Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 14 de agosto de 2018
Crônica de sempre
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Por que Borges nunca ganhou o Nobel?

 

POR SYLVIA COLOMBO

 

O escritor argentino Jorge Luis Borges (1899-1986)

Um dos temas que sempre move paixões nas discussões sobre o papel das letras latino-americanas no planeta é a misteriosa razão pela qual o argentino Jorge Luis Borges (1899-1986) nunca recebeu o prêmio Nobel.

O próprio Borges fazia piadas com a questão. Em 1979, disse: “Não entregar-me o prêmio Nobel virou já uma antiga tradição escandinava. Cada ano me dizem que estou sendo cotado, e sempre dão o prêmio a outro. É uma espécie de rito.”

A abertura de arquivos da Academia Sueca, nesta semana, oferece algumas indicações sobre o porquê de o argentino nunca ter sido premiado, apesar do reconhecimento internacional de sua obra. Estes mostram, entre outras coisas, que 1967 foi o ano em que o prêmio esteve mais perto de ser dado ao autor de “Ficções”. Porém, na última discussão entre os membros do comitê, acabou predominando o nome do guatemalteco Miguel Ángel Asturias (1899-1974), autor do magistral “El Señor Presidente” (1946), ainda atual retrato do poder na América Latina.

Neste mesmo ano, ficou registrado que o presidente do comitê, Anders Osterling, teria recusado o prêmio a Borges porque este era “demasiado exclusivo e artificial em sua engenhosa arte em miniatura”. Uma explicação estranha, que não se entende bem se é um elogio ou uma crítica.

Embora sempre se tenha especulado que as razões para que Borges não recebesse o prêmio tinham mais a ver com suas posições políticas conservadoras do que com a literatura, agora, com os documentos recém-abertos pela Academia Sueca, vem a confirmação. Os papéis fazem referência, de modo negativo, ao fato de Borges ter visitado o Chile em 1976, no meio do regime militar (1973-1990), onde recebeu das mãos do general Pinochet um título de honoris causa da Universidad de Chile. Na ocasião, Borges ouviu e agradeceu os elogios feitos pelo ditador. Mais, em seu discurso, fez um elogio ao que ocorria no país: “Nesta época de anarquia, sei que aqui, entre a Cordilheira e o mar, há uma pátria forte”.

Também ficam claras as diferenças pessoais que ele tinha com o poeta sueco Artur Lundkvist (1906-1991), a quem havia criticado duramente pela qualidade de sua obra, e que depois passou a integrar o comitê que determinava para quem ia o prêmio a cada ano. Os documentos recém disponibilizados mostram que Lundkvist teria, sim, guardado rancores. E, numa das avaliações da obra de Borges, teria dito que: “A sociedade sueca não pode premiar alguém com esses antecedentes”, fazendo referência à ida ao Chile e à simpatia que o autor, um declarado anti-peronista, tinha demonstrado com relação aos generais da ditadura militar argentina (1976-1983), ainda que apenas ao princípio deste período.

Um pouco de viés político, outro tanto de disputa de vaidades do meio literário, por ora, parecem ser as razões mais plausíveis para a absurda não-premiação de um dos principais autores da história da literatura mundial. Os documentos revelados queimam um pouco o filme da Academia Sueca, já que não terá sido a primeira vez que, em vez de olharem para a literatura, seus membros avaliaram posições políticas e atitudes dos autores antes de escolher um premiado.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

04.08.2018 - violência nas escolas

01.08.2018 - MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA

31.07.2018 - Mario Benedetti

20.07.2018 - As vagas da elegia de Camões

13.07.2018 - O Rio de Janeiro no inverno

11.07.2018 - UM ILUSTRE PIAUIENSE

01.07.2018 - A PERDA DE NEIDE GONDIM

17.06.2018 - Por que estamos tão tristes?

15.06.2018 - A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

12.06.2018 - O AMOR

02.06.2018 - O Shakespeare de Giovanni Emanuel no Teatro Amazonas, em 1889

24.05.2018 - O poema profético

22.05.2018 - O grande tesouro

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

13.08.2018 - BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

Em seguida, disse que ele mesmo iria mandar preparar uma buchada, a ser feita com bode de seu próprio rebanho. Marcamos a data e o local do repasto.

12.08.2018 - PASSANDO PELO CENTRO DO RIO DE JANEIRO

Não cfoi hoje nem ontem

12.08.2018 - Julião Afonso Serra, um dos quatro grandes sesmeiros do Piauí.

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um dos conquistadores e maiores sesmeiros do Piauí

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

05.08.2018 - HOW GOES THE ENEMY?

o ePIFÂNICO

04.08.2018 - Cidadela saqueada

Fato é que o crime organizado está levando a melhor. Até quando?

04.08.2018 - violência nas escolas

Nunca mais ninguém o perturbou

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

O ponto alto da solenidade será o lançamento do livro “Câmara Municipal de Campo Maior: 256 Anos de História”, da autoria do professor e historiador Celson Chaves

01.08.2018 - Aborto: crime não pode deixar de ser crime

Não podemos calar diante da barbaridade.

01.08.2018 - MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA

MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA – ROGEL SAMUEL

31.07.2018 - Mario Benedetti

Mario Benedetti

27.07.2018 - Os males do Crivella: um prefeito que não deu certo

Eis um prefeito

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

Gigliola Cinquetti e o ingênuo “Dio, come ti amo” fizeram muitas adolescentes verterem profusas e sentidas lágrimas, com direito a profundos soluços e palpitações.

25.07.2018 - Eurídice

049

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br