Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
Letra viva
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

DONALD TRUMP NA PRESIDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS

 

                   

 
 
                                                                       Cunha e Silva Filho
 
 
 
     Como no Brasil, a sociedade  norte-americana está clivada. De um lado  os que  apoiam o governo  Trump, os nacionalistas, os racistas, os preconceituosos, os  inimigos dos imigrantes, até daqueles que já constituíram famílias nos território americano. De outro lado,  os seus adversários que, junto às vozes do  imigrantes,  desejam  viver num país aberto  e democrático. Trump fez um ano de sua   desastrosa  administração  questionada  por muita gente  fora dos Estados Unidos, que não aprova nada do que tem feito  o trapalhão Trump (aliterei  sem querer).
    Praticando  um  nacionalismo estreito e    perigoso – haja vista o ameaçador período de Guerra Fria após o final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) vivido entre russos e americanos -  e tendo  sua  vitória   envolvida  com uma suposta  ajuda   do governo  russo temperada com  espionagem e traição, o que, por si só, soa estranhamente   mal a um país que nunca  foi  tão  próximo  da política  russa, Trump, nesse  breve período de (des)governança, tem infernizado   a vida   de muitos americanos, sobretudo  de imigrantes.         
   Trump, que não tem  preparo intelectual e político  algum  para ser presidente de uma nação do porte dos Estados Unidos, tem tudo feito para desagradar grande  parte dos americanos natos e dos imigrantes, agora chamados de dreamers (sonhadores)  lutando, a todo custo,  a fim de  permanecerem  no país  que já teve  grandes e  honrados presidentes, como, só para mencionar um exemplo,  o grande Abraham Lincoln. Como o nível de presidentes  americanos caiu tanto ao ponto de  levar ao posto mais  alto da nação um  magnata,  xenófobo,   sem perfil  para exercer  a função  a que o alçaram   para a infelicidade  de tantos na América!
 Desejando, sem responsabilidade, desconstruir algumas conquistas sociais  alcançadas por  Obama, sendo a mais badalada  o  sistema de plano de saúde universal, beneficiando, assim,  os mais  desfavorecidos,  Trump tem-se distinguido apenas por  atitudes  e ações  impensadas e desconexas. Um jornalista brasileiro  com razão  já o comparou a uma criança. Eu diria a uma  criança  mimada, cheia de caprichos que parece estar brincando de presidente para servir de motejo  dos povos civilizados.  
   A meu ver,Trump governa de improviso, atabalhoado, sem direção, ou melhor,  em direções  perigosas, diz  besteiras,  usa de fake news nas redes sociais e tem  projetos mal formulados  que só agravarão ainda mais  a imagem dos  Estados Unidos  mundo afora. Não vejo muito futuro no seu mandato a menos que dê uma guinada  saudável abdicando de seus  planos  controversos  e  prejudiciais ao povo. Diria: ainda é tempo, Sr. Presidente,  de  começar  seu  governo  from scratch, voltando a   sua atenção à convergência e não à divisão de uma sociedade multifacetada  como a americana.
    Sua ideia de construção de um muro separando (modelado  a ideias nazifascistas do Muro de Berlim, o “Muro da Vergonha”)  o seu  país do México é estapafúrdia e vai na contramão das conquistas  de direitos humanos dos  tempos atuais  tão necessitados de paz, união e solidariedade entre os povos.
    Não pense que,  insuflando a divergência e a desunião da sociedade americana  vai  conseguir  realizar  uma administração boa   que possa tornar  o EUA uma nação acolhedora, que trate  os imigrantes e os estrangeiros  de forma  civilizada, com respeito e dignidade, não  revistando  pessoas  só porque não sejam  brancas, de olhos azuis e cabelos lisos.
    O Sr. não vai  colher bons frutos de seu governo  chamando nações mais pobres  de países "de merda" Nada disso,  é pela compreensão  que o Sr.  vai  unir os  americanos, quer  os adeptos de suas ideias  nacionalistas  e retrógradas, quer  os que  estão a favor  de uma sociedade  mais igualitária,  não aquela com a qual    conduz a sua vida de  milionário e capitalista   empedernido.
   Trump não deve perder  de vista aquele velho   lema  que dizia ser os EUA the land of  opportunity. Obama governou o país  numa direção bem mais democrática e com  objetivos   centrados  nos mais humildes e numa nação  mais humana. Ele próprio, sendo o primeiro  presidente negro,  foi exemplo de que os americanos   também  são contra qualquer forma de apartheid. Tal demonstração dos americanos é prova inconteste de que esse povo empreendedor historicamente tem um passado   de que seguramente se orgulha.
   Se Trump conhecesse as biografias de um George Washington, de um  Lincoln, de um Jefferson, de uma Benjamin Franklin, de um  Franklin Delano Roosevelt  certamente  teria  uma visão  séria,   madura  e responsável  da qual tiraria  lições de como  conduzir  uma nação com acerto, com  espírito democrático e com a aprovação da grande maioria do  povo americano.
 Todavia, Trump não quer uma biografia  honrada, reverenciada  e  aclamada  livremente  pela  nação,  cuja índole é ter sido, até agora,  democrática.   
  Expulsar  aleatoriamente  imigrantes  que há tanto tempo  moram  no pais,  prender   autoritariamente  pessoas  com aparência de  imigrantes,  infelicitando tantas famílias bem formadas e adaptadas às leis americanas,  pessoas  já deram  sua contribuição ao progresso dos EUA, não é a maneira  justa e  democrática de tratar  imigrantes.
  As passeatas, s manifestações contra o autoritarismo do governo Trump são sinais evidentes de que ali não estão  pedindo   algo  que tipifique   qualquer  infração  à Constituição  dos EUA. Reivindicam  esses imigrantes apenas o que  por justiça lhes cabe  reclamar: o  direito e a vontade de viver  na América, alguns com filhos já fluentes em inglês e  com  hábitos  adquiridos  por qualquer americano  nato e branco.   
  O presidente Trump deveria ter em mente  que não se governa apenas para os  ricos e os influentes.  A sociedade, embora com níveis de renda  diferentes, segundo   o sistema capitalista, nem por isso deve   cair no erro   imperdoável de  tratar  com desprezo os imigrantes. Além disso,  os EUA  são  historicamente um país de imigrantes e é por essa razão  que Trump deveria, se quiser continuar no poder,   mudar  suas  posição  de  considerar  o estrangeiro, o de fora como  se todo  mundo  fosse terrorista,  bandido  e cidadão de segunda categoria.  
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (1)

Também não gosto do Trump, a sua declaração sobre Jerusalém, cidade santa para as três grandes religiões monoteístas e que por isso mesmo devia ficar fora da política (afinal que mal há em que a capital administrativa de Israel seja Tel-Aviv?) foi desastrosa e insensata. Mas, Obama também não é flor que se cheire, amigo. É um feroz defensor da cultura da morte (aborto e cia. limitada). Sua cúmplice Hillary seria pior que o Trump, pois a cultura da morte é perversa e cínica além de violenta ao extremo. Eu, se fosse eleitor norte-americano, teria votado num dos candidatos menores, que não têm chance de vencer, mas ficaria com minha consciência limpa. Abraços.

Miguel Carqueija
postado:
22-01-2018 11:24:24

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

16.12.2018 - CRIMES NA CATEDRAL: MIMETISMO IANQUE?

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

13.11.2018 - Comentário e reflexão sobre esquerdismo e direitismo no Brasil e no Mundo

10.11.2018 - Sobre a deplorável condição do professor do ensino fundamental e médio público

08.11.2018 - Pendotiba é uma Pasárgada

02.11.2018 - Sobre a condição de ser crítico no moldes de Agripino Grieco

05.10.2018 - A AMIZADE: BREVÍSSIMA REFLEXÃO

27.09.2018 - COTIDIANO BRASILEIRO ATUAL

25.09.2018 - BERNARDO GUIMARÃES E JOÃO GUIMARÃES ROSA: DOIS CASOS DE METANARRATIVA

13.09.2018 - Reflexão sobre o chamado ensino domiciliar

12.09.2018 - TRISTE CENA BRASILEIRA

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

rEPUBLICADO

14.01.2019 - TIO GENARO E ANTÔNIO

TIO GENARO E ANTÔNIO

12.01.2019 - Trata-se de casos raros

Por que se diz “Trata-se de casos raros” mas ao mesmo tempo se pluraliza o verbo numa frase semelhante: “Tratam-se casos raros de câncer naquele hospital”?

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

Quando fui juiz em Capitão de Campos, já ouvia falar no João Carvalho, que havia sido médico nessa cidade, como um cidadão bem-humorado e cordato. Depois, o conheci pessoalmente e atesto essa opinião.

10.01.2019 - Pronome SE e indeterminação do sujeito

Vejamos os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza

09.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - III

Prosa contemporânea, livros sobre livros

08.01.2019 - Livre-se

Acredito que quase todos os Extraordinários tenham problemas de espaço em casa no que toca à arrumação dos livros

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

07.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - II

Ficção científica, fantasia, autores paraibanos

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

Não se pode negar

05.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - I

Aqui vão algumas das minhas leituras de 2018

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

O Padre Antônio Vieira é um notável autor binacional, brasileiro e português, vejamos um dos seus livros.

02.01.2019 - AS VOLTAS QUE A VIDA PODE DAR

Mudar é difícil. Aceitar a necessidade da mudança é ainda mais complicado. É sempre menos perturbador permanecer na mesma rotina de todos os dias, sabendo exatamente como agir ou quais decisões tomar.

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

Era uma agenda

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br