Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 17 de janeiro de 2019
Eclética
Elmar Carvalho
Tamanho da letra A +A

Fotos Antigas

Fotos Antigas

 

Elmar Carvalho

 

Onde estão aquelas pessoas

que assistiam ao comício na velha praça,

que já não existe, exceto na foto desbotada

e carcomida pelas traças implacáveis?

 

Muitas já estão dormindo,

dormindo profundamente

(como no poema de Bandeira),

no Cemitério da Igualdade

ou em outro campo santo qualquer.

A própria praça já não existe

na sua sedutora arquitetura de então.

 

Por causa da usura, dos metais e do tempo,

alguns casarões foram demolidos,

dando lugar a modernosas formas,

sem história, sem lembranças.

Outros permanecem, com os aleijões das “reformas”.

 

O homem que passava

para sempre ficou

congelado na foto,

em inconclusa passada.

 

Para onde se foi, com a sua pressa,

com as suas preocupações e planos,

e as suas momentâneas contingências?

 

Decerto, deserto de tudo,

hoje já não tem pressa,

nem preocupações,

nem dúvidas e dores,

para sempre imoto em sua cova.

 

A moça bonita, eternamente

moça e bonita na fotografia,

terá morrido moça e bonita

ou terá sentido na pele e na alma

o desmoronar lento do tempo?

 

A águia metálica

voou do cais do porto

para outro logradouro, de onde,

pousada no poleiro monumental,

assiste o desfilar frenético dos carros,

entre movimentadas avenidas.

Ela, contudo, permanece imóvel,

embora com as longas asas distendidas,

hierática, sem pressa e sem medo.

 

A maria fumaça que passava

soltando fumaça e apitando

não mais passará, não mais passará,

com as suas negras engrenagens,

nem mesmo travestida

em locomotiva a diesel.

Até os trilhos e dormentes

lhe foram arrancados, e as trilhas, apagadas.

 

Os namorados que se amavam

e se afagavam, à sombra

da velha pérgola ou do caramanchão

de outrora, ainda se amam, ainda se afagam?

São tantos os sonhos desfeitos...

 

Um dia, os retratos estarão apagados,

e este poema, esquecido.

E não restará sequer uma tabuleta

ou um bilhete esmaecido

em (esconsa) gaveta.    

  

(*) Após vários anos sem escrever nenhum poema, fiz hoje (22.11.17) este texto, que espero mereça essa classificação ou rótulo.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

18.12.2018 - PROFESSOR FREITAS E O GIGANTE ADAMASTOR

02.12.2018 - Meus tempos de editor na FCMC

14.11.2018 - Expedição a Batalha

07.11.2018 - O Poeta das Gaivotas

01.11.2018 - Depoimento sobre Alcenor Candeira Filho

26.10.2018 - Cemitério campestre

18.10.2018 - Dom Clidenor e Dom Quixote de La Mancha

11.10.2018 - A história do sapo Zé

03.10.2018 - A arte fotográfica de Valdeci Ribeiro

28.09.2018 - Noturno de Oeiras no Fórum da Velhacap

20.09.2018 - O maçom e barbeiro Chagas Vieira

13.09.2018 - Didi

04.09.2018 - Mergulhando nas lembranças de Cavour

31.08.2018 - CAMPANHAS ELEITORAIS ACADÊMICAS

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

rEPUBLICADO

14.01.2019 - TIO GENARO E ANTÔNIO

TIO GENARO E ANTÔNIO

12.01.2019 - Trata-se de casos raros

Por que se diz “Trata-se de casos raros” mas ao mesmo tempo se pluraliza o verbo numa frase semelhante: “Tratam-se casos raros de câncer naquele hospital”?

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

Quando fui juiz em Capitão de Campos, já ouvia falar no João Carvalho, que havia sido médico nessa cidade, como um cidadão bem-humorado e cordato. Depois, o conheci pessoalmente e atesto essa opinião.

10.01.2019 - Pronome SE e indeterminação do sujeito

Vejamos os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza

09.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - III

Prosa contemporânea, livros sobre livros

08.01.2019 - Livre-se

Acredito que quase todos os Extraordinários tenham problemas de espaço em casa no que toca à arrumação dos livros

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

07.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - II

Ficção científica, fantasia, autores paraibanos

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

Não se pode negar

05.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - I

Aqui vão algumas das minhas leituras de 2018

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

O Padre Antônio Vieira é um notável autor binacional, brasileiro e português, vejamos um dos seus livros.

02.01.2019 - AS VOLTAS QUE A VIDA PODE DAR

Mudar é difícil. Aceitar a necessidade da mudança é ainda mais complicado. É sempre menos perturbador permanecer na mesma rotina de todos os dias, sabendo exatamente como agir ou quais decisões tomar.

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

Era uma agenda

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br