Dilson Lages Monteiro Sábado, 19 de janeiro de 2019
Crônica de sempre
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

A MORTE NO ENVELOPE

 

 
A MORTE NO ENVELOPE

ROGEL SAMUEL

A vida é breve. O Brasil não tem tradição de literatura policial. Outros gêneros literários sumiram, também. A nova poesia, os novos contistas, o novo romance. Falta mídia? Não acredito. Faltam editoras. Não faltam leitores. Coelho Neto escreveu 112 livros e 50 peças de teatro. Vida breve. Até o fim Raquel de Queiroz escreveu (e muito bem) no "Estado de São
Paulo". Pode ser lida pela Internet. "Por que os pássaros cantam?"
Recebo um e-mail: "Caro R., o que é diferente em sua crônica é que ela se vai encadeando a partir de referências, sem fixar-se no tema inicialmente proposto. Você segue o fluxo labiríntico..." No tempo de Humberto de Campos, não havia e-mail. Ele recebia inúmeras cartas. Escreveu obra gigantesca, hoje desconhecida. "A morte no envelope" de Luiz Lopes Coelho vem à lembrança nos dias de antraz. Toda semana decido parar de escrever esta crônica. Mas recebo e-mail de gente importante que diz que leu e gostou. Ler já é muito. A literatura não morre no envelope, mas na estante. Coelho Neto e Humberto de Campos escreveram
muito, como Camilo, um gênio, que ainda se lê com prazer. Estilo rápido, nervoso e elétrico. A grande massa da literatura morre, morreu, ou morrerá. Balzac escrevia por compulsão. Um dos mais bem sucedidos escritores do Brasil, Jorge Amado, produzia um bom livro a cada dois anos. Mas há autores de um livro só, como Manuel Antonio de Almeida. Assis Brasil escreveu (e continua escrevendo) mais de cem livros. Vive de literatura, produz romances, ensaios, antologias. É um mestre. A "Tragédia burguesa", de Otavio de Faria, tem quinze grossos volumes.
Elogiada por Mestre Alceu, hoje desapareceu. Ele era excelente crítico de cinema. Tobias Barreto, dono de respeitável obra, não se encontra. Escreveu obras filosóficas importantes. Onde estão seus livros? Vida breve. Bach resumiu a "poética" de sua música na "A Arte da Fuga" (que contém o seu nome: si bemol, lá, dó, si). Conhecida um século depois. Mas A Arte da Fuga ficou incompleta. A última fuga não acaba; continua a rolar, sem fim. Vida breve. Infinita.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

25.12.2018 - O METRO ADVERSO

23.12.2018 - A teoria da decisão filosófica de Euryalo Cannabrava

15.12.2018 - A ARTE DA FUGA

06.11.2018 - Meu avô

26.10.2018 - Aniversário de Manaus

06.10.2018 - Como conheci Neuza Machado

28.09.2018 - A GRANDEZA DESPOJADA

28.09.2018 - A GRANDEZA DESPOJADA

23.09.2018 - A índia Maacu

19.09.2018 - praça da saudade

21.08.2018 - O PALÁCIO

19.08.2018 - Viagem ao marco extremo de nós mesmos

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

04.08.2018 - violência nas escolas

01.08.2018 - MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

rEPUBLICADO

14.01.2019 - TIO GENARO E ANTÔNIO

TIO GENARO E ANTÔNIO

12.01.2019 - Trata-se de casos raros

Por que se diz “Trata-se de casos raros” mas ao mesmo tempo se pluraliza o verbo numa frase semelhante: “Tratam-se casos raros de câncer naquele hospital”?

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

Quando fui juiz em Capitão de Campos, já ouvia falar no João Carvalho, que havia sido médico nessa cidade, como um cidadão bem-humorado e cordato. Depois, o conheci pessoalmente e atesto essa opinião.

10.01.2019 - Pronome SE e indeterminação do sujeito

Vejamos os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza

09.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - III

Prosa contemporânea, livros sobre livros

08.01.2019 - Livre-se

Acredito que quase todos os Extraordinários tenham problemas de espaço em casa no que toca à arrumação dos livros

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

07.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - II

Ficção científica, fantasia, autores paraibanos

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

Não se pode negar

05.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - I

Aqui vão algumas das minhas leituras de 2018

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

O Padre Antônio Vieira é um notável autor binacional, brasileiro e português, vejamos um dos seus livros.

02.01.2019 - AS VOLTAS QUE A VIDA PODE DAR

Mudar é difícil. Aceitar a necessidade da mudança é ainda mais complicado. É sempre menos perturbador permanecer na mesma rotina de todos os dias, sabendo exatamente como agir ou quais decisões tomar.

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

Era uma agenda

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br