Dilson Lages Monteiro Sábado, 20 de outubro de 2018
Eclética
Elmar Carvalho
Tamanho da letra A +A

Fotos Antigas

Fotos Antigas

 

Elmar Carvalho

 

Onde estão aquelas pessoas

que assistiam ao comício na velha praça,

que já não existe, exceto na foto desbotada

e carcomida pelas traças implacáveis?

 

Muitas já estão dormindo,

dormindo profundamente

(como no poema de Bandeira),

no Cemitério da Igualdade

ou em outro campo santo qualquer.

A própria praça já não existe

na sua sedutora arquitetura de então.

 

Por causa da usura, dos metais e do tempo,

alguns casarões foram demolidos,

dando lugar a modernosas formas,

sem história, sem lembranças.

Outros permanecem, com os aleijões das “reformas”.

 

O homem que passava

para sempre ficou

congelado na foto,

em inconclusa passada.

 

Para onde se foi, com a sua pressa,

com as suas preocupações e planos,

e as suas momentâneas contingências?

 

Decerto, deserto de tudo,

hoje já não tem pressa,

nem preocupações,

nem dúvidas e dores,

para sempre imoto em sua cova.

 

A moça bonita, eternamente

moça e bonita na fotografia,

terá morrido moça e bonita

ou terá sentido na pele e na alma

o desmoronar lento do tempo?

 

A águia metálica

voou do cais do porto

para outro logradouro, de onde,

pousada no poleiro monumental,

assiste o desfilar frenético dos carros,

entre movimentadas avenidas.

Ela, contudo, permanece imóvel,

embora com as longas asas distendidas,

hierática, sem pressa e sem medo.

 

A maria fumaça que passava

soltando fumaça e apitando

não mais passará, não mais passará,

com as suas negras engrenagens,

nem mesmo travestida

em locomotiva a diesel.

Até os trilhos e dormentes

lhe foram arrancados, e as trilhas, apagadas.

 

Os namorados que se amavam

e se afagavam, à sombra

da velha pérgola ou do caramanchão

de outrora, ainda se amam, ainda se afagam?

São tantos os sonhos desfeitos...

 

Um dia, os retratos estarão apagados,

e este poema, esquecido.

E não restará sequer uma tabuleta

ou um bilhete esmaecido

em (esconsa) gaveta.    

  

(*) Após vários anos sem escrever nenhum poema, fiz hoje (22.11.17) este texto, que espero mereça essa classificação ou rótulo.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

18.10.2018 - DOM CLIDENOR E DOM QUIXOTE DE LA MANCHA

11.10.2018 - A história do sapo Zé

03.10.2018 - A arte fotográfica de Valdeci Ribeiro

28.09.2018 - Noturno de Oeiras no Fórum da Velhacap

20.09.2018 - O maçom e barbeiro Chagas Vieira

13.09.2018 - Didi

04.09.2018 - Mergulhando nas lembranças de Cavour

31.08.2018 - CAMPANHAS ELEITORAIS ACADÊMICAS

13.08.2018 - Buchada de bode na Fazenda do Rócio

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

17.07.2018 - Elmar Carvalho e seu ‘Histórias de Évora’ (*)

12.07.2018 - Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí

29.06.2018 - FOGO EM PALHOÇAS DE TERESINA

19.06.2018 - Dom Pedro e São Félix do Araguaia

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

18.10.2018 - DOM CLIDENOR E DOM QUIXOTE DE LA MANCHA

O nome Meduna foi dado em homenagem a um grande psiquiatra francês. O sanatório é uma bela construção, com seus pavilhões brancos, seus alpendres, seus corredores.

17.10.2018 - A PANTERA 3

A PANTERA 3

16.10.2018 - NEUZA MACHADO: A DESTRUIÇÃO PELO FOGO

NEUZA MACHADO: A DESTRUIÇÃO PELO FOGO

11.10.2018 - A história do sapo Zé

Falou que o garoto, além do amor aos livros, gostava de desenhar, escrever e era componente de uma banda musical.

08.10.2018 - DOIS: A PANTERA

DOIS: A PANTERA

06.10.2018 - COMO CONHECI NEUZA MACHADO

COMO CONHECI NEUZA MACHADO

05.10.2018 - A PANTERA. 1

A PANTERA. 1

05.10.2018 - A AMIZADE: BREVÍSSIMA REFLEXÃO

Na questão

04.10.2018 - A IMENSURÁVEL FLORESTA

A IMENSURÁVEL FLORESTA

03.10.2018 - A arte fotográfica de Valdeci Ribeiro

Valdeci se esmera em aguardar o momento mais adequado de luminosidade, em procurar o melhor ângulo, para conseguir o resultado que deseja.

02.10.2018 - Relembrando 1989

É preciso entender a verdadeira situação crítica em que se encontra o nosso país. Todo o cuidado é pouco.

01.10.2018 - Psycho Pass 10: batalha no túnel do metrô

Prossigo a análise, na forma de guia de episódios, da série de animação "Psycho Pass" com as aventuras futuristas da policial Akane Tsunemori, num Japão distópico onde a sociedade é controlada.

28.09.2018 - A GRANDEZA DESPOJADA

A GRANDEZA DESPOJADA

28.09.2018 - A GRANDEZA DESPOJADA

A GRANDEZA DESPOJADA

28.09.2018 - Noturno de Oeiras no Fórum da Velhacap

Noturno de Oeiras, com essa linda placa, marca mais um tento, “um verdadeiro gol de placa”.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br