Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 26 de março de 2019
Crônica de sempre
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

GABRIELA MISTRAL - O PENSADOR

 

 
GABRIELA MISTRAL - O PENSADOR
Rogel samuel
Pois ali, enquanto repete ela, e quatro vezes repete, a voz da
«carne», - «carne sem defesa», carne da cova», «carne que odeia
a morte e tremeu de beleza», «carne sulcada», aquela substância
se opõe ao noturno bronze, à morta matéria, que por duas vezes
no poema tremeu de prazer, de orgasmo, beleza, amor, vida,
daquele homem nu, implantado sobre seu soneto, traduzido por
Manuel Bandeira, sentado no alto daquele pedestal de pedra
sulcada, repassada de seus horrores, seus terrores, seus músculos
sofredores, seus humanos sentimentos - culminando com aquela
figura de bronze de Rodin dos versos de Gabriela Mistral - feita
da ferro e angústia das eróticas fesceninas massas de músculos
contorcidos, o torso se contorce, o nervo falo coberto, a fala cala,
o pensamento pende, e indefeso se exibe, se internaliza, se
outoniza, no bronze se consome, se mata, se traspassa, de verdade,
de rudeza, de certeza e tristeza:
"Apoiando na mão rugosa o queixo fino,
O Pensador reflete que é carne sem defesa:
Carne da cova, nua em face do destino,
Carne que odeia a morte e tremeu de beleza.
E tremeu de amor toda a primavera ardente,
E hoje, no outono, afoga-se em verdade e tristeza.
O "havemos de morrer" passa-lhe pela mente
Quando no bronze cai a noturna escureza.
E na angústia seus músculos se fendem sofredores.
Sua carne sulcada enche-se de terrores,
Fende-se, como a folha de outono, ao Senhor forte
Que o reclama nos bronzes. Não há árvore torcida
Pelo sol na planície, nem leão de anca ferida,
Crispados como este homem que medita na morte."
É estátua mas, Gabriela Mistral insiste, de homem, de gente,
de «carne», que o reclama no vivo bronze.
É imagem triste, ou antes, entristecida, entretecida,
mergulhada na sua tristeza intestina.
É escultura masculina, ou seja, de homem escultural, mas já
envelhecido por vistos femininos olhos de mulher, que o «vêem»
como o que se passa em sua mente que mente, ou melhor, se
exteriora, só para ela, se encarna: másculos músculos se fendem
em folhas de outono, mãos crispadas rugosas de árvore torcida
«em face do destino», anca de leão eriçado e ferido.
Gabriela Mistral o transforma no Amado sem defesa,
submetido ao Amor da Primavera ardente, ao Senhor forte, - ela
o ama porque o vê tão triste, e o sabe indefeso e afogado na
verdade de sua lembrança dele da Amada vaga, quem sabe
tristeza apensada destino imóvel fixidez vocabular forma fixa do
soneto, na casa do soneto onde vive, na casaca da forma e fôrma
em que criado foi, cristalizado, anelizado.
Ele o Amado que encontra em transe e em museu, já morto
sarcófago, múmia, mas vivíssimo, que não é um poema, mas
interpretação fenomenológica a dela, encontro estético, e todo
encontro de amar deve ser, e preso ao orgasmo torneado noturno
e escuro daquele ser fixo e submisso à forja morta em fogo
formado na tensão explosiva de estertor e prestes a se levantar em
fúria e ira, a se erguer da sua meditação mortal em revolta,
revolução do condenado à materialidade que ejacula na
conquistar, abraçar o ente, o vivente, petrificado, congelado,
existente, apossado porém ainda logo a se contorcer na libertação
do seu invólucro de ser de imóvel estatuária fixa fria frígida
tumular e plana.
Pois tudo aquilo está aberto ali, em perigoso mistério que
treme, freme, geme, o másculo músculo se fixando e torce, o pênis
que vibra, a pele se dilata e estica, e a respiração embora contida
se pode pressentir naquele varão muito vivo e muito tido, muito
mais intensamente vivo e ativo do que se pode esperar de um ser
feito de bronze, na intensa materialidade de arame árvore
retorcida e barroca, massa que guarda da carne a articulação e o
sentir, pulsação em puro sangue humano e no tormentoso
esplendor do amor, da dor, do prazer, do desejo do seu prazer ali
contido, comprimido, explosivo.
O Pensador reclama ter de morrer em metal, reclama do
seu, da nudez de seu destino de congelado gozo, de se expor assim
nu para todos e não só para ela, e Gabriela Mistral o captou em
sua completa e elétrica e interna e febril concretude de cimento
armado pelo pulsar do músculo macho que quente sêmen freme
escondido, enquanto medita no pleno acontecimento da sua
obscura e incompleta morte.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

24.03.2019 - GABRIELA MISTRAL - O PENSADOR

20.03.2019 - O IMPÉRIO AMAZÔNICO

17.02.2019 - NUMAS: ONDE HÁ RESISTÊNCIA, HÁ PODER?

25.12.2018 - O METRO ADVERSO

23.12.2018 - A teoria da decisão filosófica de Euryalo Cannabrava

15.12.2018 - A ARTE DA FUGA

06.11.2018 - Meu avô

26.10.2018 - Aniversário de Manaus

06.10.2018 - Como conheci Neuza Machado

28.09.2018 - A GRANDEZA DESPOJADA

28.09.2018 - A GRANDEZA DESPOJADA

23.09.2018 - A índia Maacu

19.09.2018 - praça da saudade

21.08.2018 - O PALÁCIO

19.08.2018 - Viagem ao marco extremo de nós mesmos

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

24.03.2019 - FIZ O MEU IMPOSTO DE RENDA. UFA!

aNTIGAMENTE

24.03.2019 - GABRIELA MISTRAL - O PENSADOR

GABRIELA MISTRAL - O PENSADOR

24.03.2019 - SUGESTÕES PARA UM MELHOR CONHECIMENTO DOS ESCRITORES REGIONAIS

sEMPRE

24.03.2019 - SUGESTÕES PARA UM MELHOR CONHECIMENTO DOS ESCRITORES REGIONAIS

sEMPRE

24.03.2019 - SUGESTÕES PARA A UM MELHOR CONHECIMENTO DOS ESCRITORES REGINAIS

sEMPRE

24.03.2019 - SUGESTÕES PARA A UM MELHOR CONHECIMENTO DOS ESCRITORES REGINAIS

sEMPRE

22.03.2019 - A reforma realmente necessária

Não, não é a tão falada reforma da Previdência.

20.03.2019 - PSYCHO PASS 11: O PIOR DIA NA VIDA DA INSPETORA AKANE

Na análise passo a passo do extraordinário seriado policial e de ficção científica "Psycho Pass" chegamos ao ponto em que pessoas que desejam a justiça começam a divergir nos métodos.

20.03.2019 - OS AUTORES ESQUECIDOS E OUTRAS REFLEXÕES SOBRE LITERATURA BRASILEIRA

Existe alguém

20.03.2019 - O IMPÉRIO AMAZÔNICO

O IMPÉRIO AMAZÔNICO

15.03.2019 - Venezuela, o país que não existe mais

Não devemos fechar os olhos para a tragédia que se desenrola às nossas portas e já penetrou em nosso país.

09.03.2019 - ADVICE/ AVIS/ AVISO

Queridos leitores

08.03.2019 - PARABÉNS! [CONGRATULATIONS!]

Que todas

07.03.2019 - Professor Amstein

Foi na placa da rua, que lhe passa pela lateral externa, que vi estampado pela primeira vez o seu nome: Rua Professor Amstein.

06.03.2019 - Tradução de um conto de Oscar Wilde (1854-1900)

Toda tarde

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br