Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 17 de janeiro de 2019
Letra viva
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

O GOVERNO FEDERAL E A OPINIÃO PÚBLICA: O CASO BRASILEIRO


                                                                                                             Cunha e Silva Filho


          Nem é preciso ser economista ou cientista político para entender a situação ambígua e penumbrosa da realidade nacional. Aqueles dois especialistas, o mais das vezes, antes complicam do que informam claramente o que se passa no país chamado Brasil. Inclusive, assim fazendo, não falam ao povo na linguagem que este possa compreender. Usam, em geral, um discurso técnico, no qual a subjetividade (tão por vezes fundamental na comunicação na relações humanas) cede lugar proeminente à neutralidade e frieza dos pontos de vista político-ideológicos. O que lhes importa, sobretudo para os economistas, são as equações, números, cálculos e estatísticas. A felicidade de uma Nação não se mede pela bitola da riqueza de poucos em detrimento da desigualdade da maioria. A felicidade de uma país é consequência de um governo regido pela ética e pelo bem-estar coletivo. Não pelas recorrentes e cínicas falcatruas de políticos nem pela impunidade nem pela propaganda milionária usando dinheiro do contribuinte, enganadora e lesiva à sociedade.
       Sou da área de Letras e com muito orgulho porque, ao me decidir sobre o que pretendia da vida, já sabia que, a despeito de todos os grandes óbices encontrados no próprio campo dos estudos literários, no meio literário, tanto dentro dos muros acadêmicos quanto na vida cá fora, no cotidiano brasileiro, só me sentiria feliz e relativamente realizado. Esta nunca será plena e tal raciocínio se estende ao ser humano em geral.
      Por essas premissas é que costumo ouvir a voz das pessoas de diferentes níveis de escolaridade, as conversas com um e outro, em lugares diversos: supermercados, bancos, filas, o somatório das informações da imprensa, editorais, artigos de bons colunistas e cronistas, programas televisivos, entrevistas, os papos com conhecidos e amigos e, last but not least, a minha longa experiência docente. Ah, faltou outra aliada para o entendimento do meu país: a literatura brasileira em todos os gêneros, as leituras em outras áreas do conhecimento humano e o que aprendi com o passar dos anos.
     Equipado com todo esse background, me sinto preparado a enfrentar os debates sobre questões cruciais e emitir minhas opiniões sobre temas que me chamam a atenção. Opiniões que podem ser divergentes para muita gente, porém que refletem o meu jeito de ver e entender o que me cerca social, politica e culturalmente.
      Desta maneira, não estou feliz com o que ocorre com o atual governo federal nem com os governos mais recentes, em muitos aspectos desastrosos ainda que aclamados por tanta gente letrada e de bom caráter, alguns até amigos.
     A maior pendência(pândega?)  política atual é a tal reforma previdenciária. Diante do tema, me pergunto: “qual foi o fator determinante para que essa reforma se tornasse assim tão vital ao país? Não seria mais acertado e urgente se responder por que o Brasil chegou a essa situação de desespero financeiro? Me respondam, então, os políticos. Por que há uns 15anos não se fez nada para deixar que o problema de ajuste fiscal chegasse ao nível supostamente ameaçador?
     O governo Temer quer, por força de compra de votos de parlamentares sem espírito público, que somar votos suficientes de partidos aliados a fim de que a reforma da previdência seja aprovada? Não seria o caso de se indagar por que governos recentes seguidamente gastaram perdulariamente o que não podiam e, agora, vêm posar de salvadores de um país que maltrata a sociedade e principalmente os mais desafortunados? Temos nós como povo que pagar por toda a ilícita gastança rabelaisiana, sobretudo do Executivo e Legislativo. Não, Sr.Temer, não é assim que a banda toca. Não me venha afirmar que o funcionalismo federal tenha que pagar pelo pato das mordomias nababescas que o governo federal usufrui com voracidade. Há limites, Presidente, para tudo, até para o cinismo que pratica às escâncaras e sem nenhum constrangimento de parlamentares.
    O fato de o Sr. determinar, através do frio e calculista atual Ministro da Fazenda, o congelamento dos salários dos funcionalismo por um ano ou dois, além de injusto é perverso tendo em vista que o custo de vida tem aumentado sem dó e maltratado o bolso do barnabé. Veja que o seu governo, assim como outros que o precederam, determina, pela agências federais, o constante e alto aumento dos remédios, dos planos de saúde, dos vorazes impostos embutidos na compra de qualquer item de produtos vendidos, das tarifas diversas (gasolina, gás, etc.). Isso, no mínimo, é outra maldade de seu governo.
     Tudo, no comércio, na indústria e em outros setores de negócios está aumentando de preço. Enquanto isso, é forçoso reiterar, os salários dos servidores federais, combinado com os estaduais e municipais, permanecem imobilizados. Isso é uma insensatez.
    Por outro lado, na televisão pipocam as mentiras governamentais gastas a peso de ouro, tão nocivas e inoperantes quanto as chamadas propagandas eleitorais obrigatórias com seus discursos demagógicos e que não mais convencem espectadores conscientes.
   O bem-estar dos palacianos não é o da população miserável deste país com futuro sempre adiado. Brasília politicamente deu as costas para as vicissitudes por que passa o nosso povo. Pagará caro por isso.

   Estejam certos os governantes do país de que “Água mole em pedra dura tanto bate até que fura.” As eleições de 2018, de alguma forma, mostrarão a esses políticos que o pais com a Internet e as redes sociais, com os vídeos viralizando pelo mundo afora, mostrando como se comportam governantes, ministros, deputados, senadores, prefeitos e vereadores é outro e menos ingênuo. Os eleitores serão mais cautelosos, pensaram duas ou mais vezes antes de darem o voto e é nessa fase de corrida aos mandatos que a porca torcerá o rabo. Quem viver, verá.

  A voz do povo – diz a velha expressão - é a voz de Deus; todavia, no caso brasileiro, tem sido, infelizmente, a voz de um presidente denunciado pela Polícia Federal e Ministério Público. O Sr. Temer quer ficar na História brasileira como o "salvador da Previdência Social" com um séquito de bondosos ministros, todos eles amigos do povo... 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

16.12.2018 - CRIMES NA CATEDRAL: MIMETISMO IANQUE?

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

13.11.2018 - Comentário e reflexão sobre esquerdismo e direitismo no Brasil e no Mundo

10.11.2018 - Sobre a deplorável condição do professor do ensino fundamental e médio público

08.11.2018 - Pendotiba é uma Pasárgada

02.11.2018 - Sobre a condição de ser crítico no moldes de Agripino Grieco

05.10.2018 - A AMIZADE: BREVÍSSIMA REFLEXÃO

27.09.2018 - COTIDIANO BRASILEIRO ATUAL

25.09.2018 - BERNARDO GUIMARÃES E JOÃO GUIMARÃES ROSA: DOIS CASOS DE METANARRATIVA

13.09.2018 - Reflexão sobre o chamado ensino domiciliar

12.09.2018 - TRISTE CENA BRASILEIRA

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

rEPUBLICADO

14.01.2019 - TIO GENARO E ANTÔNIO

TIO GENARO E ANTÔNIO

12.01.2019 - Trata-se de casos raros

Por que se diz “Trata-se de casos raros” mas ao mesmo tempo se pluraliza o verbo numa frase semelhante: “Tratam-se casos raros de câncer naquele hospital”?

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

Quando fui juiz em Capitão de Campos, já ouvia falar no João Carvalho, que havia sido médico nessa cidade, como um cidadão bem-humorado e cordato. Depois, o conheci pessoalmente e atesto essa opinião.

10.01.2019 - Pronome SE e indeterminação do sujeito

Vejamos os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza

09.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - III

Prosa contemporânea, livros sobre livros

08.01.2019 - Livre-se

Acredito que quase todos os Extraordinários tenham problemas de espaço em casa no que toca à arrumação dos livros

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

07.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - II

Ficção científica, fantasia, autores paraibanos

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

Não se pode negar

05.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - I

Aqui vão algumas das minhas leituras de 2018

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

O Padre Antônio Vieira é um notável autor binacional, brasileiro e português, vejamos um dos seus livros.

02.01.2019 - AS VOLTAS QUE A VIDA PODE DAR

Mudar é difícil. Aceitar a necessidade da mudança é ainda mais complicado. É sempre menos perturbador permanecer na mesma rotina de todos os dias, sabendo exatamente como agir ou quais decisões tomar.

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

Era uma agenda

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br