Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 17 de janeiro de 2019
Diálogos com a história
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

Baía do Ano Bom

Baía do Ano Bom

É denominação pela qual o cronista Gabriel Soares de Sousa, em seu Tratado Descritivo do Brasil em 1587, escrito em Madrid, Espanha, designa uma das partes do delta parnaibano. Na verdade, é de responsabilidade desse cronista português estabelecido com engenhos em Pernambuco, a primeira referência ao território que mais tarde iria se constituir no Piauí. São informações de um navegante, razão pela qual se reportam apenas à orla marítima. Informa que a referida baía se encontra na altura de dois graus, a distância no sentido leste-oeste de onze léguas do rio do Meio, possuindo um grande baixo aonde se vem meter o Rio Grande dos Tapuios, hoje Parnaíba. Também, à distância de dez léguas dessa baía fica uma outra chamada baía da Coroa. Já esta última fica a apenas dez léguas do Rio Grande. Um tanto confusa é essa informação de Gabriel Soares de Sousa sobre o delta parnaibano, vez que informa que o rio deságua “no meio e dentro” do “grande baixo” que fica na baía do Ano Bom. Pereira da Costa, afirma que o rio do Meio é o braço do Parnaíba que deságua entre as ilhas dos Poldros e das Canárias, ambas no delta, formando a atual barra do Meio, e que a baía do Ano Bom é a atual de Tutóia. Seria, portanto a baía da Coroa a barra do Igaraçu? Sobre esse fato não temos condições de opinar vez que não somos conhecedor do delta parnaibano. Porém, se sabe que o rio Parnaíba deságua por cinco bocas diferentes, pertencendo três ao Maranhão e duas ao Piauí. Por seu turno, o cronista Gabriel Soares de Sousa informa que o rio do Meio fica a onze léguas da baía do Ano Bom, em cujo baixo deságua o Rio Grande dos Tapuias; desta baía à da Coroa são dez léguas, entretanto, do rio que deságua na mesma baía à da Coroa são apenas três léguas. Essa confusão nos faz pensar em equívoco de anotações do autor ou em erro de editoração, ficando ambas à distância de três léguas. De qualquer forma, todas essas denominações dizem respeito ao delta parnaibano.

E graças a esse cronista ficamos sabendo que desde antes do ano de 1587, o delta parnaibano era habitado por índios Tapuias que desciam em canoas a mariscar. E que àquele tempo europeus navegavam em caravelões “em grande espaço” ou “algumas léguas” pelo rio acima, onde faziam boa colheita. E também sobre as parcas informações da época, de que o rio “vem de muito longe e traz muita água, por se meterem nele muitos rios; e segundo informações do gentio nasce de uma lagoa em que se afirma acharem-se muitas pérolas”.

 (Meio Norte, 31.08.2007).

 

*REGINALDO MIRANDA, autor de diversos livros e artigos, é membro efetivo da Academia Piauiense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico e Piauiense e do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-PI.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

23.12.2018 - Marechal Henrique Dias Valadares

12.08.2018 - Julião Afonso Serra, um dos quatro grandes sesmeiros do Piauí.

21.07.2018 - Anísio Brito, organizador do arquivo público, biblioteca e museu piauiense.

16.07.2018 - Capitão Roberto Ramos da Silva, Roberto da Cachoeira.

23.06.2018 - Coronel Antônio Borges Marim, o Senhor de Bocaina.

17.06.2018 - Profº R. N. Monteiro de Santana

09.06.2018 - Marcos Antônio de Macedo

26.05.2018 - Padre Gabriel Malagrida, um taumaturgo no sertão.

21.05.2018 - Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva, pioneiro da literatura piauiense.

18.05.2018 - Herculano Moraes

13.05.2018 - Capitão Marcos Francisco de Araújo Costa

05.05.2018 - Capitão Francisco da Cunha e Silva Castelo Branco

01.05.2018 - Casimiro José de Moraes Sarmento

20.04.2018 - D. Fr. Manuel da Cruz

14.04.2018 - José Coriolano de Souza Lima

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

rEPUBLICADO

14.01.2019 - TIO GENARO E ANTÔNIO

TIO GENARO E ANTÔNIO

12.01.2019 - Trata-se de casos raros

Por que se diz “Trata-se de casos raros” mas ao mesmo tempo se pluraliza o verbo numa frase semelhante: “Tratam-se casos raros de câncer naquele hospital”?

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

Quando fui juiz em Capitão de Campos, já ouvia falar no João Carvalho, que havia sido médico nessa cidade, como um cidadão bem-humorado e cordato. Depois, o conheci pessoalmente e atesto essa opinião.

10.01.2019 - Pronome SE e indeterminação do sujeito

Vejamos os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza

09.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - III

Prosa contemporânea, livros sobre livros

08.01.2019 - Livre-se

Acredito que quase todos os Extraordinários tenham problemas de espaço em casa no que toca à arrumação dos livros

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

07.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - II

Ficção científica, fantasia, autores paraibanos

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

Não se pode negar

05.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - I

Aqui vão algumas das minhas leituras de 2018

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

O Padre Antônio Vieira é um notável autor binacional, brasileiro e português, vejamos um dos seus livros.

02.01.2019 - AS VOLTAS QUE A VIDA PODE DAR

Mudar é difícil. Aceitar a necessidade da mudança é ainda mais complicado. É sempre menos perturbador permanecer na mesma rotina de todos os dias, sabendo exatamente como agir ou quais decisões tomar.

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

Era uma agenda

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br