Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 13 de dezembro de 2018
Dia d crônica
Domingos Pellegrini
Tamanho da letra A +A

Agro orgulho

[Domingos Pellegrini]

João Milanez perguntou ao repórter porque não ia conhecer o nascente Iapar, então numa casa vizinha de quadra da Folha. Fui, para ser recebido pelo presidente Raul Juliato com camisa florida e braços abertos: - Finalmente alguém da imprensa nos visita! 

Naquele dia de 1972 comecei a amar o hoje chamado agronegócio. Agora olho para trás e quanta evolução! Lembro de mister Hardy, criador da variedade de soja com seu nome, desabafando no Iapar: - Só vejo plantação com excesso de herbicidas!
 
Agora*, o Brasil é o país que mais produz alimentos para cada dólar gasto com defensivos, a cada ano usando menos. Nosso Agro é geralmente – e intencionalmente pelos países concorrentes - confundido com queimadas e trabalho escravo, coisas a merecer cadeia e dar engulho, enquanto nosso Agro dá orgulho. 
 
Em meio século, o Brasil se tornou potência agrícola, com o preço dos alimentos caindo pela metade. E o Agro se tornou o maior empregador do país, com 32 milhões de trabalhadores ou mais de 33% dos empregos – com crescimento sempre sustentado, chegando aos R$ 600 bilhões de valor bruto ou 24% do PIB, e liderança internacional de produção e exportação de dezena de produtos. É o setor mais competitivo da nossa economia, único a crescer durante a crise. 
 
Em 2017, o Agro exportou 96,2 bilhões de dólares ou R$ 307 bilhões, 44% das vendas externas do Brasil, garantindo superávit na balança comercial, ou seja, nos livrando de crise cambial e suas consequências. 
 
Mas ambientalmente também o Agro dá exemplos. Dedica 21% do território nacional à preservação de vegetação nativa, sem qualquer contrapartida governamental, nisto também líder no mundo. Nossa área total protegida é de 28,9% do território, enquanto a Austrália, segunda maior protetora, tem apenas 19,2%. Os países que mais criticam nosso Agro são os que tem menos áreas protegidas, além destas serem na maioria desertos, montanhas ou regiões geladas. 
 
Nossos agricultores exploram apenas 52% de suas áreas com lavouras, pastagens ou reflorestamento, preservando o restante não só por dever legal mas também por gosto ou amor, como queira. São na grande maioria gente que ama a terra, as matas e seus bichos. 
 
Mais ainda, o Agro é o setor que menos consome energia (4%) mas contribui com 30% da geração energética (lenha, carvão, etanol, biodiesel e biogás). 
 
Lá nos anos 1970, estudo da Itaipu revelava que a erosão levava 500 milhões de toneladas/ano de terra para os riachos e rios e daí para a represa da usina, que assim poderia até se tornar inviável. Mas Itaipu funciona porque hoje somos campeões também em plantio direto na palha, super reduzindo não só a erosão como o uso de combustível, recuperando fertilidade e aumentando a produtividade como nenhum outro setor da economia. 
 
Nossa produção integrada – consorciando lavouras, animais e florestas – também é exemplo para o mundo. E, além de tudo isso, o Agro propiciou e fortaleceu o cooperativismo, crescente alternativa civilizada entre socialismo bruto e capitalismo selvagem. 
 
De casa vejo todo ano o morro em frente se vestir de verde-soja, verde-trigo, verde-milho, amarelando até a colheita, debaixo do céu azul de nuvens brancas. Assim vemos a bandeira nacional sempre vestindo nossa terra vermelha, e sinto orgulho do Agro, que prefiro chamar assim porque é muito mais que apenas negócio. Obrigado, Milanez!
 
*Dados do livro Tons de Verde, Evaristo de Miranda (Embrapa), Metalivros, 2018.
 
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

18.11.2018 - Agro orgulho

09.11.2018 - Na Mata com a história do Brasil

12.06.2018 - Histórias

05.06.2018 - Minha Rua

20.02.2018 - Conversa de véio

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

12.12.2018 - Lovecraft e o Modernismo

O escritor de Providence é um dos grandes mestres da literatura de horror

11.12.2018 - A PANTERA 17

A PANTERA 17

05.12.2018 - A PANTERA 16

A PANTERA 16

05.12.2018 - 15. A PANTERA

15. A PANTERA

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

Alguns escritores

02.12.2018 - "Names", novela de Dalton Almeida

Ficção científica brasileira existe e é muito ativa. Vejamos este exemplo.

02.12.2018 - Meus tempos de editor na FCMC

Foi, na época a que me refiro, sem a menor sombra de dúvida, o mais importante e arrojado plano editorial do Estado do Piauí...

01.12.2018 - PRESSÁGIOS: DAS MOIRAS AOS SUECOS

Cloto, Láquesis e Átropos, três irmãs que tinham em suas mãos o destino dos deuses e dos homens.

26.11.2018 - A Pantera - 14

A casa em ruínas. Por isso, resolvemos morar na lancha que, apesar de apertada, nos oferecia melhor conforto e proteção

19.11.2018 - A Pantera - 13

Jara se recusou a entrar no elevador, que era pequeno e ameaçador. Subimos os sete andares de escada, eu e ela

18.11.2018 - Agro orgulho

Em meio século, o Brasil se tornou potência agrícola, com o preço dos alimentos caindo pela metade

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

Habituado que

14.11.2018 - A Pantera - 12

Ouvíamos todas as noites, no bar, a voz daquela cantora de jazz, em fita-cassete

14.11.2018 - Expedição a Batalha

O certo é que num percurso de poucos quilômetros, vimos cerrado ou chapada, caatinga ou sertão, este em tudo semelhante ao que é visto nas fotografias do cangaceiro Lampião.

13.11.2018 - Particípio Duplo: Prendido, preso

Existem verbos, em português, que possuem dois particípios

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br