Dilson Lages Monteiro Domingo, 25 de fevereiro de 2018
Eclética
Eclética
Tamanho da letra A +A

OS POEMAS E OS PEIXES DE DOM RUBERVAM

 

OS POEMAS E OS PEIXES DE DOM RUBERVAM

Elmar Carvalho

Nesta madrugada sonhei que participava de um encontro de literatos, sobretudo poetas.  Só gravei do sonho o momento em que o poeta Rubervam Du Nascimento discursava. Não recordo suas palavras. Eu o via em carne e osso, mas era como se o visse através de um televisor. Meus olhos pareciam ter uma espécie de zoom, pois o seu rosto parecia estar enquadrado em um close, de modo que não lhe via o restante do corpo.

Conheço-o desde os idos de 1978, quando ambos éramos colaboradores da página literária coordenada pelo vate Menezes y Moraes, e quando houve uma forte interação cultural entre poetas teresinenses e parnaibanos. Nessa época existiu uma forte aproximação literária entre as duas cidades. Poetas da capital e litorâneos fizeram parte das mesmas antologias e coletâneas. Foram partícipes dos mesmos eventos literários.

Certa vez, Rubervam foi a Parnaíba a serviço de sua repartição. Fui visitá-lo no hotel em que se hospedou. Trouxera uma pequena máquina de escrever portátil, e com todo o entusiasmo de sua juventude produziu alguns poemas no apartamento. Depois, ao longo da vida, mantivemos a amizade, mas nunca nos frequentamos com assiduidade. Contudo, sempre mantivemos uma admiração e fraternidade recíprocas. Quando nos encontramos, casualmente ou não, a conversa flui com muito entusiasmo e alegria.

Embora não tenha ele se transformado num ermitão, tornou-se um tanto arredio a certas instituições e confrarias, sobretudo as de elogio recíproco e as de caráter corporativista. O poeta nunca aceitou e nunca fez concessões espúrias. Sempre manteve a sua postura um tanto reservada e arredia, embora seja cordial e de fácil convívio. Manteve sempre a sua linha poética, comprometida com o novo e com a pesquisa, buscando sempre as soluções inventivas, e não as de fácil apelo ao gosto popular.

Mantém-se íntegro e fiel a si mesmo. Ganhou dois importantes prêmios literários nacionais, com dois de seus livros, um dos quais Os Cavalos de Dom Ruffato, mas, ao que parece, nunca fez muita questão de divulgá-los na província. Casado, há muitos anos, com a poeta Carmem Gonzales, que oficia na sua mesma linhagem poética, que busca a síntese, o inusitado e a inventividade.

Seguindo na contramão do usual, publica seu principal livro, A Profissão dos Peixes, a cada cinco anos, em edição revista e diminuída, de modo que essa obra se torna cada vez mais magra, como se passasse por radical lipoaspiração literária. Num paroxismo, poderíamos dizer que o poeta poderia alcançar a síntese ou o símbolo do peixe, que seria talvez a sua espinha, ou seu fóssil estampado em alguma pedra multimilenar. Dom Rubervam é um bom amigo e um poeta visceral.

9 de fevereiro de 2010 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

20.02.2018 - DEPOIMENTO SOBRE JOSÉ ELMAR DE MELO CARVALHO

15.02.2018 - O TALENTO ESCULTÓRICO DE BRAGA TEPI

09.02.2018 - O JUIZ RAIMUNDO CAMPOS

01.02.2018 - OS POEMAS E OS PEIXES DE DOM RUBERVAM

24.01.2018 - Via Sacra no Centro Histórico de Parnaíba

17.01.2018 - Padre Sampaio – da Ininga para a Corte

12.01.2018 - VICISSITUDES DA VIDA

04.01.2018 - Moisés

28.12.2017 - O goleiro e o Gato

20.12.2017 - A LOCALIZAÇÃO DA FAZENDA BITOROCARA *

15.12.2017 - Meu pai e a sua Ítaca encantada

12.12.2017 - Carta/resenha de Histórias de Évora (*)

08.12.2017 - O CENTENÁRIO DE CLÁUDIO PACHECO

29.11.2017 - Síntese de Campo Maior nas décadas de 70/80

23.11.2017 - Fotos Antigas

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.02.2018 - Onças

Onças

22.02.2018 - QUEM ESTÁ CONTRA O BRASIL?

Nãofoi Temer nem tampouco

22.02.2018 - Verbos visar e penalizar

Solicitou-me uma aluna de Direito da UFSC que discorresse sobre a regência do verbo visar

22.02.2018 - Olimpíada

Olimpíada

21.02.2018 - Um novo programa de rádio

Desde quarta-feira passada, temos na Rádio Renascença um novo programa de livros

20.02.2018 - Viagens encalhadas: poema de Jefferson Bessa

poesia

20.02.2018 - Revendo Däniken

Análise de uma obra do homem dos "deuses astronautas"

20.02.2018 - VEJA OS VÍDEOS AQUI: PERDA INESTIMÁVEL DO INCÊNDIO

VEJA OS VÍDEOS AQUI: PERDA INESTIMÁVEL DO INCÊNDIO

20.02.2018 - Sagrado Templo De Jokhang Durante El Losar

Sagrado Templo De Jokhang Durante El Losar

20.02.2018 - A arte da pontuação

Ninguém nos ensina isto na escola

20.02.2018 - Conversa de véio

- Minha avó já dizia que falta berço, escola, terço e cachola.

20.02.2018 - DEPOIMENTO SOBRE JOSÉ ELMAR DE MELO CARVALHO

Elmar Carvalho tornou-se um dos poetas mais importantes da Geração do Mimeógrafo ou dos Anos 70, geração que escreveu uma poesia agressiva – chamada marginal ou alternativa (...).

20.02.2018 - Ninguém é pai de um poema sem morrer

O poema é, antes de tudo, um “inutensílio”.

19.02.2018 - A fundação da Mocha: litígio e batalha nos tribunais

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a fundação da cidade de Oeiras, primeira capital do Piauí.

19.02.2018 - O PAÍS QUE SEMPRE ADIA

a quem já viveu

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br