Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 25 de maio de 2018
Crônica de sempre
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Por que Borges nunca ganhou o Nobel?

 

POR SYLVIA COLOMBO

 

O escritor argentino Jorge Luis Borges (1899-1986)

Um dos temas que sempre move paixões nas discussões sobre o papel das letras latino-americanas no planeta é a misteriosa razão pela qual o argentino Jorge Luis Borges (1899-1986) nunca recebeu o prêmio Nobel.

O próprio Borges fazia piadas com a questão. Em 1979, disse: “Não entregar-me o prêmio Nobel virou já uma antiga tradição escandinava. Cada ano me dizem que estou sendo cotado, e sempre dão o prêmio a outro. É uma espécie de rito.”

A abertura de arquivos da Academia Sueca, nesta semana, oferece algumas indicações sobre o porquê de o argentino nunca ter sido premiado, apesar do reconhecimento internacional de sua obra. Estes mostram, entre outras coisas, que 1967 foi o ano em que o prêmio esteve mais perto de ser dado ao autor de “Ficções”. Porém, na última discussão entre os membros do comitê, acabou predominando o nome do guatemalteco Miguel Ángel Asturias (1899-1974), autor do magistral “El Señor Presidente” (1946), ainda atual retrato do poder na América Latina.

Neste mesmo ano, ficou registrado que o presidente do comitê, Anders Osterling, teria recusado o prêmio a Borges porque este era “demasiado exclusivo e artificial em sua engenhosa arte em miniatura”. Uma explicação estranha, que não se entende bem se é um elogio ou uma crítica.

Embora sempre se tenha especulado que as razões para que Borges não recebesse o prêmio tinham mais a ver com suas posições políticas conservadoras do que com a literatura, agora, com os documentos recém-abertos pela Academia Sueca, vem a confirmação. Os papéis fazem referência, de modo negativo, ao fato de Borges ter visitado o Chile em 1976, no meio do regime militar (1973-1990), onde recebeu das mãos do general Pinochet um título de honoris causa da Universidad de Chile. Na ocasião, Borges ouviu e agradeceu os elogios feitos pelo ditador. Mais, em seu discurso, fez um elogio ao que ocorria no país: “Nesta época de anarquia, sei que aqui, entre a Cordilheira e o mar, há uma pátria forte”.

Também ficam claras as diferenças pessoais que ele tinha com o poeta sueco Artur Lundkvist (1906-1991), a quem havia criticado duramente pela qualidade de sua obra, e que depois passou a integrar o comitê que determinava para quem ia o prêmio a cada ano. Os documentos recém disponibilizados mostram que Lundkvist teria, sim, guardado rancores. E, numa das avaliações da obra de Borges, teria dito que: “A sociedade sueca não pode premiar alguém com esses antecedentes”, fazendo referência à ida ao Chile e à simpatia que o autor, um declarado anti-peronista, tinha demonstrado com relação aos generais da ditadura militar argentina (1976-1983), ainda que apenas ao princípio deste período.

Um pouco de viés político, outro tanto de disputa de vaidades do meio literário, por ora, parecem ser as razões mais plausíveis para a absurda não-premiação de um dos principais autores da história da literatura mundial. Os documentos revelados queimam um pouco o filme da Academia Sueca, já que não terá sido a primeira vez que, em vez de olharem para a literatura, seus membros avaliaram posições políticas e atitudes dos autores antes de escolher um premiado.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

24.05.2018 - O POEMA PROFÉTICO

22.05.2018 - O grande tesouro

19.05.2018 - O CASAMENTO REAL

17.05.2018 - MORRE O POETA HERCULANO MORAES....

17.05.2018 - A 3ª REIMPRESSÃO DA 6ª EDIÇÃO NA SUA LIVRARIA

13.05.2018 - Dia das Mães

06.05.2018 - O vestido verde

29.04.2018 - O fundamento dos sonhos

26.04.2018 - Rir da desgraça?

26.04.2018 - uivo longo noite escura vento

24.04.2018 - A CAXINAUÁ

14.04.2018 - O morcego

11.04.2018 - casa abandonada

10.04.2018 - E SOMENTE A NOITE COMPREENDIA AS SUAS PALAVRAS

05.04.2018 - Alcides Werk (1934-2003)

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

24.05.2018 - O POEMA PROFÉTICO

O POEMA PROFÉTICO

24.05.2018 - JORNAL INOVAÇÃO E A QUEIMA DOS TAPUMES

Foi um jornal bravo e independente, que combatia a administração pública municipal, estadual e federal, ainda na época da ditadura militar.

22.05.2018 - O grande tesouro

O grande tesouro

21.05.2018 - Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva, pioneiro da literatura piauiense.

O acadêmico Reginaldo Miranda aborda a obra de um pioneiro escritor piauiense.

21.05.2018 - TRADUÇÃO DO POEMA

Quisiera sr

19.05.2018 - O CASAMENTO REAL

O CASAMENTO REAL

18.05.2018 - Alguma coisa vem mudando no país

É só observar bem. Temos de apoiar as mudanças para melhor. O Brasil precisa continuar sendo passado a limpo porque tem muita sujeira de fato.

18.05.2018 - Herculano Moraes

O acadêmico Reginaldo Miranda presta homenagem a seu amigo e colega de APL, Herculano Moraes.

17.05.2018 - MORRE O POETA HERCULANO MORAES....

MORRE O POETA HERCULANO MORAES....

17.05.2018 - A 3ª REIMPRESSÃO DA 6ª EDIÇÃO NA SUA LIVRARIA

A 3ª REIMPRESSÃO DA 6ª EDIÇÃO NA SUA LIVRARIA

16.05.2018 - Viagem a Manaus

À noite, ouvi, muitas vezes, o canto rascante de cigarras e a sinfonia álacre dos batráquios.

15.05.2018 - Psycho Pass 9: Akane se impõe

Prosseguindo o guia de episódios do seriado japonês policial e de ficção científica "Psycho Pass" veremos como a Inspetora Akane lida com a hostilidade de seu colega...

14.05.2018 - Retrato de minha mãe (*)

Cristo disse que quem desejasse ser o maior, deveria ser o que mais servisse. Portanto, deveria ser o maior e o melhor dos servos. Mamãe (quase) renunciou a si mesma, para servir aos outros.

13.05.2018 - Capitão Marcos Francisco de Araújo Costa

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante militar e educador do período colonial.

13.05.2018 - Minha mãe e o budismo

Minha mãe participou ativamente do budismo em certas ocasiões.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br