Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018
Diálogos com a história
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

Baía do Ano Bom

Baía do Ano Bom

É denominação pela qual o cronista Gabriel Soares de Sousa, em seu Tratado Descritivo do Brasil em 1587, escrito em Madrid, Espanha, designa uma das partes do delta parnaibano. Na verdade, é de responsabilidade desse cronista português estabelecido com engenhos em Pernambuco, a primeira referência ao território que mais tarde iria se constituir no Piauí. São informações de um navegante, razão pela qual se reportam apenas à orla marítima. Informa que a referida baía se encontra na altura de dois graus, a distância no sentido leste-oeste de onze léguas do rio do Meio, possuindo um grande baixo aonde se vem meter o Rio Grande dos Tapuios, hoje Parnaíba. Também, à distância de dez léguas dessa baía fica uma outra chamada baía da Coroa. Já esta última fica a apenas dez léguas do Rio Grande. Um tanto confusa é essa informação de Gabriel Soares de Sousa sobre o delta parnaibano, vez que informa que o rio deságua “no meio e dentro” do “grande baixo” que fica na baía do Ano Bom. Pereira da Costa, afirma que o rio do Meio é o braço do Parnaíba que deságua entre as ilhas dos Poldros e das Canárias, ambas no delta, formando a atual barra do Meio, e que a baía do Ano Bom é a atual de Tutóia. Seria, portanto a baía da Coroa a barra do Igaraçu? Sobre esse fato não temos condições de opinar vez que não somos conhecedor do delta parnaibano. Porém, se sabe que o rio Parnaíba deságua por cinco bocas diferentes, pertencendo três ao Maranhão e duas ao Piauí. Por seu turno, o cronista Gabriel Soares de Sousa informa que o rio do Meio fica a onze léguas da baía do Ano Bom, em cujo baixo deságua o Rio Grande dos Tapuias; desta baía à da Coroa são dez léguas, entretanto, do rio que deságua na mesma baía à da Coroa são apenas três léguas. Essa confusão nos faz pensar em equívoco de anotações do autor ou em erro de editoração, ficando ambas à distância de três léguas. De qualquer forma, todas essas denominações dizem respeito ao delta parnaibano.

E graças a esse cronista ficamos sabendo que desde antes do ano de 1587, o delta parnaibano era habitado por índios Tapuias que desciam em canoas a mariscar. E que àquele tempo europeus navegavam em caravelões “em grande espaço” ou “algumas léguas” pelo rio acima, onde faziam boa colheita. E também sobre as parcas informações da época, de que o rio “vem de muito longe e traz muita água, por se meterem nele muitos rios; e segundo informações do gentio nasce de uma lagoa em que se afirma acharem-se muitas pérolas”.

 (Meio Norte, 31.08.2007).

 

*REGINALDO MIRANDA, autor de diversos livros e artigos, é membro efetivo da Academia Piauiense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico e Piauiense e do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-PI.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

19.02.2018 - A fundação da Mocha: litígio e batalha nos tribunais

14.02.2018 - D. Fr. Francisco de Lima, Bispo de Pernambuco.

30.01.2018 - Arraial Velho

26.01.2018 - A fundação da Parnaíba

25.01.2018 - O centenário da Academia

18.01.2018 - A descoberta de Terras Novas, no vale do rio Tocantins sob a jurisdição do Piauí.

11.01.2018 - Tremembés: senhores do litoral.

28.12.2017 - Rio Grande dos Tapuias

27.12.2017 - O naufrágio de Nicolau de Resende

18.12.2017 - Oeiras, trezentona.

07.12.2017 - Capitão Domingos Dias da Silva

01.12.2017 - Coronel Simplício Dias da Silva

28.11.2017 - Família Bonfim

24.11.2017 - Mandu Ladino

22.11.2017 - Prof.ª Iracema Miranda

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

21.02.2018 - Um novo programa de rádio

Desde quarta-feira passada, temos na Rádio Renascença um novo programa de livros

20.02.2018 - Viagens encalhadas: poema de Jefferson Bessa

poesia

20.02.2018 - Revendo Däniken

Análise de uma obra do homem dos "deuses astronautas"

20.02.2018 - VEJA OS VÍDEOS AQUI: PERDA INESTIMÁVEL DO INCÊNDIO

VEJA OS VÍDEOS AQUI: PERDA INESTIMÁVEL DO INCÊNDIO

20.02.2018 - Sagrado Templo De Jokhang Durante El Losar

Sagrado Templo De Jokhang Durante El Losar

20.02.2018 - A arte da pontuação

Ninguém nos ensina isto na escola

20.02.2018 - Conversa de véio

- Minha avó já dizia que falta berço, escola, terço e cachola.

20.02.2018 - DEPOIMENTO SOBRE JOSÉ ELMAR DE MELO CARVALHO

Elmar Carvalho tornou-se um dos poetas mais importantes da Geração do Mimeógrafo ou dos Anos 70, geração que escreveu uma poesia agressiva – chamada marginal ou alternativa (...).

20.02.2018 - Ninguém é pai de um poema sem morrer

O poema é, antes de tudo, um “inutensílio”.

19.02.2018 - A fundação da Mocha: litígio e batalha nos tribunais

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a fundação da cidade de Oeiras, primeira capital do Piauí.

19.02.2018 - O PAÍS QUE SEMPRE ADIA

a quem já viveu

19.02.2018 - O sol do verão

O sol do verão

16.02.2018 - POR UM RIO DE JANEIRO MAIS CARIOCA

Conseiderada internacionalente

16.02.2018 - POEMA DE TUFIC

Sou tão frágil, meu bem, que um som, de leve

15.02.2018 - O TALENTO ESCULTÓRICO DE BRAGA TEPI

Sem dúvida, pelo que pude perceber das peças constantes do álbum, é um dos maiores escultores do Piauí, e inegavelmente é um dos grandes artistas brasileiros.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br