Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 19 de junho de 2018
Anexos da realidade
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

Elfos e árvores

Elfos e árvores

 ELFOS E ÁRVORES

Miguel Carqueija

 

Resenha do livro “No coração da floresta”, volume 2 da trilogia “O povo das árvores”, por Gillian Summers (pseudônimo de Berta Platos e Michelle Roper), Editora Bertrand Brasil, Rio de Janeiro-RJ, 2013. Título original: Into the wildewood” (Flux, EUA, 2008). Tradução: Flávio Carneiro Anderson.

 

            O que salva este romance, que dá sequência às aventuras e desventuras da meia-elfa Keelie Heartwood, é a narrativa exímia e rápida, onde praticamente novos acontecimentos sucedem a cada página, e o humor entremeado, pois nem o Harry Potter, nas encrencas em que se metia em Hogwarts, era tão maltratado, insultado e perseguido pelos adultos como a pobre Keelie, de 15 anos, nos festivais renascentistas, medievais e nômades onde tem de acompanhar o pai, Zeke, um elfo autêntico. E no entanto Keelie é a heroína do romance, ela é quem, na hora H, com a sua empatia junto às forças naturais, derruba o mal e restaura a ordem.

            Um personagem importante na trama, porém extremamente irritante, é Zeke, o pai de Keelie: arrogante, cretino, imbecil, repressor, todos os xingamentos que você possa imaginar cabem nele e a Keelie, pelo fim das contas, apesar das brigas é até muito condescendente com o pai sacripantas. Ele não protege a filha, não a esclarece sobre coisas que ela precisava fazer, submete-se ao preconceito racista de elfos contra mestiços (vai às reuniões de elfos aceitando não levar a filha) e chega a deixar Keelie passar fome, além de não lhe dar mesada e obrigá-la a trabalhar em empregos idiotas sem carteira assinada, para ganhar o pão de cada dia.

            Apesar das qualidades literárias deste livro eu não consegui fazer a “suspensão de incredulidade”. Rowling conseguiu ser mais verossímil com Harry Potter.  Não percamos de vista que o mundo de Keelie Heartwood é o nosso mundo, sob ótica ficcional; não é o País das Maravilhas de Carrol ou a Terramédia de Tolkien, ou a Nárnia de Lewis.

            E simplesmente não dá para aceitar que as árvores sejam seres racionais e telepaticos, com nome e tudo, e que tenham faces nos troncos, que só algumas pessoas como Keelie enxergam; e que possam se mover, atirar bolotas ou nozes como projéteis e até se desenraizem quando muito irritadas e ataquem as pessoas. Embora o grande vilão, o elfo Elianard, possa receber a conta de muita coisa ruim que acontece, não posso deixar de pensar em que as autoras da novela erraram a mão e esparramaram no texto muita inverossimilhança; se tais coisas existissem acabariam sendo descobertas pela humanidade, como a amiga de Keelie, Lucien (equivalente à Tomoyo de “Sakura Card Capter”) descobriu.

            Vale lembrar que a magia é, em tese (se realmente existisse) apenas a manipulação mental das forças da natureza.  Assim em Keelie Heartwood, como em Star Wars ou em Harry Potter, a rigor não existe espiritualidade alguma: nem Deus, nem santos, nem Além nem orações. Keelie não pede ajuda a Deus, aos santos ou aos anjos, mas a pedras e árvores. A história transmite um paganismo da natureza, tipo “wicca” — talvez muitos leitores não percebam, mas foi o que eu senti. Infelizmente essa tendência é muito pronunciada nos tempos atuais.

            A notar porém que o romance possui muitos méritos em criatividade e agilidade narrativa e na exaltação de certos valores morais como a coragem, a lealdade, a integridade de caráter.

 

Rio de Janeiro, 11 de janeiro de 2017.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

15.06.2018 - Perseguição aos cristãos no mundo inteiro

07.06.2018 - "A Coisa" de Stephen King

18.05.2018 - Alguma coisa vem mudando no país

15.05.2018 - Psycho Pass 9: Akane se impõe

27.04.2018 - Godard e o conceito esquerdista de liberdade

17.04.2018 - As catástrofes de Asimov

18.03.2018 - "Sem olhos em Gaza", resenha

08.03.2018 - Elfos e árvores

20.02.2018 - Revendo Däniken

11.02.2018 - Opressão odiosa às mulheres

02.02.2018 - O homem não vem do macaco

26.01.2018 - Onde estão os católicos ricos do Brasil?

22.01.2018 - Ao Sul do Equador com Disney, resenha

05.01.2018 - Verde... verde... verde

19.12.2017 - Psycho Pass episódio 8: o mal destrói a si mesmo

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.06.2018 - Profº R. N. Monteiro de Santana

O acadêmico Reginaldo Miranda faz homenagem a um grande intelectual piauiense.

16.06.2018 - O CURSO DE LETRAS: SUA IMPORTÂNCIA, DESAFIOS E PERMANÊNCIA

Sinto-me muito honrado

15.06.2018 - Perseguição aos cristãos no mundo inteiro

Os fatos aqui mencionados são verídicos, mas a mídia pouco deles fala.

15.06.2018 - A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

A LEMBRANÇA DE VALQUÍRIA

12.06.2018 - Histórias

- Não só meu avô, professor, minha avó conta que também trabalhava.

12.06.2018 - O AMOR

O AMOR

11.06.2018 - A que ponto chegamos

Analise cuidadosamente o caso antes de trocar precipitadamente o “ao ponto de” que seu computador assinala em verde por “a ponto de”, visto que Você pode estar com a razão!

10.06.2018 - O amor, o cinema, a revolução

Nem tudo que diz respeito aos anos 1960 pode ser carimbado com a fórmula “sexo, drogas e rock-and-roll”.

09.06.2018 - Marcos Antônio de Macedo

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante cientista, magistrado e político piauiense.

08.06.2018 - Alguns fragmentos, meus e de outros

Há muito tempo

07.06.2018 - "A Coisa" de Stephen King

Existem monstros sagrados que são mais monstros que sagrados...

06.06.2018 - Louro da Banca, patrimônio cultural parnaibano

O Louro é uma instituição da Praça da Graça, e deveria ser tombado como um patrimônio vivo do município.

05.06.2018 - POEMA DE EMILY DICKINSON

POESIA

05.06.2018 - Minha Rua

Quando eu morrer, quero ser nome de rua

02.06.2018 - O Shakespeare de Giovanni Emanuel no Teatro Amazonas, em 1889

Grande intérprete de Shakespeare, Giovanni Emanuel revolucionou a cena italiana.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br