Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 17 de agosto de 2018
Chronos - Ribamar Garcia
Jose Ribamar Garcia
Tamanho da letra A +A

Cidadela saqueada

                 [José Ribamar Garcia]

              Garotinho, duas vezes. Sua mulher Rosinha, uma vez. Sérgio Cabral, duas vezes. Pezão (com este nome não podia dar outra coisa), afilhado de Cabral, ainda, no cargo. O que mais esperavam os cariocas? Que o estado do Rio de Janeiro e sua capital nas mãos desse quarteto se tornariam um paraíso?  Ou uma Shangri-la, como a imaginada pelo escritor inglês James Hilton, no seu livro “Lost Horizon”? Quanta ingenuidade! Ou cumplicidade? Ou desamor? Às vezes, chego a pensar que o carioca não gosta de sua cidade. Do contrário, não a entregaria a saqueadores. Que depredaram, quebraram e faliram o segundo estado mais rico do País. Quebrados e falidos. Se fossem  empresas privadas teriam fechado as portas e demitido os empregados. Como não os são, os funcionários continuam na ativa, porém, sem receber os vencimentos.

              O povo que escolheu esses sicários, agora, está padecendo. Pagando as consequências. Profundas. Gente morrendo às portas dos hospitais, que não tem vagas, remédios, nem profissionais suficientes para atender a demanda. Escolas públicas fechadas. Repartições e autarquias dizendo não. E o chororô: “Faz um ano e meio que estou na fila pra cirurgia de catarata”. A segurança pública, sucateada. A criminalidade prosperou, a despeito da intervenção federal, sem êxito, por falta de dinheiro para custeá-la. O próprio interventor ainda não viu a cor do seu salário. O crime corre  desenfreado pelas ruas, com o cidadão indefeso, desarmado, morrendo pelas mãos dos assaltantes. Tudo acontecendo, à luz de um sol tímido e morno de inverno.                       

                A cidade perdeu seu decantado humor. E sua alegria, espontaneidade, graça e cordialidade, que encantavam e cativavam o resto do País. Tomada que foi pelo tráfico e pela milícia. Duas organizações que comandam o crime organizado e mantêm uma guerra por disputa das favelas e de outras comunidades. Afora, as batalhas internas, entre os bandidos pela liderança de facções. A qualquer hora do dia, os tiroteios se repetem, com balas se cruzando e atingindo inocentes. E a bandidagem bem armada e blindada, inclusive acobertada por alguns políticos, vai se apossando da cidade. Já se apossou de vários logradouros, transformados em territórios fechados, numa versão carioca das FARCs colombianas. Nestes pontos – ou cabeças de ponte -, nem a Polícia consegue entrar. E o chororô: “Eu tinha um sítio em Guaratiba e os milicianos me tomaram”. Ou: “Os traficantes me expulsaram da casa que eu tinha conseguido do  Minha Casa e  Minha Vida, em Campo Grande”.

                 Fato é que o crime organizado está levando a melhor. Até quando? 

               A população  aterrorizada pelos incessantes assaltos e balas perdidas.  De sair de casa e jamais voltar. Nesse clima de roleta russa, tem se agarrado à São Sebastião, com súplicas e promessas.  O santo, padroeiro da cidade, que leva também o seu nome, e a salvou uma vez. Diz a lenda que, na Batalha de Uruçumirim, ele foi visto lutando ao lado dos portugueses contra os invasores franceses e sua participação foi decisiva na expulsão destes. Mas, isso faz muito tempo. Coisa de quase seis séculos. Será que o bom e valente Santo ainda se lembra? Certamente. Pois, santo, segundo o cristianismo, tem memória atemporal, nunca se esquece. Dúvida, porém, é se ele está disponível e disposto a salvar novamente a cidade. Entregue aos saqueadores por esses mesmos suplicantes.      

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

04.08.2018 - Cidadela saqueada

24.04.2018 - LIMA BARRETO E OS AMIGOS PIAUIENSES

28.02.2018 - Réquiem a um grande piauiense

18.07.2017 - Ainda sobre o Colendo

06.07.2017 - As írmãs

29.05.2017 - Eleição Direta é Golpe

12.11.2016 - A BESTA NÃO DESISTE

30.05.2016 - O MINC E OS OPORTUNISTAS

18.10.2015 - A RETÓRICA DE D. DILMA - 2

29.05.2015 - O pó da estrada - volume 2

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

13.08.2018 - BUCHADA DE BODE NA FAZENDA DO ROCIO

Em seguida, disse que ele mesmo iria mandar preparar uma buchada, a ser feita com bode de seu próprio rebanho. Marcamos a data e o local do repasto.

12.08.2018 - PASSANDO PELO CENTRO DO RIO DE JANEIRO

Não cfoi hoje nem ontem

12.08.2018 - Julião Afonso Serra, um dos quatro grandes sesmeiros do Piauí.

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um dos conquistadores e maiores sesmeiros do Piauí

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

10.08.2018 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

05.08.2018 - HOW GOES THE ENEMY?

o ePIFÂNICO

04.08.2018 - Cidadela saqueada

Fato é que o crime organizado está levando a melhor. Até quando?

04.08.2018 - violência nas escolas

Nunca mais ninguém o perturbou

02.08.2018 - Dois momentos felizes de uma bela tarde

O ponto alto da solenidade será o lançamento do livro “Câmara Municipal de Campo Maior: 256 Anos de História”, da autoria do professor e historiador Celson Chaves

01.08.2018 - Aborto: crime não pode deixar de ser crime

Não podemos calar diante da barbaridade.

01.08.2018 - MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA

MEU PROFESSOR DE HISTÓRIA – ROGEL SAMUEL

31.07.2018 - Mario Benedetti

Mario Benedetti

27.07.2018 - Os males do Crivella: um prefeito que não deu certo

Eis um prefeito

26.07.2018 - Gênese de Emoção no Circo

Gigliola Cinquetti e o ingênuo “Dio, come ti amo” fizeram muitas adolescentes verterem profusas e sentidas lágrimas, com direito a profundos soluços e palpitações.

25.07.2018 - Eurídice

049

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br