Dilson Lages Monteiro Domingo, 16 de dezembro de 2018
Chronos - Ribamar Garcia
Jose Ribamar Garcia
Tamanho da letra A +A

Réquiem a um grande piauiense

[José Ribamar Garcia]                                                      

Refiro-me a esse dinâmico piauiense de Piracuruca, José Alves Fortes Filho que adotou Teresina – e por ela  adotado.

Em Teresina, constituiu família com dona Luciene Fortes, escreveu sua sólida obra, composta por  mais de uma dezena de livros e exerceu com independência, dignidade e denodo o jornalismo. Foi um profissional exemplar.  Tive a honra de conhecê-lo no final da década de 80, quando de uma visita ao Cronista-mor da cidade, A.Tito Filho, então presidente da Academia Piauiense de Letras (APL). Lá estava ele, com aquela simplicidade que lhe era característica e aquele olhar brilhante e percuciente. Era o Secretário do “Notícias Acadêmicas”, órgão oficial dessa instituição. A partir daí, estreitamos relacionamento.  Sempre que eu ia à Teresina o procurava.

Uma dessas coincidências da vida: José Fortes morava na Avenida Duque de Caxias, outrora caminho para o bairro de Buenos Aires, onde viviam minhas tias paternas. De forma que  levei a infância cruzando-o. Ora nos ombros de meu Pai,  ora nos do meu tio . Mais tarde, no limiar da adolescência, o percorria  de bicicleta.     

José Alves Fortes Filho foi um apaixonado pelas Letras, Artes e Cultura, em geral. Dedicou boa parte da  vida na  sua divulgação. Fundou a Academia de Letras da Região de Sete Cidades (Alresc) e o Instituto do Mérito Cultural Leonardo Castelo Branco, assim como participou ativamente da fundação de outras, dentre elas, a de Letras e Belas Artes de Floriano e Vale do Parnaíba Albeartes). De algumas presidiu com eficiência.           

Da sua sólida obra, de temática variada, atestou o ilustre acadêmico Herculano Moraes: “A obra de José Fortes Filho se bifurca em três planos: a análise da vida cultural do Piauí, seus movimentos, suas tendências; O estudo, análise e doutrinas do pensamento jornalístico da atualidade e o levantamento da história piauiense, em seus contornos emancipacionistas.” 

Também a ele se referiu o saudoso – e sempre relembrado -  Mestre e membro da APL, o Acadêmico Cunha e Silva: “ O escritor é hoje uma das mais lídimas expressões de intelectualidade nova do Piauí.”

Quando da apresentação do seu livro “Literatura & Arte”, feita por  A.Tito Filho, assim se referiu o cronista-mor da Cidade Verde: “ José Fortes é, inegavelmente, uma inteligência útil à coletividade; amigo sincero e leal; cultiva uma verve permanente e revela nesse livro uma espécie de homem plural, do ponto de vista da inteligência , porque fala de todos os assuntos, com uma leveza estilística muito admirável, correção de linguagem, de forma que devemos nos regozijarmos porque à literatura piauiense se incorpora mais um trabalho de valor.” 

José Fortes era uma pessoa acessível, cordial e rigorosamente íntegro. Foi, sem dúvida, um jornalista e escritor destemido, aguerrido e amava o que fazia. E o fazia bem.

O Piauí perdeu um grande filho. E nós, que ficamos, vamos aumentando nosso relicário de saudades.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

04.08.2018 - Cidadela saqueada

24.04.2018 - LIMA BARRETO E OS AMIGOS PIAUIENSES

28.02.2018 - Réquiem a um grande piauiense

18.07.2017 - Ainda sobre o Colendo

06.07.2017 - As írmãs

29.05.2017 - Eleição Direta é Golpe

12.11.2016 - A BESTA NÃO DESISTE

30.05.2016 - O MINC E OS OPORTUNISTAS

18.10.2015 - A RETÓRICA DE D. DILMA - 2

29.05.2015 - O pó da estrada - volume 2

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

15.12.2018 - A ARTE DA FUGA

A ARTE DA FUGA

12.12.2018 - Lovecraft e o Modernismo

O escritor de Providence é um dos grandes mestres da literatura de horror

11.12.2018 - A PANTERA 17

A PANTERA 17

05.12.2018 - A PANTERA 16

A PANTERA 16

05.12.2018 - 15. A PANTERA

15. A PANTERA

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

Alguns escritores

02.12.2018 - "Names", novela de Dalton Almeida

Ficção científica brasileira existe e é muito ativa. Vejamos este exemplo.

02.12.2018 - Meus tempos de editor na FCMC

Foi, na época a que me refiro, sem a menor sombra de dúvida, o mais importante e arrojado plano editorial do Estado do Piauí...

01.12.2018 - PRESSÁGIOS: DAS MOIRAS AOS SUECOS

Cloto, Láquesis e Átropos, três irmãs que tinham em suas mãos o destino dos deuses e dos homens.

26.11.2018 - A Pantera - 14

A casa em ruínas. Por isso, resolvemos morar na lancha que, apesar de apertada, nos oferecia melhor conforto e proteção

19.11.2018 - A Pantera - 13

Jara se recusou a entrar no elevador, que era pequeno e ameaçador. Subimos os sete andares de escada, eu e ela

18.11.2018 - Agro orgulho

Em meio século, o Brasil se tornou potência agrícola, com o preço dos alimentos caindo pela metade

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

Habituado que

14.11.2018 - A Pantera - 12

Ouvíamos todas as noites, no bar, a voz daquela cantora de jazz, em fita-cassete

14.11.2018 - Expedição a Batalha

O certo é que num percurso de poucos quilômetros, vimos cerrado ou chapada, caatinga ou sertão, este em tudo semelhante ao que é visto nas fotografias do cangaceiro Lampião.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br