Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 18 de outubro de 2018
Eclética
Elmar Carvalho
Tamanho da letra A +A

O JUIZ RAIMUNDO CAMPOS

 

O JUIZ RAIMUNDO CAMPOS

Elmar Carvalho

                Em virtude da reforma que será feita no prédio do Fórum Dr. Raimundo Campos, desta Comarca de Regeneração, foi feita a mudança da repartição para uma casa antiga, situada no centro histórico da cidade, mais perto da matriz de São Gonçalo, santo de origem portuguesa, em cuja honra existiam as antigas rodas e cantigas que levavam seu nome, hoje quase extintas, sem ninguém que as dance, sem ninguém que as cante.

          Há quem diga que São Gonçalo do Amarante, tradicionalmente conhecido como alegre, festeiro e violeiro, não chegou a ser canonizado, mas teria chegado apenas ao posto de beato nos procedimentos católicos. De qualquer forma, o povo o canonizou e ele tornou-se santo de fato, e como tal é reverenciado por clérigos e profanos.

                O Dr. Raimundo Campos foi juiz de Regeneração e Amarante por vários anos. Homem sem jaça, de reputação ilibada. Nasceu em Oeiras, em 10 de agosto de 1881, descendente de importante estirpe da velha capital. Era pai do grande teatrólogo e professor piauiense José Gomes Campos, cuja obra prima é o Auto do Lampião no Além.

Para que se tenha uma pálida ideia desse magistrado, basta que se diga que ele recusou a governança do Estado do Piauí e, posteriormente, o cargo de desembargador. Numa época de muita ganância, muito egoísmo e ânsia por cargos, uma atitude como essa causa admiração, senão mesmo perplexidade.

                Era ele um homem austero, talvez um tanto circunspecto, mas tratava todos com cordialidade e fazia suas obras filantrópicas, sendo certo que tinha o respeito e a consideração dos seus jurisdicionados. Contou-me Nileide Soares, que seu pai fora amigo do juiz e falava muito bem dele, considerando-o um homem correto e digno.

Dele ficou a memória de um caso anedótico, em que teria dado uma decisão contra um homem por causa de um delito de pequeno potencial ofensivo, como se diz hoje. O infrator o abordou, insistindo para que ele desse um “jeitinho”. Pelo visto o chamado jeitinho brasileiro já deveria existir naquele tempo. O Dr. Raimundo Campos, com inegável senso de humor, respondeu-lhe que era formado em Direito e era juiz de Direito, e, portanto, não poderia ser torto, e indeferiu a súplica verbal de forma liminar e peremptória.

10 de fevereiro de 2010

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

18.10.2018 - DOM CLIDENOR E DOM QUIXOTE DE LA MANCHA

11.10.2018 - A história do sapo Zé

03.10.2018 - A arte fotográfica de Valdeci Ribeiro

28.09.2018 - Noturno de Oeiras no Fórum da Velhacap

20.09.2018 - O maçom e barbeiro Chagas Vieira

13.09.2018 - Didi

04.09.2018 - Mergulhando nas lembranças de Cavour

31.08.2018 - CAMPANHAS ELEITORAIS ACADÊMICAS

13.08.2018 - Buchada de bode na Fazenda do Rócio

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

17.07.2018 - Elmar Carvalho e seu ‘Histórias de Évora’ (*)

12.07.2018 - Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí

29.06.2018 - FOGO EM PALHOÇAS DE TERESINA

19.06.2018 - Dom Pedro e São Félix do Araguaia

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

18.10.2018 - DOM CLIDENOR E DOM QUIXOTE DE LA MANCHA

O nome Meduna foi dado em homenagem a um grande psiquiatra francês. O sanatório é uma bela construção, com seus pavilhões brancos, seus alpendres, seus corredores.

17.10.2018 - A PANTERA 3

A PANTERA 3

16.10.2018 - NEUZA MACHADO: A DESTRUIÇÃO PELO FOGO

NEUZA MACHADO: A DESTRUIÇÃO PELO FOGO

11.10.2018 - A história do sapo Zé

Falou que o garoto, além do amor aos livros, gostava de desenhar, escrever e era componente de uma banda musical.

08.10.2018 - DOIS: A PANTERA

DOIS: A PANTERA

06.10.2018 - COMO CONHECI NEUZA MACHADO

COMO CONHECI NEUZA MACHADO

05.10.2018 - A PANTERA. 1

A PANTERA. 1

05.10.2018 - A AMIZADE: BREVÍSSIMA REFLEXÃO

Na questão

04.10.2018 - A IMENSURÁVEL FLORESTA

A IMENSURÁVEL FLORESTA

03.10.2018 - A arte fotográfica de Valdeci Ribeiro

Valdeci se esmera em aguardar o momento mais adequado de luminosidade, em procurar o melhor ângulo, para conseguir o resultado que deseja.

02.10.2018 - Relembrando 1989

É preciso entender a verdadeira situação crítica em que se encontra o nosso país. Todo o cuidado é pouco.

01.10.2018 - Psycho Pass 10: batalha no túnel do metrô

Prossigo a análise, na forma de guia de episódios, da série de animação "Psycho Pass" com as aventuras futuristas da policial Akane Tsunemori, num Japão distópico onde a sociedade é controlada.

28.09.2018 - A GRANDEZA DESPOJADA

A GRANDEZA DESPOJADA

28.09.2018 - A GRANDEZA DESPOJADA

A GRANDEZA DESPOJADA

28.09.2018 - Noturno de Oeiras no Fórum da Velhacap

Noturno de Oeiras, com essa linda placa, marca mais um tento, “um verdadeiro gol de placa”.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br