Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 22 de maio de 2018
Diálogos com a história
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

O centenário da Academia

O centenário da Academia

                      Faz cem anos que um punhado de intelectuais idealistas fundou a Academia Piauiense de Letras. Era 30 de dezembro de 1917, quando reunidos no salão do Conselho Municipal de Teresina, deliberaram pela fundação do Sodalício e votaram os estatutos, inicialmente com trinta cadeiras, cada membro escolhendo o seu patrono. Aliás, reunião com o mesmo objetivo havia ocorrido em 4 de agosto de 1901. Naquela oportunidade haviam deliberado no mesmo sentido, no entanto porque ficaram de elaborar e aprovar os estatutos nunca o fizeram, de forma que na reunião de dezesseis anos depois nenhuma referência fizeram àquela primeira, assim nada aproveitando senão a ideia da fundação. Participaram daquela reunião Clodoaldo Freitas, Higino Cunha, Manoel Lopes Correia Lima, Antonino Freire, Domingos Monteiro, João Pinheiro, Arquelau de Sousa Mendes, João José Pinheiro, Luiz Evandro Teixeira e Fócion Caldas. De toda sorte, é uma data que merece ser lembrada como ponto inicial de um sentimento que se concretizaria em 30 de dezembro de 1917.

É oportuno lembrar que três daqueles pioneiros de 1901, participaram da reunião de 1917, sendo Clodoaldo Freitas, Higino Cunha e João Pinheiro, secundados por oito intelectuais mais jovens.

Na reunião fundadora foi eleita a nova diretoria, que tomou posse em 24 de janeiro seguinte, data em que então se comemorava o Dia do Piauí. O veterano Clodoaldo Freitas foi o primeiro presidente, reeleito no ano seguinte, entretanto por alguma insatisfação renunciou ao segundo mandato em janeiro de 1919, sendo substituído por Higino Cunha, depois reeleito. Na sucessão de 1924, vai eleito Mathias Olímpio, então governador do Piauí e intelectual muito festejado por aqueles dias. Higino Cunha retorna à presidência em 1929, sendo sucessivamente reeleito até 1943, quando enfrenta a oposição de jovens intelectuais liderados por Martins Napoleão. A primeira batalha foi na eleição para a cadeira 26, aberta em 1940, em que o velho presidente patrocina a candidatura da professora Isabel Vilhena, enquanto Martins Napoleão sustenta a candidatura de Álvaro Ferreira, que vai eleito depois de alguns enfrentamentos e invocações estatutárias. Por fim, insatisfeito, Higino Cunha renuncia ao cargo sendo substituído por Martins Napoleão(1943 – 1946). Na sucessão vai eleito para a presidência do grêmio literário o pivô da discórdia, Álvaro Ferreira, autor de Da terra simples, sucedido pelo psiquiatra Clidenor Freitas Santos (1954 – 1959).

Em seguida vai eleito o desembargador Simplício Mendes, que permanece por 15 anos, sucessivamente reeleito. Em 1967, sob sua presidência é comemorado com pompas e galas o Jubileu de Ouro da Academia, quando é ampliado o quadro para quarenta cadeiras, algumas delas ainda hoje ocupadas pelos fundadores (Nerina Castelo Branco, Celso Barros Coelho e M. Paulo Nunes).

Na sucessão, com o óbito de Simplício Mendes em 2 de janeiro de 1971, assumiu o vice-presidente A. Tito Filho, primeiro para completar aquele mandato e depois sucessivamente reeleito até à morte, em 23 de junho de 1992, por mais de 21 anos. Com A. Tito Filho, a Academia viveu um período de ascensão e brilhantismo que ainda não esmaeceu. Para exemplificar basta citar a aquisição da sede própria em 1986, publicação regular de sua tradicional revista literária, edição de suplemento literário e jornal informativo, assim como a edição em convênio com o Estado de dois bem avaliados projeto editorais, os maiores até então: Plano Editorial do Estado (1971 – 1974) e Projeto Petrônio Portella (1983 – 1986), que (re)editaram cada um cerca de quarenta obras de cunho literário e historiográfico.

Depois seguem as profícuas presidências de M. Paulo Nunes, Celso Barros, Raimundo Santana, Paulo Freitas e Manfredi Cerqueira, caracterizadas por ciclos de debates, palestras e pela constante (re)edição de obras de grande valor literário.

Assumindo a presidência da Academia em 24 de janeiro de 2010, o autor dessas notas concluiu a edição da Coleção Grandes Textos, editou obras esparsas, editou o jornal Notícias Acadêmicas, dez edições da revista literária(com cadastramento do ISSN, o que antes não existia) e deu início às comemorações desse centenário com o lançamento do maior projeto editorial que já se implementou no Estado do Piauí, a Coleção Centenário(com ISBN), que já vai publicando mais de cem obras de cunho literário e historiográfico, passando, assim, a limpo nossa história e literatura.

Na sucessão, o dinâmico presidente Nelson Nery Costa, o homem do centenário, reformou a sede, editou revistas, deu continuidade à referida Coleção Centenário e lançou a Coleção Século XXI, consolidando, assim, a nossa Academia na vanguarda no movimento literário.

Na verdade, a Academia completa um século de existência com muita história para contar, um presente de realizações e futuro auspicioso, assim, demonstrando vitalidade na marcha pela construção de um novo século. Com isto o Piauí só tem a ganhar. Avante Academia!

 ______________________

 

* REGINALDO MIRANDA, autor de diversos livros e artigos, é membro efetivo da Academia Piauiense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico e Piauiense e do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-PI. 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

21.05.2018 - Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva, pioneiro da literatura piauiense.

18.05.2018 - Herculano Moraes

13.05.2018 - Capitão Marcos Francisco de Araújo Costa

05.05.2018 - Capitão Francisco da Cunha e Silva Castelo Branco

01.05.2018 - Casimiro José de Moraes Sarmento

20.04.2018 - D. Fr. Manuel da Cruz

14.04.2018 - José Coriolano de Souza Lima

18.03.2018 - Ouvidor Antônio José de Moraes Durão

19.02.2018 - A fundação da Mocha: litígio e batalha nos tribunais

14.02.2018 - D. Fr. Francisco de Lima, Bispo de Pernambuco.

30.01.2018 - Arraial Velho

26.01.2018 - A fundação da Parnaíba

25.01.2018 - O centenário da Academia

18.01.2018 - A descoberta de Terras Novas, no vale do rio Tocantins sob a jurisdição do Piauí.

11.01.2018 - Tremembés: senhores do litoral.

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

21.05.2018 - Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva, pioneiro da literatura piauiense.

O acadêmico Reginaldo Miranda aborda a obra de um pioneiro escritor piauiense.

21.05.2018 - TRADUÇÃO DO POEMA

Quisiera sr

18.05.2018 - Alguma coisa vem mudando no país

É só observar bem. Temos de apoiar as mudanças para melhor. O Brasil precisa continuar sendo passado a limpo porque tem muita sujeira de fato.

18.05.2018 - Herculano Moraes

O acadêmico Reginaldo Miranda presta homenagem a seu amigo e colega de APL, Herculano Moraes.

17.05.2018 - MORRE O POETA HERCULANO MORAES....

MORRE O POETA HERCULANO MORAES....

17.05.2018 - A 3ª REIMPRESSÃO DA 6ª EDIÇÃO NA SUA LIVRARIA

A 3ª REIMPRESSÃO DA 6ª EDIÇÃO NA SUA LIVRARIA

16.05.2018 - Viagem a Manaus

À noite, ouvi, muitas vezes, o canto rascante de cigarras e a sinfonia álacre dos batráquios.

15.05.2018 - Psycho Pass 9: Akane se impõe

Prosseguindo o guia de episódios do seriado japonês policial e de ficção científica "Psycho Pass" veremos como a Inspetora Akane lida com a hostilidade de seu colega...

14.05.2018 - Retrato de minha mãe (*)

Cristo disse que quem desejasse ser o maior, deveria ser o que mais servisse. Portanto, deveria ser o maior e o melhor dos servos. Mamãe (quase) renunciou a si mesma, para servir aos outros.

13.05.2018 - Capitão Marcos Francisco de Araújo Costa

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante militar e educador do período colonial.

13.05.2018 - Minha mãe e o budismo

Minha mãe participou ativamente do budismo em certas ocasiões.

13.05.2018 - Dia das Mães

Que dirá no dia das mães?

09.05.2018 - Barras: histórias e saudades

O livro conta a saga da comunidade barrense, desde o seu primórdio, no século 18, quando o fazendeiro e empreendedor Miguel de Carvalho e Aguiar, filho do grande Bernardo de Carvalho e Aguiar, instalou a sua fazenda e currais.

06.05.2018 - Todos se dizem inocentes

Nenhum criminoso se declara culpado

06.05.2018 - O vestido verde

Sim, toda vez que eu passava pela avenue de la Motte Picquet tinha de dar uma paradinha naquela loja .

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br