Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 14 de agosto de 2018
Diálogos com a história
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

Baía do Ano Bom

Baía do Ano Bom

É denominação pela qual o cronista Gabriel Soares de Sousa, em seu Tratado Descritivo do Brasil em 1587, escrito em Madrid, Espanha, designa uma das partes do delta parnaibano. Na verdade, é de responsabilidade desse cronista português estabelecido com engenhos em Pernambuco, a primeira referência ao território que mais tarde iria se constituir no Piauí. São informações de um navegante, razão pela qual se reportam apenas à orla marítima. Informa que a referida baía se encontra na altura de dois graus, a distância no sentido leste-oeste de onze léguas do rio do Meio, possuindo um grande baixo aonde se vem meter o Rio Grande dos Tapuios, hoje Parnaíba. Também, à distância de dez léguas dessa baía fica uma outra chamada baía da Coroa. Já esta última fica a apenas dez léguas do Rio Grande. Um tanto confusa é essa informação de Gabriel Soares de Sousa sobre o delta parnaibano, vez que informa que o rio deságua “no meio e dentro” do “grande baixo” que fica na baía do Ano Bom. Pereira da Costa, afirma que o rio do Meio é o braço do Parnaíba que deságua entre as ilhas dos Poldros e das Canárias, ambas no delta, formando a atual barra do Meio, e que a baía do Ano Bom é a atual de Tutóia. Seria, portanto a baía da Coroa a barra do Igaraçu? Sobre esse fato não temos condições de opinar vez que não somos conhecedor do delta parnaibano. Porém, se sabe que o rio Parnaíba deságua por cinco bocas diferentes, pertencendo três ao Maranhão e duas ao Piauí. Por seu turno, o cronista Gabriel Soares de Sousa informa que o rio do Meio fica a onze léguas da baía do Ano Bom, em cujo baixo deságua o Rio Grande dos Tapuias; desta baía à da Coroa são dez léguas, entretanto, do rio que deságua na mesma baía à da Coroa são apenas três léguas. Essa confusão nos faz pensar em equívoco de anotações do autor ou em erro de editoração, ficando ambas à distância de três léguas. De qualquer forma, todas essas denominações dizem respeito ao delta parnaibano.

E graças a esse cronista ficamos sabendo que desde antes do ano de 1587, o delta parnaibano era habitado por índios Tapuias que desciam em canoas a mariscar. E que àquele tempo europeus navegavam em caravelões “em grande espaço” ou “algumas léguas” pelo rio acima, onde faziam boa colheita. E também sobre as parcas informações da época, de que o rio “vem de muito longe e traz muita água, por se meterem nele muitos rios; e segundo informações do gentio nasce de uma lagoa em que se afirma acharem-se muitas pérolas”.

 (Meio Norte, 31.08.2007).

 

*REGINALDO MIRANDA, autor de diversos livros e artigos, é membro efetivo da Academia Piauiense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico e Piauiense e do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-PI.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

12.08.2018 - Julião Afonso Serra, um dos quatro grandes sesmeiros do Piauí.

21.07.2018 - Anísio Brito, organizador do arquivo público, biblioteca e museu piauiense.

16.07.2018 - Capitão Roberto Ramos da Silva, Roberto da Cachoeira.

23.06.2018 - Coronel Antônio Borges Marim, o Senhor de Bocaina.

17.06.2018 - Profº R. N. Monteiro de Santana

09.06.2018 - Marcos Antônio de Macedo

26.05.2018 - Padre Gabriel Malagrida, um taumaturgo no sertão.

21.05.2018 - Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva, pioneiro da literatura piauiense.

18.05.2018 - Herculano Moraes

13.05.2018 - Capitão Marcos Francisco de Araújo Costa

05.05.2018 - Capitão Francisco da Cunha e Silva Castelo Branco

01.05.2018 - Casimiro José de Moraes Sarmento

20.04.2018 - D. Fr. Manuel da Cruz

14.04.2018 - José Coriolano de Souza Lima

18.03.2018 - Ouvidor Antônio José de Moraes Durão

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

13.08.2018 - BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

Em seguida, disse que ele mesmo iria mandar preparar uma buchada, a ser feita com bode de seu próprio rebanho. Marcamos a data e o local do repasto.

12.08.2018 - PASSANDO PELO CENTRO DO RIO DE JANEIRO

Não cfoi hoje nem ontem

12.08.2018 - Julião Afonso Serra, um dos quatro grandes sesmeiros do Piauí.

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um dos conquistadores e maiores sesmeiros do Piauí

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

05.08.2018 - HOW GOES THE ENEMY?

o ePIFÂNICO

04.08.2018 - Cidadela saqueada

Fato é que o crime organizado está levando a melhor. Até quando?

04.08.2018 - violência nas escolas

Nunca mais ninguém o perturbou

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

O ponto alto da solenidade será o lançamento do livro “Câmara Municipal de Campo Maior: 256 Anos de História”, da autoria do professor e historiador Celson Chaves

01.08.2018 - Aborto: crime não pode deixar de ser crime

Não podemos calar diante da barbaridade.

01.08.2018 - MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA

MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA – ROGEL SAMUEL

31.07.2018 - Mario Benedetti

Mario Benedetti

27.07.2018 - Os males do Crivella: um prefeito que não deu certo

Eis um prefeito

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

Gigliola Cinquetti e o ingênuo “Dio, come ti amo” fizeram muitas adolescentes verterem profusas e sentidas lágrimas, com direito a profundos soluços e palpitações.

25.07.2018 - Eurídice

049

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br