Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 17 de janeiro de 2019
Anexos da realidade
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

Devem os políticos ser desbocados?

Devem os políticos ser desbocados?

 DEVEM OS POLÍTICOS SER DESBOCADOS?

Miguel Carqueija

 

Sempre aprendi que dizer palavrões é feio. Antigamente uma criança era castigada se falasse algum. Hoje elas são expostas a toda a sorte de sujeiras e baixarias, inclusive nas festas infantis.

Mas, devemos aceitar isso conformadamente? Devemos aceitar que os nossos políticos sejam em grande parte uns mal-educados?

Certa vez, conversando com uma amiga, vi que ela apreciava o Lula e, sem querer polemizar muito, apenas observei que ele era um desbocado. A resposta me surpreendeu: “Todos eles são!”.

Bem, isso não é verdade. Nem todos os políticos são desbocados. Mesmo porém que todos fossem, não justificaria o desbocamento de um único. Os palavrões estão geralmente ligados ao temperamento fescenino, muitas vezes machista (fazer pouco das mulheres, vistas como objetos sexuais) e à agressividade. Basta perceber a passagem nas ruas de pessoas falando colericamente, frases sempre pontuadas pelo baixo calão. Ou então, o hábito do deboche, mesmo em pessoas tranquilas e pouco inclinadas a brigas.

Lembro da vergonheira do então prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, cujo desbocamento ficou patente numa conversa telefônica grampeada com o ex-presidente Lula. Ao entregar as chaves de um apartamento popular para uma senhora humilde, o demagogo declarou que ela agora iria poder “trepar bastante”.

É esse o nível de muitos dos nossos políticos e governantes. Mas, graças a Deus, não o de todos.

Talvez alguém ache que o desbocamento é coisa de somenos importância. É raro, porém, que uma pessoa tenha um vício e não tenha outros... vamos pressionar para que os candidatos a cargos eletivos sejam pessoas mais educadas, e não pessoas mal-educadas. Se você sabe que um político é desbocado, não vote nele...

Afinal, usar linguagem nobre é um claro sinal, um indício, de bom caráter. Pode não ser um indício conclusivo mas é sempre um bom sinal.

 

Rio de Janeiro, 5 de dezembro de 2017.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

02.12.2018 - "Names", novela de Dalton Almeida

02.10.2018 - Relembrando 1989

01.10.2018 - Psycho Pass 10: batalha no túnel do metrô

12.09.2018 - Marina Silva dá entrevista ao jornal "O Globo"

01.09.2018 - Os entrevistadores carrancudos

01.08.2018 - Aborto: crime não pode deixar de ser crime

29.06.2018 - Uma Copa tatuada

15.06.2018 - Perseguição aos cristãos no mundo inteiro

07.06.2018 - "A Coisa" de Stephen King

18.05.2018 - Alguma coisa vem mudando no país

15.05.2018 - Psycho Pass 9: Akane se impõe

27.04.2018 - Godard e o conceito esquerdista de liberdade

17.04.2018 - As catástrofes de Asimov

18.03.2018 - "Sem olhos em Gaza", resenha

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

rEPUBLICADO

14.01.2019 - TIO GENARO E ANTÔNIO

TIO GENARO E ANTÔNIO

12.01.2019 - Trata-se de casos raros

Por que se diz “Trata-se de casos raros” mas ao mesmo tempo se pluraliza o verbo numa frase semelhante: “Tratam-se casos raros de câncer naquele hospital”?

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

Quando fui juiz em Capitão de Campos, já ouvia falar no João Carvalho, que havia sido médico nessa cidade, como um cidadão bem-humorado e cordato. Depois, o conheci pessoalmente e atesto essa opinião.

10.01.2019 - Pronome SE e indeterminação do sujeito

Vejamos os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza

09.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - III

Prosa contemporânea, livros sobre livros

08.01.2019 - Livre-se

Acredito que quase todos os Extraordinários tenham problemas de espaço em casa no que toca à arrumação dos livros

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

07.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - II

Ficção científica, fantasia, autores paraibanos

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

Não se pode negar

05.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - I

Aqui vão algumas das minhas leituras de 2018

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

O Padre Antônio Vieira é um notável autor binacional, brasileiro e português, vejamos um dos seus livros.

02.01.2019 - AS VOLTAS QUE A VIDA PODE DAR

Mudar é difícil. Aceitar a necessidade da mudança é ainda mais complicado. É sempre menos perturbador permanecer na mesma rotina de todos os dias, sabendo exatamente como agir ou quais decisões tomar.

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

Era uma agenda

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br