Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018
Diálogos com a história
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

Prof.ª Iracema Miranda

Prof.ª Iracema Miranda

A cidade de Floriano, no centro-sul do Piauí, foi o cenário em que viveu desde a idade de 12 anos incompletos até o fim de sua existência, já na maturidade, a professora Iracema Gomes de Miranda. Ali fez sua formação escolar e, posteriormente, em intensa atividade profissional formou gerações e mais gerações de alunos que foram vencer na vida, na própria região e alhures.

Nasceu a professora Iracema Miranda, em 22 de dezembro de 1915, no lugar Barra do Correia, da fazenda Santa Rosa, do antigo Município de Bom Jesus do Gurgueia, depois de Cristino Castro, hoje de Alvorada do Gurgueia. Era filha do fazendeiro e poeta Luiz Francisco de Miranda (Cheiro Miranda) e de sua esposa Coleta Gomes de Miranda. Foram avós maternos os criadores Antônio Martins Gomes de Santana e Ornelinda Gomes Ferreira, naturais da cidade da Barra, na Bahia, mas desde cedo radicados no Gurgueia; pelo lado paterno a família tem longa tradição no Piauí, fincando suas raízes no tempo da colonização portuguesa, remontando aos Miranda, Rodrigues da Silva, Pereira da Silva, Ribeiro Soares, Vieira de Carvalho e Rego Monteiro que colonizaram vastas regiões do Estado.

Em busca de novas perspectivas, em agosto de 1927, mudou-se com os genitores e irmãos para a próspera cidade de Floriano, que então se impunha como principal centro comercial do sul do Piauí e Maranhão. Por esse tempo é bom se dizer que desde o início do século, Floriano vinha ascendendo na liderança comercial e política daqueles sertões, tomando uma primazia que até então era de Amarante. Foi quando diversas famílias da região, entre as quais vieram muitos comerciantes, jornalistas, médicos, advogados recém-formados, enfim, uma variada gama de pessoas veio estabelecer domicílio na cidade. Entre esses, veio o cidadão Cheiro Miranda com sua família. Desta data até o final do ano de 1929, a jovem Iracema frequentou as Escolas Particulares das dedicadas mestras Gení Barbosa e Iracema Abreu, suas parentas que ali lecionavam.

No entanto, em princípio do ano de 1930 teve de abandonar os estudos para acompanhar os genitores em retorno ao vale do Gurgueia, em virtude de moléstia que padecia seu avô paterno, o velho capitão Raimundo Francisco de Miranda (Doca Miranda), que residia na Barra do Correia. Foi somente com o óbito deste venerável parente, em 20 de março de 1931, depois das cerimônias fúnebres e de tomadas as medidas legais cabíveis, que pôde retornar a Floriano com seus genitores e retomar seus estudos regulares.

Então, no ano letivo de 1932, matricula-se na segunda série do ensino ginasial no Grupo Escolar “Agrônomo Parentes”, onde permanece até o final do ano seguinte.

Em 1934, foi aprovada no exame de admissão ingressando no curso pedagógico da Escola Normal Municipal de Floriano, onde cursou até a terceira série. Posteriormente, em princípio do ano de 1937, rumou para a cidade de Teresina, matriculando-se na Escola Normal Oficial “Antonino Freire”, onde cursou as duas últimas séries, concluindo o Curso Normal em dezembro de 1938.

De regresso a Floriano pouco se demorou na companhia dos genitores e irmãos, porque em 18 de abril de 1939, toma posse no cargo de Professora do Estado e se inicia no magistério no Grupo Escolar “Antonino Freire”, da cidade de Canto do Buriti, em meio a extensa parentela que ali residia, permanecendo nessa escola até o ano de 1943.

Por fim, ao final deste ano está de volta à cidade de Floriano, passando a trabalhar como professora no Grupo Escolar “Odorico Castelo Branco”, depois de vencer a concorrência de uma cadeira, em cujo exercício permanece por vinte anos. No período de 1955 a 1959, assume o cargo de diretora do mesmo estabelecimento de ensino.

Em 1964, foi removida para o Grupo Escolar “Ribeiro Gonçalves”, onde permanece lecionando por três anos.

Em 1967, foi posta à disposição do Ginásio Pedagógico Municipal de Floriano, hoje Unidade Escolar “Monsenhor Lindolfo Uchoa”, permanecendo até o ano de 1974. Porém, de 1967 a 1971, exerceu a função de diretora desse estabelecimento de ensino. Possui registro de Diretora do Departamento de Ensino Médio, de n.º 5, expedido pela Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Piauí, em fevereiro de 1971.

Por esse tempo, participou de diversos cursos de qualificação profissional, entre os quais: Curso de Férias – Administração Escolar (Teresina, 1958), Encontro de Diretores (Teresina, 1967 e 1968), Curso de Atualização de Diretores (Teresina, 1970), Curso de Treinamento de Professores do 1º Grau (Floriano, 1974).

Em princípio do ano letivo de 1974, por disposição do Estado, passou a lecionar as disciplinas de Práticas Escolares, Estrutura do Ensino de Primeiro e Segundo Grau, Organização Social e Política Brasileira (OSPB) e Estudos Regionais, no conceituado Colégio Industrial “São Francisco de Assis”, de Floriano, onde permaneceu até a sua aposentadoria, em 1982, depois de mais de 43 anos de exercício do magistério, formando várias gerações de alunos.

A Prof.ª Iracema Miranda permaneceu solteira, morando em companhia dos genitores e depois de outros parentes, ajudando a orientar e conduzir a extensa família, constituída por mais cinco irmãos, sobrinhos e outros parentes. Em 2005, reuniu esses parentes, alguns amigos, colegas de magistério e ex-alunos numa bela recepção em clube social da cidade de Floriano, onde recebeu justas homenagens comemorativas de seu aniversário de noventa anos de vida. Faleceu cristãmente, na cidade de Floriano, sua terra adotiva, em 5 de novembro de 2012, com 97 anos de idade, sendo aí sepultada. Em sua homenagem foi denominada uma escola municipal no bairro Alto da Cruz, cidade de Floriano, a mais bela homenagem póstuma que pode receber uma professora, cuja vida foi toda a serviço do magistério.

Com essas notas, feitas sobre um velho curriculum por ela elaborado, resgatamos-lhe a memória honrada e fazemos justiça a quem tanto serviu à sua comunidade e a toda a região, porque educar a juventude é preparar um futuro melhor para cada um e para o conjunto da sociedade. “Um país se faz com homens e livros”. E “fora da educação não há salvação”, já disseram outros pensadores que me antecederam. Portanto, a professora Iracema Miranda, merece figurar na galeria de grandes florianenses, em face do eficiente trabalho educativo que prestou por quase meio século, hoje frutificado em diversas gerações.

A Prof.ª Iracema Gomes de Miranda era a segunda filha de Luiz Francisco de Miranda e Coleta Gomes de Miranda, de um total de seis, sendo seus irmãos os seguintes:

Eldinê Gomes de Miranda, foi gerente da Rojac Veículos – Grupo Marc Jacob, concessionária da Mercedes Benz, em Floriano, por quarenta anos, até aposentar-se, sendo hoje nome de rua em Floriano;

Otoniel Gomes de Miranda, Juiz de Direito na Bahia(aposentado), residente em Valença(BA);

Onélia Gomes de Miranda, professora em Floriano.

Walter Gomes de Miranda, servidor público, diretor do Departamento Administrativo da Companhia de Água e Esgoto do Ceará e do Departamento de Estradas de Rodagem do Ceará, especialista em cálculos trabalhistas, residente em Fortaleza;

 

Ariovaldo Gomes de Miranda, técnico em Contabilidade, residiu por muito tempo em Floriano, depois passando a residir em Teresina.

* O presente texto foi escrito para a Coleção Florianense, uma importante publicação que se edita na cidade de Floriano(PI).

** REGINALDO MIRANDA, é membro efetivo da Academia Piauiense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico Piauiense e do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-PI.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

19.02.2018 - A fundação da Mocha: litígio e batalha nos tribunais

14.02.2018 - D. Fr. Francisco de Lima, Bispo de Pernambuco.

30.01.2018 - Arraial Velho

26.01.2018 - A fundação da Parnaíba

25.01.2018 - O centenário da Academia

18.01.2018 - A descoberta de Terras Novas, no vale do rio Tocantins sob a jurisdição do Piauí.

11.01.2018 - Tremembés: senhores do litoral.

28.12.2017 - Rio Grande dos Tapuias

27.12.2017 - O naufrágio de Nicolau de Resende

18.12.2017 - Oeiras, trezentona.

07.12.2017 - Capitão Domingos Dias da Silva

01.12.2017 - Coronel Simplício Dias da Silva

28.11.2017 - Família Bonfim

24.11.2017 - Mandu Ladino

22.11.2017 - Prof.ª Iracema Miranda

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

21.02.2018 - Um novo programa de rádio

Desde quarta-feira passada, temos na Rádio Renascença um novo programa de livros

20.02.2018 - Viagens encalhadas: poema de Jefferson Bessa

poesia

20.02.2018 - Revendo Däniken

Análise de uma obra do homem dos "deuses astronautas"

20.02.2018 - VEJA OS VÍDEOS AQUI: PERDA INESTIMÁVEL DO INCÊNDIO

VEJA OS VÍDEOS AQUI: PERDA INESTIMÁVEL DO INCÊNDIO

20.02.2018 - Sagrado Templo De Jokhang Durante El Losar

Sagrado Templo De Jokhang Durante El Losar

20.02.2018 - A arte da pontuação

Ninguém nos ensina isto na escola

20.02.2018 - Conversa de véio

- Minha avó já dizia que falta berço, escola, terço e cachola.

20.02.2018 - DEPOIMENTO SOBRE JOSÉ ELMAR DE MELO CARVALHO

Elmar Carvalho tornou-se um dos poetas mais importantes da Geração do Mimeógrafo ou dos Anos 70, geração que escreveu uma poesia agressiva – chamada marginal ou alternativa (...).

20.02.2018 - Ninguém é pai de um poema sem morrer

O poema é, antes de tudo, um “inutensílio”.

19.02.2018 - A fundação da Mocha: litígio e batalha nos tribunais

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a fundação da cidade de Oeiras, primeira capital do Piauí.

19.02.2018 - O PAÍS QUE SEMPRE ADIA

a quem já viveu

19.02.2018 - O sol do verão

O sol do verão

16.02.2018 - POR UM RIO DE JANEIRO MAIS CARIOCA

Conseiderada internacionalente

16.02.2018 - POEMA DE TUFIC

Sou tão frágil, meu bem, que um som, de leve

15.02.2018 - O TALENTO ESCULTÓRICO DE BRAGA TEPI

Sem dúvida, pelo que pude perceber das peças constantes do álbum, é um dos maiores escultores do Piauí, e inegavelmente é um dos grandes artistas brasileiros.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br