Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
Diálogos com a história
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

Arraial Velho

Arraial Velho
              Em face do debate que se travou para fixar a data de fundação da cidade de Campo Maior, no centro-norte do Piauí, publicamos no ano passado importante artigo sobre o assunto, porque fundamentado em documento irrefutável e bastante esclarecedor.

No entanto, no campo intelectual sempre há margem para discussões e novas descobertas. O homem como ser pensante que é, questionador por natureza, sempre suscitará novos pontos de debate, o que é bom, porque é do questionamento intelectual que nascem as grandes descobertas. Ao final do embate todos sairão vitoriosos porque, às vezes, ainda que uma tese não se confirme ela certamente suscitou o debate e com este o nascimento de outras teses e de outras descobertas.

De fato, no caso de Campo Maior onde sabemos que o fundador Bernardo de Carvalho morou em Bitorocara e depois aparece ao final de sua existência com domicílio no Arraial Velho, é de se questionar se não seriam a mesma localidade? Bitorocara não seria o primitivo nome do Arraial Velho?

Pois bem, em primeiro lugar no artigo anterior comprovamos com a expressão literal do documento, que a cidade de Campo Maior nasceu oriunda de uma fazenda de Bernardo de Carvalho, denominada Santo Antônio. Está lá a localização geográfica da mesma a não deixar dúvidas, assim esclarecendo o assunto. Esse fato está tão claro quanto a luz do sol ao pino do meio-dia.

No entanto, e o Arraial Velho? Por que Arraial? Por que velho? Não seria a primitiva morada de Bernardo de Carvalho?

Felizmente, também localizamos documento esclarecedor dessa situação. O Arraial Velho é quase tão antigo quanto Bitorocara, daí a origem do nome. E foi fundado não por Bernardo de Carvalho, mas pelo seu primitivo proprietário e primeiro mestre-de-campo da conquista do Piauí, Antônio da Cunha Souto Maior, morto pelos indígenas em 1713. E porque deixou dívidas, suas terras foram arrematadas em hasta pública por Bernardo de Carvalho. O Arraial Velho ficava, de fato, na margem esquerda do rio Parnaíba, altura hoje da cidade de São Bernardo, no Maranhão. Ali fixara morada Bernardo de Carvalho, depois que deixara a fazenda Santo Antônio, antiga Bitorocara, hoje cidade de Campo Maior, já erigida em sede de curato. Quem assim esclarece é o capitão da conquista Miguel de Carvalho e Aguiar, filho e herdeiro do arrematante Bernardo de Carvalho e Aguiar, em petição ao rei, no ano de 1733. Alega no petitório que ele e seu defunto pai tinham conquistado muitas terras ao gentio brabo, tanto no Piauí quanto no Maranhão; também, que além dessas terras por eles conquistadas, seu pai havia adquirido em arrematação judicial três fazendas que pertenceram ao falecido mestre-de-campo Antônio da Cunha Souto Maior, denominadas: Campo Largo (na margem do rio Parnaíba, limitando-se com o riacho Piranhas), Arraial Velho, com a contígua fazenda Nazareth (na margem do Parnaíba, lado do Maranhão, ambas com dez léguas de comprido e uma de largo) e São Francisco, sitas na Parnaíba, distrito das ditas conquistas do Piauí e Maranhão. Em face desse pleito, em 28 de janeiro de 1734, foi passada provisão ao ouvidor-geral do Piauí, Francisco Xavier Morato Boroa para tombar e demarcar as referidas terras, o de fato foi feito, concluído e confirmado cinco anos depois (AHU. ACL. CU 016. Cx. 2. D. 103).

Assim, o Arraial Velho e as duas outras fazendas pertenceram ao primeiro mestre-de-campo Antônio da Cunha Souto Maior, somente depois de seu óbito sendo arrematadas pelo seu sucessor no posto militar e, também, no domínio da terra. Este ali fixara residência, abandonando a primitiva Bitorocara, que já ia ganhando foros de urbe sertaneja, com a edificação da igreja e criação curato sob a invocação de Santo Antônio.

Em resumo, Bitorocara perdeu a velha denominação indígena e passou a denominar-se Santo Antônio, sendo hoje a cidade de Campo Maior, no Piauí. Ficava “no sertão dos Alongazes por evocação de Santo Antônio, em um riacho cujas vertentes desaguavam no rio Jenipapo”. Foi terra adquirida por Bernardo de Carvalho, por direito de conquista e povoamento (PT/TT/RGM/C/0008. Registo Geral de Mercês, Mercês de D. João V, liv. 8, fl. 509v).

Por seu turno, o Arraial Velho ficava no Maranhão, onde hoje se situa a cidade de São Bernardo e foi fundada a fazenda por Antônio da Cunha Souto Maior. Ganhou essa denominação porque depois Souto Maior muda seu domicílio para o Piauí, fundando outro Arraial Novo, passando aquele a ser denominado Arraial Velho. Somente depois da morte de Souto Maior, em 1713, é que Bernardo de Carvalho o adquire em arrematação judicial e muda para lá seu domicílio, fundando a povoação que deu origem à cidade de São Bernardo. Portanto, Bitorocara não poderia ser o Arraial Velho porque em 1697, quando o padre Miguel de Carvalho indica ali o domicílio de Bernardo de Carvalho, essas terras ainda nem lhe pertenciam (AHU. ACL. CU 016. Cx. 2. D. 103).

Dessa forma, publicamos mais este esclarecimento sobre a fundação de fazendas por estes dois importantes militares do Piauí e Maranhão colonial. O assunto interessa a Campo Maior e a São Bernardo do Maranhão, assim como a todos os amantes da História._

________________

 

REGINALDO MIRANDA, autor de diversos livros e artigos, é membro efetivo da Academia Piauiense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico e Piauiense e do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-PI. 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

23.12.2018 - Marechal Henrique Dias Valadares

12.08.2018 - Julião Afonso Serra, um dos quatro grandes sesmeiros do Piauí.

21.07.2018 - Anísio Brito, organizador do arquivo público, biblioteca e museu piauiense.

16.07.2018 - Capitão Roberto Ramos da Silva, Roberto da Cachoeira.

23.06.2018 - Coronel Antônio Borges Marim, o Senhor de Bocaina.

17.06.2018 - Profº R. N. Monteiro de Santana

09.06.2018 - Marcos Antônio de Macedo

26.05.2018 - Padre Gabriel Malagrida, um taumaturgo no sertão.

21.05.2018 - Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva, pioneiro da literatura piauiense.

18.05.2018 - Herculano Moraes

13.05.2018 - Capitão Marcos Francisco de Araújo Costa

05.05.2018 - Capitão Francisco da Cunha e Silva Castelo Branco

01.05.2018 - Casimiro José de Moraes Sarmento

20.04.2018 - D. Fr. Manuel da Cruz

14.04.2018 - José Coriolano de Souza Lima

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

rEPUBLICADO

14.01.2019 - TIO GENARO E ANTÔNIO

TIO GENARO E ANTÔNIO

12.01.2019 - Trata-se de casos raros

Por que se diz “Trata-se de casos raros” mas ao mesmo tempo se pluraliza o verbo numa frase semelhante: “Tratam-se casos raros de câncer naquele hospital”?

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

Quando fui juiz em Capitão de Campos, já ouvia falar no João Carvalho, que havia sido médico nessa cidade, como um cidadão bem-humorado e cordato. Depois, o conheci pessoalmente e atesto essa opinião.

10.01.2019 - Pronome SE e indeterminação do sujeito

Vejamos os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza

09.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - III

Prosa contemporânea, livros sobre livros

08.01.2019 - Livre-se

Acredito que quase todos os Extraordinários tenham problemas de espaço em casa no que toca à arrumação dos livros

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

07.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - II

Ficção científica, fantasia, autores paraibanos

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

Não se pode negar

05.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - I

Aqui vão algumas das minhas leituras de 2018

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

O Padre Antônio Vieira é um notável autor binacional, brasileiro e português, vejamos um dos seus livros.

02.01.2019 - AS VOLTAS QUE A VIDA PODE DAR

Mudar é difícil. Aceitar a necessidade da mudança é ainda mais complicado. É sempre menos perturbador permanecer na mesma rotina de todos os dias, sabendo exatamente como agir ou quais decisões tomar.

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

Era uma agenda

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br