Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 17 de junho de 2019
Crônica de sempre
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

O CAVALO DO APOCALIPSE

 

 

 

 
O CAVALO DO APOCALIPSE
 
ROGEL SAMUEL
 
Leio o mágico poema de Farias de Carvalho (1930-1997), “Meu cavalo chegou”, meu ex-professor (sua filha a poetisa Graça Carvalho foi minha amiga, já falecida).
A personalidade de Farias era marcante, carismática, extraordinária e nos parecia grandioso ao falar aos alunos, a voz possante, os gestos teatrais, abertos, os grandes olhos que lembrava Orson Welles.
 
O poema começa com:
 
“Meu cavalo chegou (memória e nuvem),
 a aurora derramada sobre a crina.
 Meu cavalo chegou. Fome de tudo
 estou também: engoliremos mundos.”
 
Que significa esse cavalo? Pois sua poesia sempre tem isso: uma reflexão sobre o tempo, os mortos, um mergulho naquele espaço misterioso. A aurora sobre a crina, a fome sobre os mundos...
 
“Meu cavalo chegou. E, pressentidos,
 os caminhos me espiam de suas rédeas.
 Meu cavalo chegou. Há quanto tempo
 gasto-me em pés e olhos nesta espera...”
 
Os caminhos vêm das rédeas, os pés são de espera, os olhos no horizonte.
E o cavalo vem do mito, do tempo, do vento, dos espaços, da espera, da morte. Do sonho:
 
“Meu cavalo chegou. Eu despertava
 quando o vento falou-me de seus cascos
 e a poeira garantiu-me sua presença.”
 
E vem sob a poeira do tempo, sua presença neste cemitério, é o fim, cumprir-me-ei, a população desse campo o cavalo vem para completar, preencher, executar, recolher e levar os mortos:
 
“Meu cavalo chegou. Cumprir-me-ei.
 Tanta gente cansada nessas cruzes...
 Meu cavalo chegou. Mortos, montai!...”
 
Enfim, o cavalo significa a viagem, a partida, a passagem, a perda, o transporte, a fuga, o escape para a fantasia, para o mundo dos mortos, dos sonhos, do levar, do que arrasta, do que leva e retira, do afastar para sempre.
O cavalo branco retira os mortos e os apaga, no esquecimento, na névoa do nunca mais.
O cavalo chegou. Vamos partir.
--------------------------
 Meu cavalo chegou (memória e nuvem),
 a aurora derramada sobre a crina.
 Meu cavalo chegou. Fome de tudo
 estou também: engoliremos mundos.
 Meu cavalo chegou. E, pressentidos,
 os caminhos me espiam de suas rédeas.
 Meu cavalo chegou. Há quanto tempo
 gasto-me em pés e olhos nesta espera...
 Meu cavalo chegou. Eu despertava
 quando o vento falou-me de seus cascos
 e a poeira garantiu-me sua presença.
 Meu cavalo chegou. Cumprir-me-ei.
 Tanta gente cansada nessas cruzes...
 Meu cavalo chegou. Mortos, montai!...

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

06.06.2019 - O CAVALO DO APOCALIPSE

01.06.2019 - A MORTE DE LAMPIÃO

30.05.2019 - ESTRADA CLARA

14.05.2019 - JARDIM ABANDONADO

28.04.2019 - O FUNDAMENTO DOS SONHOS

28.04.2019 - OS PILARES

19.04.2019 - A PAIXÃO

31.03.2019 - Receita de soneto

24.03.2019 - GABRIELA MISTRAL - O PENSADOR

20.03.2019 - O IMPÉRIO AMAZÔNICO

17.02.2019 - NUMAS: ONDE HÁ RESISTÊNCIA, HÁ PODER?

25.12.2018 - O METRO ADVERSO

23.12.2018 - A teoria da decisão filosófica de Euryalo Cannabrava

15.12.2018 - A ARTE DA FUGA

06.11.2018 - Meu avô

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

12.06.2019 - TRADUÇÃO DO POEMA "NEGRO", DE LANGSTON HUGHES (1902-1967)

Negro

11.06.2019 - A mentira de Haddad no segundo turno

Como diz o Senador Álvaro Dias, abre o olho!

09.06.2019 - TRADUÇÃO DE UM POEMADE ALFRED DE MUSSET ( 1810-1833)

j'AI PERDU

07.06.2019 - Abreviaturas em correspondências e não uso do ilmo

Abreviaturas em correspondências e não uso do ilmo

07.06.2019 - O que ando a ler

Em Tudo Havia Beleza, de Manuel Vilas

07.06.2019 - Do amor e outros demônios

A história de Sierva Maria de Todos los Ángeles

06.06.2019 - O CAVALO DO APOCALIPSE

O CAVALO DO APOCALIPSE

05.06.2019 - TRADUÇÃO DE UM POEMA DE E.E.CUMMINGS (1894-1962)

since feeling is first

02.06.2019 - SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA

Estou pensando

01.06.2019 - Coronel Doca Borges e a ascensão política de Floriano.

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre um importante coronel da política piauiense.

01.06.2019 - A MORTE DE LAMPIÃO

A MORTE DE LAMPIÃO

30.05.2019 - EXPEDIÇÃO ÀS SERRAS DAS ÁGUAS COLONIAIS (*)

De forma bem clara e firme, sem querer ferir ou magoar ninguém, mas apenas por amor ao debate, que sempre deve existir em assunto controvertido, e apego à verdade histórica, eu disse comungar da tese do historiador Vicente Miranda...

30.05.2019 - ESTRADA CLARA

ESTRADA CLARA

28.05.2019 - Aspas e maiores ou mais informações

Existem os dois casos: aspas e ponto / ponto e aspas

28.05.2019 - TRADUÇÃO DE UM POEMA DE LANGSTON HUGHES (1902-1967)

i tOO

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br