindo do sufoco da recessão, que o consumidor está comprando mais e que a economia está retomando seu rumo certo é uma meia-verdade, porquanto ainda há muito que caminhar na direção das correções cabíveis, a começar das ações do próprio governo federal que, à outrance, teimam em modificar a Previdência Social sem consultar a população brasileira e sem um amplo debate entre ela e o governo.
     Quando um autoritário e soberbo relator do projeto de reforma previdenciária admite em público que o país tem uma contingente significativo de idosos e nestes em parte põe a culpa pelos desatinos do perdulário governo federal, ele está desrespeitando essa faixa de aposentados que não tem nenhuma responsabilidade pelos desastres da administração Temer e dos governos que o antecederam.

    Ao contrário, os aposentados do governo federal foram penalizados com uma espécie de confisco obrigatório, que foi o desconto, na folha de pagamento dos servidores, do que chamam de “contribuição para seguridade social de aposentadoria,” ou seja, os servidores, que já descontaram tanto no período ativo, quando aposentados, sofreram essa redução compulsória nos seus vencimentos. Lembro, a propósito, que esse desconto para a seguridade social, foi efetivado no bondoso governo Lula.
     Enquanto o pais de contrastes e, por tabela, de desigualdades e injustiças, vai tecendo sua teia mefistofélica e draculiana de arbitrariedades e desídias administrativas, a sociedade, cindida em vários sentidos, vai vivendo sua dolce vita felliniana dentro das divisões firmemente impostas pelos donos do poder continuamente realimentador do status quo desigual e autoritário e com aparência de fazer os tolos pensarem que tudo se está mudando para o bem geral da nação e do seu povo “cordial” e pândego.
     Em outras palavras, excetuando os miseráveis que nada podem, os ricos continuarão ainda mais ricos e a classe média lato sensu se endividando pelo canto de sereia do consumismo, vão, como podem, aguentando o tranco e eu a me lembrar dos versos do poeta da saudade: A vida é uma girândola na alvorada/ao retinir dos guizos de vidro da Folia/Evoé⁢ Evoé!⁢

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

16.12.2018 - CRIMES NA CATEDRAL: MIMETISMO IANQUE?

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

13.11.2018 - Comentário e reflexão sobre esquerdismo e direitismo no Brasil e no Mundo

10.11.2018 - Sobre a deplorável condição do professor do ensino fundamental e médio público

08.11.2018 - Pendotiba é uma Pasárgada

02.11.2018 - Sobre a condição de ser crítico no moldes de Agripino Grieco

05.10.2018 - A AMIZADE: BREVÍSSIMA REFLEXÃO

27.09.2018 - COTIDIANO BRASILEIRO ATUAL

25.09.2018 - BERNARDO GUIMARÃES E JOÃO GUIMARÃES ROSA: DOIS CASOS DE METANARRATIVA

13.09.2018 - Reflexão sobre o chamado ensino domiciliar

12.09.2018 - TRISTE CENA BRASILEIRA

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

rEPUBLICADO

14.01.2019 - TIO GENARO E ANTÔNIO

TIO GENARO E ANTÔNIO

12.01.2019 - Trata-se de casos raros

Por que se diz “Trata-se de casos raros” mas ao mesmo tempo se pluraliza o verbo numa frase semelhante: “Tratam-se casos raros de câncer naquele hospital”?

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

Quando fui juiz em Capitão de Campos, já ouvia falar no João Carvalho, que havia sido médico nessa cidade, como um cidadão bem-humorado e cordato. Depois, o conheci pessoalmente e atesto essa opinião.

10.01.2019 - Pronome SE e indeterminação do sujeito

Vejamos os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza

09.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - III

Prosa contemporânea, livros sobre livros

08.01.2019 - Livre-se

Acredito que quase todos os Extraordinários tenham problemas de espaço em casa no que toca à arrumação dos livros

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

07.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - II

Ficção científica, fantasia, autores paraibanos

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

Não se pode negar

05.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - I

Aqui vão algumas das minhas leituras de 2018

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

O Padre Antônio Vieira é um notável autor binacional, brasileiro e português, vejamos um dos seus livros.

02.01.2019 - AS VOLTAS QUE A VIDA PODE DAR

Mudar é difícil. Aceitar a necessidade da mudança é ainda mais complicado. É sempre menos perturbador permanecer na mesma rotina de todos os dias, sabendo exatamente como agir ou quais decisões tomar.

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

Era uma agenda

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br