Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 14 de agosto de 2018
Eclética
Elmar Carvalho
Tamanho da letra A +A

VICISSITUDES DA VIDA

VICISSITUDES DA VIDA

Elmar Carvalho

Recebi, nesta manhã, telefonema de meu pai, que noticiava o falecimento do poeta Cunha Neto, ocorrido em Campo Maior, de madrugada. Meu pai havia ido ao velório. Não pude ir ao sepultamento do bardo. Tenho recordações antigas dele. Quando eu tinha por volta de nove anos de idade, vi um folheto de sua autoria, que o meu pai recebera na missa matinal de domingo, a que tinha ido assistir na matriz, hoje catedral. O cordel falava sobre o festejo de Santo Antônio do Surubim, padroeiro da cidade. Cantava as proezas e a coragem dos vaqueiros, que são homenageados na festa religiosa, com um dia a eles dedicado. Senti orgulho do conterrâneo, e – por que não confessar? – uma certa inveja. Imaginei o meu nome estampado em um livro. Mas só fui despertar de verdade para a literatura um pouco mais tarde.

Tempos depois, vi outros livretos do poeta, com poemas que falavam da lagoa do Corró, da saudade, e das belezas arquitetônicas e naturais de Campo Maior. Zé Cunha Neto era um autêntico cordelista, também chamado de poeta de gabinete, porque manejava a palavra escrita, mas não era um repentista, cuja principal característica é improvisar, acompanhando-se por uma viola. Foi meu amigo e amigo de meu pai. Quando tomei posse de minha cadeira na Academia do Vale do Longá, Zé Cunha me prestou uma enternecedora homenagem, declamando um poema de sua autoria sobre a minha pessoa. Não precisaria acrescentar que fiquei deveras comovido. Isso significa que o poeta era despojado da mesquinha inveja e sabia reconhecer as qualidades de outra pessoa, de outro poeta.

Era um cidadão de bem e do bem. Sua mulher, dona Ana, foi uma boa e sábia companheira, que soube amparar e compreender o grande poeta popular. Nos últimos anos, vinha amargando forte depressão, que torturava seu espírito, tornando-o quase recluso, retraído, quando outrora fora alegre, expansivo e sociável. Lembrando-me dos seguintes versos de Antero de Quental: “Na mão de Deus, na sua mão direita, / Descansou afinal meu coração”, tenho a certeza de que o coração bondoso e tão sofrido do poeta Cunha Neto encontrou abrigo, amparo e lenitivo na destra do Senhor.

                                                                                              *  *  *

À tarde, quando eu voltava de um passeio a um balneário de Timon, vi, na avenida Joaquim Ribeiro, um rapaz tentando entrar num casebre, batendo vigorosa e insistentemente na porta, que permaneceu fechada. Não sei se alguém respondeu às insistentes batidas, com alguma negativa. Sei que o rapaz afastou-se e foi sentar em uma soleira de porta, próximo. Começou a sorrir, aparentemente sem nenhuma razão. Talvez risse de si mesmo ou da possível negativa, que recebera. Seus cabelos eram esquálidos, maltratados; as roupas, velhas e manchadas, e o seu aspecto geral era de sujeira, como se ele não cuidasse de si mesmo. Os que estávamos no carro, achamos que ele parecia estar drogado.

Por tudo que tenho visto, lido e ouvido, considero que a droga foi o grande flagelo do final do século passado, e parece que continuará a ser o mal deste século XXI. Traz grandes malefícios ao viciado, que termina sendo um tormento, inicialmente, para a sua família, ao exigir dinheiro para o sustento do vício, e depois para a sociedade, quando começa a furtar e a roubar, para poder adquiri-la. Segundo os estudos e as observações, o crack vicia logo na primeira ou segunda vez em que é fumado, prejudica o cérebro e a saúde do dependente e muitas vezes o leva à morte.

Na ansiedade e na compulsão pela droga, o usuário é capaz até mesmo de assaltar e matar, e nesses momentos a sua consciência e freios inibitórios morais ficam completamente desativados. Às vezes, o crime hediondo é cometido contra parentes próximos e pessoas que o dependente amava. E a sociedade se queda perplexa, impotente, diante da brutalidade e da barbárie que se instaura, sem nenhum sentido e de forma avassaladora.

7 de fevereiro de 2010 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

13.08.2018 - BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

17.07.2018 - Elmar Carvalho e seu ‘Histórias de Évora’ (*)

12.07.2018 - Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí

29.06.2018 - FOGO EM PALHOÇAS DE TERESINA

19.06.2018 - Dom Pedro e São Félix do Araguaia

06.06.2018 - Louro da Banca, patrimônio cultural parnaibano

29.05.2018 - Retratos e uma charge de Gervásio Castro

24.05.2018 - Jornal Inovação a a queima dos tapumes

16.05.2018 - Viagem a Manaus

14.05.2018 - Retrato de minha mãe (*)

09.05.2018 - Barras: histórias e saudades

05.05.2018 - Máscaras

27.04.2018 - Sobre "Histórias de Évora” de Elmar Carvalho

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

13.08.2018 - BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

Em seguida, disse que ele mesmo iria mandar preparar uma buchada, a ser feita com bode de seu próprio rebanho. Marcamos a data e o local do repasto.

12.08.2018 - PASSANDO PELO CENTRO DO RIO DE JANEIRO

Não cfoi hoje nem ontem

12.08.2018 - Julião Afonso Serra, um dos quatro grandes sesmeiros do Piauí.

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um dos conquistadores e maiores sesmeiros do Piauí

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

05.08.2018 - HOW GOES THE ENEMY?

o ePIFÂNICO

04.08.2018 - Cidadela saqueada

Fato é que o crime organizado está levando a melhor. Até quando?

04.08.2018 - violência nas escolas

Nunca mais ninguém o perturbou

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

O ponto alto da solenidade será o lançamento do livro “Câmara Municipal de Campo Maior: 256 Anos de História”, da autoria do professor e historiador Celson Chaves

01.08.2018 - Aborto: crime não pode deixar de ser crime

Não podemos calar diante da barbaridade.

01.08.2018 - MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA

MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA – ROGEL SAMUEL

31.07.2018 - Mario Benedetti

Mario Benedetti

27.07.2018 - Os males do Crivella: um prefeito que não deu certo

Eis um prefeito

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

Gigliola Cinquetti e o ingênuo “Dio, come ti amo” fizeram muitas adolescentes verterem profusas e sentidas lágrimas, com direito a profundos soluços e palpitações.

25.07.2018 - Eurídice

049

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br