Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 17 de agosto de 2018
Eclética
Elmar Carvalho
Tamanho da letra A +A

BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

 

Elmar Carvalho

 

No dia do lançamento de meu livro Bernardo de Carvalho – O Fundador de Bitorocara, encontrei-me com o amigo João Luís Queiroz. É ele médico veterinário e dono de uma loja de produtos destinados à agricultura e à pecuária. Fundou, juntamente com Elton Andrade e outros companheiros, a Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos de Campo Maior – Ascamcco, que funciona na antiga sede da Fazenda Rocio, no Bairro São João, no local onde outrora eram realizadas as exposições agropecuárias.

Em presença do professor Zé Francisco Marques, disse-lhe que minha mãe havia descoberto uma senhora que era uma exímia preparadora de buchada de bode, e que eu iria encomendar essa iguaria por ocasião de minha próxima visita a meus pais. O João Luís ficou interessado e me perguntou a data de minha vinda. Em seguida, disse que ele mesmo iria mandar preparar uma buchada, a ser feita com bode de seu próprio rebanho. Marcamos a data e o local do repasto.

 

No domingo agendado, nos encontramos na casa grande da extinta Fazenda do Rocio. Ficamos no alpendre que possibilitava a visão de umas árvores frondosas e de uma nesga do tabuleiro campomaiorense, apesar de o imóvel ficar atualmente encravado em área urbana. Fizeram parte do ágape, além do anfitrião, o Zé Francisco, o professor Neto Chuíba, senhor feudal do sítio Carajás, o universitário Guilherme Queiroz, filho do João Luís, e este cronista.

 

Além do multicitado quitute, vieram outras iguarias, entre as quais um delicioso sarapatel. Tudo foi preparado pela moradora da sede da Acampi, que se esmerou no preparo do repasto, que além de farto foi supimpa. Todos fomos unânimes em reconhecer a qualidade gastronômica dos pratos ofertados, que deglutimos com muito brio e entusiasmo, em meio a alegre e descontraída libação. Sendo João Luís Queiroz um grande apreciador da cultura nordestina, sobretudo das cantorias, dos desafios de repentistas, dos poemas de cordel e do autêntico forró nordestino, nos brindou com belíssima camisa em homenagem a Luiz Gonzaga, o insuperável e eterno Rei do Baião, que passamos a envergar imediatamente. Parecíamos estar em sua fazenda do Exu. Ao final, fomos enquadrados pelo meu irmão Antônio José, que como um legítimo cangaceiro virtual nos colocou sob a mira de uma câmera fotográfica.

 

Como é de minha praxe, propus que fizéssemos uma rodada do que chamo de discursos-relâmpagos, referentes ao evento. Para dar o exemplo e estimular os demais amigos, iniciei a peroração. Enalteci as qualidades e virtudes de cada um dos presentes. Recordei que quase oito anos atrás, a saudosa mãe do João Luís, a pedido de meu pai, orou por minha saúde, e me enviou um escapulário, que me acompanhou durante muitos anos, em sinal de Fé e de agradecimento pela minha cura. Seus pais, Francisco e Nazaré, foram amigos dos meus. A seguir fiz a louvação da bela paisagem do entorno, ainda um tanto bucólica, o que mais se acentuou com a presença de algumas reses bovinas, que coroaram a festa, dando-lhe um aspecto também pastoril. Alinhavei considerações sobre o histórico da velha fazenda do Rocio, mormente a respeito dos familiares de seus antigos proprietários.

 

Disse que ela pertencera à família do grande teatrólogo Francisco Pereira da Silva, um dos maiores do Brasil, filho ilustre de Campo Maior, que teve a peça Chapéu de Sebo encenada, durante vários anos, em Berlim, na Alemanha. Falei de minha amizade com os filhos dos saudosos João Capucho do Vale e dona Consolação. Recordei que no início da década de 70, quando eu tinha 16 ou 17 anos de idade, o poeta Odylo Costa, filho, e sua mulher, a pintora campomaiorense Maria de Nazareth (irmã de Chico Pereira), visitaram Campo Maior. Cheguei a ver o casal na casa do senhor João Capucho, situada perto do Centro Operário.

 

A minha timidez da época e de sempre não me deixou cumprimentar Odylo, e lhe dizer que eu também fazia versos, ainda que tortos ou capengas. De qualquer sorte, pedi emprestado, através do Otaviano Furtado do Vale, o seu livro Cantiga Incompleta, que ele autografara para os seus parentes João Capucho e dona Consolação, pais do meu amigo. O poeta era sabidamente um mestre na arte da convivência, e soube construir e conservar belas amizades, entre as quais as dos bardos Carlos Drummond de Andrade, Ribeiro Couto e Manuel Bandeira, que foram seus padrinhos de casamento. Por sinal, esses vates são de minha admiração, e de todos eles tenho livros em minhas estantes.

 

A minha retração me impediu de ganhar – quem sabe? – um exemplar de Cantiga Incompleta, autografado pelo autor, mas hoje tenho a sua Poesia Completa, edição organizada por Virgílio Costa, seu filho, em lugar de honra em minha biblioteca, que fui forçado a “enxugar” bastante no ano passado, por falta de espaço físico. Para minha maior satisfação, na oportunidade em que consegui essa obra, adquiri também os três volumes de Teatro Completo de Francisco Pereira da Silva, publicados pela Funarte em 2009, igualmente organizados pelo Virgílio Costa, que é escritor, historiador e pintor.

 

Na apresentação da obra, que enfeixa 32 peças, o Ministro da Cultura, Juca Ferreira,  diz que o grande dramaturgo “fez da pobreza e da secura do Nordeste sua temática principal e formou, com Ariano Suassuna e Osman Lins, uma tríade de expoentes da dramaturgia regionalista”, mas reconhece a universalidade de FPS quando diz que a sua obra “extrapola os temas regionais e, em muitos casos, se volta para a realidade cultural do país”. Grandes diretores e atores, entre os quais Gianni Ratto, Fernanda Montenegro, Ítalo Rossi, Francisco Cuoco, Zilka Salaberry, Maria Gladys, José Wilker e Sérgio Britto, encenaram obras de sua autoria. Uma de suas peças foi transformada em filme. Não obstante tudo isso, Sérgio Mamberti, em nota introdutória, reconhece que Chico Pereira foi um artista extremamente modesto. Sua timidez já me fora relatada pelo ator Tarciso Prado, que foi seu amigo e lhe tinha profunda admiração.

 

Ele era tio de Olavo Pereira da Silva Filho, arquiteto, um dos mais destacados lutadores da preservação arquitetônica do Piauí, autor de importantes obras sobre os velhos solares do Piauí e do Maranhão, e que arrebatou um dos maiores prêmios nacionais dessa área cultural. Era primo de Abdias Silva, campomaiorense, com quem tive a honra de me corresponder, que foi um dos maiores jornalista do país, e do memorialista Francisco Cardoso da Silva.

 

A alta qualidade de sua obra, o seu estilo apurado, a sua técnica esmerada, no momento em que o teatro nacional enveredou pelo experimentalismo e em busca de pretensas ou verdadeiras vanguardas, fez com que a sua fatura teatral, embora bem recebida pela crítica, fosse “bastante ignorada pelo público”, segundo foi observado na cronologia, na qual consta que sua dramaturgia fora escrita numa hora errada, ipso facto, além de haver encontrado “certa hostilidade da elite sulista à cultura e ao desnudamento da pobreza nordestina”, de onde o dramaturgo teria extraído sua principal temática.

 

Ao contemplar a velha sede da Fazenda do Rocio, não pude deixar de me lembrar dos versos em que o poeta H. Dobal disse ali haver tomado banho de leite. E não pude deixar de lamentar que o notável teatrólogo campomaiorense pouco seja lembrado e festejado em sua terra natal, apesar de há muitos anos uma lei estadual ter determinado a criação do Memorial Francisco Pereira da Silva. Até hoje essa lei nunca foi executada. Não sei o que impede a criação desse Memorial, uma vez que o autor já é falecido e é um dos maiores teatrólogos brasileiros.

 

17 de janeiro de 2013

 

(*) Crônica republicada como uma homenagem ao professor Neto Chuíba (Antônio José Araújo Silva), falecido em 27/07/2013, em Campo Maior, em sua residência no Sítio Carajás, onde estive várias vezes, acompanhado de nosso amigo comum Zé Francisco Marques, professor e musicista. 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

13.08.2018 - BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

17.07.2018 - Elmar Carvalho e seu ‘Histórias de Évora’ (*)

12.07.2018 - Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí

29.06.2018 - FOGO EM PALHOÇAS DE TERESINA

19.06.2018 - Dom Pedro e São Félix do Araguaia

06.06.2018 - Louro da Banca, patrimônio cultural parnaibano

29.05.2018 - Retratos e uma charge de Gervásio Castro

24.05.2018 - Jornal Inovação a a queima dos tapumes

16.05.2018 - Viagem a Manaus

14.05.2018 - Retrato de minha mãe (*)

09.05.2018 - Barras: histórias e saudades

05.05.2018 - Máscaras

27.04.2018 - Sobre "Histórias de Évora” de Elmar Carvalho

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

13.08.2018 - BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

Em seguida, disse que ele mesmo iria mandar preparar uma buchada, a ser feita com bode de seu próprio rebanho. Marcamos a data e o local do repasto.

12.08.2018 - PASSANDO PELO CENTRO DO RIO DE JANEIRO

Não cfoi hoje nem ontem

12.08.2018 - Julião Afonso Serra, um dos quatro grandes sesmeiros do Piauí.

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um dos conquistadores e maiores sesmeiros do Piauí

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

05.08.2018 - HOW GOES THE ENEMY?

o ePIFÂNICO

04.08.2018 - Cidadela saqueada

Fato é que o crime organizado está levando a melhor. Até quando?

04.08.2018 - violência nas escolas

Nunca mais ninguém o perturbou

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

O ponto alto da solenidade será o lançamento do livro “Câmara Municipal de Campo Maior: 256 Anos de História”, da autoria do professor e historiador Celson Chaves

01.08.2018 - Aborto: crime não pode deixar de ser crime

Não podemos calar diante da barbaridade.

01.08.2018 - MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA

MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA – ROGEL SAMUEL

31.07.2018 - Mario Benedetti

Mario Benedetti

27.07.2018 - Os males do Crivella: um prefeito que não deu certo

Eis um prefeito

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

Gigliola Cinquetti e o ingênuo “Dio, come ti amo” fizeram muitas adolescentes verterem profusas e sentidas lágrimas, com direito a profundos soluços e palpitações.

25.07.2018 - Eurídice

049

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br