Dilson Lages Monteiro Domingo, 25 de fevereiro de 2018
Anexos da realidade
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

Revendo Däniken

Revendo Däniken

 REVENDO DANIKEN

Miguel Carqueija

           

            Não deixa de ser um acontecimento voltar a ler um livro de Daniken após tantos anos. Ele teve a sua época, embora não tenha sido o primeiro (mais ou menos junto com Arthur C. Clarke) a propor que a humanidade haja sido criada por seres extraterrestres via manipulação genética. Semelhante tese deixa em branco uma questão óbvia: então quem criou esses misteriosos extraterrestres?

            Note-se que essa pergunta é muito diferente daquela tolice ateísta, “quem criou Deus?”. Afinal, sendo Deus eterno e todo-poderoso, não pode ter sido criado. Mas a coisa muda de figura quando se trata de alienígenas.

           

“Viagem a Kiribati”, por Erik von Däniken. Subtítulo: “Aventuras entre o céu e a terra”. Círculo do Livro, São Paulo-SP, s/d. “Título original: “Rein nach Kiribati”, Econ Verly Gneb H, Düsseldorf (Alemanha Ocidental) e Viena (Áustria), 1981. Tradução: A.J. Keller. Capa: foto de Eduardo Santaliestru.

 

            O livro é uma coletânea com sete artigos e investigaões do autor suíço em vários pontos do mundo pelo fim da década de 80. É interessante e eu não nego que alienígenas tenham estado na Terra no passado remoto e entrado em contato com nossos antepassados, apesar de que nada existe de conclusivo nas diversas viagens exploratórias aqui narradas. Onde Däniken derrapa miseravelmente é quando ele dá de falar sobre religião (assunto do qual ele nada entende), reinventando o Cristianismo. Para isso ele vai na Caxemira buscando uma suposta “sepultura de Cristo”, que comprovaria não ter havido ressurreição. Ele fala com certo Professor F.M. Hassnain, que, sobre a veracidade de tal túmulo, chega a afirmar: “A série de provas está completa. Qualquer tribunal do mundo as aceitaria sem reparos!”

            Apesar dessa enormidade Däniken apenas descobre um túmulo fechado, que não é permitido abrir. Por aí se vê como é fácil lançar dúvidas nas mentes fracas! Anos depois surgiria o “Código Da Vinci”...

            A tosquice das ideias de Däniken o leva a por no papel essa asneira:

            “A Bíblia diz que um legionário romano abriu o flanco de Jesus com uma lança, constatando que da ferida saíram sangue e água. Portanto, Jesus não estava morto.”

            Ele sequer localiza o texto bíblico! Ora, ainda que fosse possível sobreviver à cruz, o caso de Cristo é bem outro, tal o exagêro dos maltratos que lhe foram infligidos desde a véspera, inclusive sem que lhe dessem água e alimento. E se saiu água junto com sangue por aí se vê que o caso era mesmo de morte, já que além dos cravos e da coroa de espinhos foram aplicados milhares de golpes por açoitamento.

            Em texto verdadeiramente delirante o autor chega a dizer que Jesus conversou (sic) com Saulo (São Paulo) na estrada para Damasco, onde Jesus teria conseguido “convencer o romano”. É ignorar o conteúdo do texto dos Atos dos Apóstolos (cap. 9, 1-9), pois Jesus não apareceu em pessoa, falou com Saulo mediante uma teofania e mais, tendo caído do cavalo, Saulo ficou temporariamente cego. Däniken ainda diz mais adiante que Saulo foi crucificado de cabeça para baixo, confundindo São Paulo com São Pedro!

            Qual o valor de semelhante argumentação?

            Curiosamente a melhor coisa que achei no livro foi um pequeno parágrafo no capítulo final que fala em pesquisas no Peru:

            “Com excesso de velocidade, passam os ônibus que levam turistas para Nazca, presenteando-os certamente com um resfriado — uma vez que ninguém consegue escapar da corrente de ar condicionado. Seria muito melhor suar um pouco; mas todo mundo faz questão desse maldito conforto.”

            Concordo plenamente com Däniken. Ar condicionado é uma verdadeira maldição.

 

Rio de Janeiro, 23 de outubro de 2017.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

20.02.2018 - Revendo Däniken

11.02.2018 - Opressão odiosa às mulheres

02.02.2018 - O homem não vem do macaco

26.01.2018 - Onde estão os católicos ricos do Brasil?

22.01.2018 - Ao Sul do Equador com Disney, resenha

05.01.2018 - Verde... verde... verde

19.12.2017 - Psycho Pass episódio 8: o mal destrói a si mesmo

15.12.2017 - Capitalismo e socialismo

06.12.2017 - Devem os políticos ser desbocados?

04.12.2017 - O "tá" e o "tamos" do governador

17.11.2017 - As manifestações devem voltar

22.10.2017 - Pesadelo

15.09.2017 - Psycho Pass 7: Akane caça a esquartejadora

12.09.2017 - Os três tipos de céu

23.08.2017 - O político ideal

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.02.2018 - Onças

Onças

22.02.2018 - QUEM ESTÁ CONTRA O BRASIL?

Nãofoi Temer nem tampouco

22.02.2018 - Verbos visar e penalizar

Solicitou-me uma aluna de Direito da UFSC que discorresse sobre a regência do verbo visar

22.02.2018 - Olimpíada

Olimpíada

21.02.2018 - Um novo programa de rádio

Desde quarta-feira passada, temos na Rádio Renascença um novo programa de livros

20.02.2018 - Viagens encalhadas: poema de Jefferson Bessa

poesia

20.02.2018 - Revendo Däniken

Análise de uma obra do homem dos "deuses astronautas"

20.02.2018 - VEJA OS VÍDEOS AQUI: PERDA INESTIMÁVEL DO INCÊNDIO

VEJA OS VÍDEOS AQUI: PERDA INESTIMÁVEL DO INCÊNDIO

20.02.2018 - Sagrado Templo De Jokhang Durante El Losar

Sagrado Templo De Jokhang Durante El Losar

20.02.2018 - A arte da pontuação

Ninguém nos ensina isto na escola

20.02.2018 - Conversa de véio

- Minha avó já dizia que falta berço, escola, terço e cachola.

20.02.2018 - DEPOIMENTO SOBRE JOSÉ ELMAR DE MELO CARVALHO

Elmar Carvalho tornou-se um dos poetas mais importantes da Geração do Mimeógrafo ou dos Anos 70, geração que escreveu uma poesia agressiva – chamada marginal ou alternativa (...).

20.02.2018 - Ninguém é pai de um poema sem morrer

O poema é, antes de tudo, um “inutensílio”.

19.02.2018 - A fundação da Mocha: litígio e batalha nos tribunais

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a fundação da cidade de Oeiras, primeira capital do Piauí.

19.02.2018 - O PAÍS QUE SEMPRE ADIA

a quem já viveu

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br