Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 24 de setembro de 2018
Crônica de sempre
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Ninguém é pai de um poema sem morrer

 

 

Rogel Samuel

No «Arranjos para assobio» (Editora Record, 1998, RJ), Manuel de Barros publicou um poema, que li na Internet, em Blocosonline, chamado «Sabiá com trevas», cujo IX diz:
O poema é, antes de tudo, um “inutensílio”.
"Hora de iniciar algum convém se vestir roupa de trapo.
Há quem se jogue debaixo de carro nos primeiros instantes.
Faz bem uma janela aberta uma veia aberta.
Pra mim é uma coisa que serve de nada o poema enquanto vida houver.
Ninguém é pai de um poema sem morrer." .O poeta começa pela inutilidade do poema.
Um utensílio é algo que se usa, um utilitário, um objeto que serve para algum fim.
No «Novo manual de teoria literária» (Petrópolis, Vozes, 3a ed.), escrevi que, em primeiro lugar, é necessário distinguir objeto artístico de utensílio.
A arte não se pode identificar com um utensílio. A arte é gratuita, isto é, sua primeira finalidade é a própria arte.
Aliás, a arte não deve ter finalidade, porque ela é uma finalidade, em si mesma. É uma atividade lúdica, isto é, não tem objeto fora de si mesma. O que não quer dizer que não sirva para nada. Serve, por exemplo, para mudar o mundo.
Mas foi a sociedade moderna que estabeleceu que o padrão de uma realidade, ou de um determinado objeto, é sua necessidade, sua utilidade, isto é, os objetos são definidos não pelo que são, mas para que servem. Tudo, na vida social, é visto com respeito a um determinado fim. Todos os produtos humanos, todas as ações humanas (o trabalho, inclusive) estão assim definidos.
O poema fala da morte.
Seu mote é a morte.
A morte, entretanto, como o poema, não é um utensílio.
A morte é o fim de toda utilidade, de todos os valores, está além dos valores que visam a um de­terminado fim.
A morte nem é um valor.
Ela é ausência de.
O visar a um determinado fim significa inserir-se no meio da produção capitalista que objetiva a satisfação, a realização. A morte não. A morte é um não. E a arte, como a morte, não visa a um determinado fim, não visa à satisfação de uma finalidade (diz o poema), nem de necessidades.
A arte se expande no espaço da liberdade, talvez da morte. A liberdade é a espera de nada, ou seja, a arte, como a morte, não visa a nada, porque ela é em si sua própria finalidade, não há outra maior além dela mesma ou tão importante quanto ela.
Nada há maior que a morte.
E assim o poema.
Isto não quer dizer que a arte, a morte, o poema não tenha outra finalidade além de si mesmo. A arte e a morte podem servir, por exemplo, para educar, mas que a sua própria finalidade em si mesma já seria suficiente para justificar sua existência.
É liberdade. É criação.
A liberdade é a espera de nada, vige no espaço lúdico, isto é, gratuito, que não visa a nada além de si mesma e da conquista da liberdade. A morte é lúdica.
A atividade lúdica, o jogo, é gratuito. É uma atividade que não visa a um determinado fim outro que não a própria ação. Assim como a dança não visa a outra coisa senão ao próprio movimento.
Mas como eu ia dizendo, a morte é gratuita.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

23.09.2018 - A ÍNDIA MAACU

19.09.2018 - praça da saudade

21.08.2018 - O PALÁCIO

19.08.2018 - Viagem ao marco extremo de nós mesmos

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

04.08.2018 - violência nas escolas

01.08.2018 - MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA

31.07.2018 - Mario Benedetti

20.07.2018 - As vagas da elegia de Camões

13.07.2018 - O Rio de Janeiro no inverno

11.07.2018 - UM ILUSTRE PIAUIENSE

01.07.2018 - A PERDA DE NEIDE GONDIM

17.06.2018 - Por que estamos tão tristes?

15.06.2018 - A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

12.06.2018 - O AMOR

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.09.2018 - A ÍNDIA MAACU

A ÍNDIA MAACU

20.09.2018 - O maçom e barbeiro Chagas Vieira

Um Mestre da tesoura e da Sublime Arte Real.

19.09.2018 - praça da saudade

praça da saudade

13.09.2018 - Didi

Enquanto o Didi trabalhava, meu vizinho enxugava uma cerveja estupidamente gelada, a olhar o trabalho.

13.09.2018 - Reflexão sobre o chamado ensino domiciliar

Na área da Educação

12.09.2018 - Marina Silva dá entrevista ao jornal "O Globo"

Uma das três candidaturas equilibradas (junto com José Maria Eymael e Álvaro Dias) expõe suas ideias e posições.

12.09.2018 - TRISTE CENA BRASILEIRA

uMA ADVOGADA

04.09.2018 - CLANDESTINIDADE: poema de Jefferson Bessa

POESIA

04.09.2018 - Minha resposta a um comentário de uma escritora sobre a tragédia do Museu Histórico Nacional

SUA BREVE E INCISIVA

04.09.2018 - Mergulhando nas lembranças de Cavour

Li e reli, salteadamente, vários trechos e legendas. Me concentrei nas fotos de carros, pessoas, prédios, praças e paisagens.

01.09.2018 - Os entrevistadores carrancudos

A vergonhosa atitude de dois repórteres da Globo

31.08.2018 - CAMPANHAS ELEITORAIS ACADÊMICAS

Pertencendo a mais de uma dúzia de entidades culturais, nove delas academias, creio ter alguma experiência para discorrer sobre o assunto assinalado no título deste texto.

21.08.2018 - O PALÁCIO

O PALÁCIO

19.08.2018 - Covardia contra a mulher brasileira

Grade parte dos meus

19.08.2018 - Viagem ao marco extremo de nós mesmos

Os aventureiros europeus, como os franceses e alemães, à época, por não se acharem os “donos” da Colônia, penetraram naquele templo de pureza mítica, conhecido como Floresta Amazônica, com a intenção evidente de apropriação do local.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br