Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 19 de junho de 2018
Brasil insólito
Renato Barros de Castro
Tamanho da letra A +A

José no Egito: a Gruta do Catirina

A Gruta do Catirina, outra atração não menos misteriosa do Parque Nacional de Sete Cidades, é assim denominada por ter sido o local onde viveu José Ferreira do Egito, o Catirina, que se retirou do contato com a sociedade para cuidar do filho que sofria de epilepsia, doença considerada demoníaca em sua época. Um buraco de cerca de 20 centímetros embaixo de um bloco rochoso foi o local onde ele passou a preparar suas ervas medicinais, numa luta cotidiana e absolutamente solitária, enquanto mantinha acesa a fé na cura do filho Martinho.

José no Egito, ou do Egito, com seu Jesus perseguido pelo mundo dos vivos, é a própria figura do heroísmo, grandiosa em sua impotência diante das forças vitais, igual ou maior que um dos deuses de Däniken. Vemos nessa história singular toda a epopeia humana, assim como o túmulo do filho não curado, que se encontra perto da gruta e que marcou o retorno de José à vida na cidade, isto é, o retorno à sua verdadeira solidão. Me pergunto se sua fé morreu junto com o filho, mas algo me diz que não: “É preciso viver, não importa quantos céus tenham caído”.

Seguimos o percurso pelas trilhas arenosas em meio à mata fechada. A essas alturas, a brisa mais parece um sopro nostálgico entre os rochedos, o tempo implacável parece filtrado diferentemente do mundo dito real; ora acreditamos estar sob o véu que encobre o fim da tarde, ora acreditamos estar em pleno dia, quando os raios iluminam com vigor os paredões de pedra.

No alto de um vale, dominando todo o parque, uma biblioteca petrificada é a última parada antes de enveredarmos por largas passarelas e degraus íngremes rumo ao topo do mundo: um hálito de vida escorre nas fissuras, nas infiltrações, no magnetismo das marcas de quem já viu e ouviu, fez e faz parte.
José no Egito é o que somos, na espreita de nossa implacável e definitiva redenção.

                                                                                                                           Renato Barros de Castro

 *
Trecho retirado do livro "Geografia Afetiva" - Prêmio Milton Dias, 2011.
Outras obras do autor estão disponíveis nete link (Livraria Saraiva).

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

05.09.2017 - José no Egito: a Gruta do Catirina

02.08.2017 - Incursões à pré-história: um passeio pela Serra da Capivara

21.06.2017 - Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

23.04.2017 - O começo do mundo e as sete cidades de pedra

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.06.2018 - Profº R. N. Monteiro de Santana

O acadêmico Reginaldo Miranda faz homenagem a um grande intelectual piauiense.

16.06.2018 - O CURSO DE LETRAS: SUA IMPORTÂNCIA, DESAFIOS E PERMANÊNCIA

Sinto-me muito honrado

15.06.2018 - Perseguição aos cristãos no mundo inteiro

Os fatos aqui mencionados são verídicos, mas a mídia pouco deles fala.

15.06.2018 - A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

12.06.2018 - Histórias

- Não só meu avô, professor, minha avó conta que também trabalhava.

12.06.2018 - O AMOR

O AMOR

11.06.2018 - A que ponto chegamos

Analise cuidadosamente o caso antes de trocar precipitadamente o “ao ponto de” que seu computador assinala em verde por “a ponto de”, visto que Você pode estar com a razão!

10.06.2018 - O amor, o cinema, a revolução

Nem tudo que diz respeito aos anos 1960 pode ser carimbado com a fórmula “sexo, drogas e rock-and-roll”.

09.06.2018 - Marcos Antônio de Macedo

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante cientista, magistrado e político piauiense.

08.06.2018 - Alguns fragmentos, meus e de outros

Há muito tempo

07.06.2018 - "A Coisa" de Stephen King

Existem monstros sagrados que são mais monstros que sagrados...

06.06.2018 - Louro da Banca, patrimônio cultural parnaibano

O Louro é uma instituição da Praça da Graça, e deveria ser tombado como um patrimônio vivo do município.

05.06.2018 - POEMA DE EMILY DICKINSON

POESIA

05.06.2018 - Minha Rua

Quando eu morrer, quero ser nome de rua

02.06.2018 - O Shakespeare de Giovanni Emanuel no Teatro Amazonas, em 1889

Grande intérprete de Shakespeare, Giovanni Emanuel revolucionou a cena italiana.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br