Dilson Lages Monteiro Sábado, 19 de janeiro de 2019
Anexos da realidade
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

Quarta-feira de Cinzas, sermões

Quarta-feira de Cinzas, sermões

 QUARTA-FEIRA DE CINZAS, SERMÕES

Miguel Carqueija

 

Resenha do livro “Sermões de Quarta-Feira de Cinzas”, pelo Padre Antônio Vieira. Ediouro (Rio de Janeiro-RJ), Coleção Prstígio, 1997. Capa: reprodução parcial do teto da Capela da Ordem Franciscana de Olinda. Nota introdutória: Maria Angela Villela.

 

Um valioso livro não muito grande (pouco mais de cem páginas) compilando três sermões do grande orador sacro do século 17, nascido em Lisboa e falecido na Bahia. É considerado um dos notáveis da literatura em língua portuguesa.

Os dois primeiros sermões foram proferidos em Roma e o terceiro não chegou a ser pregado e já foi escrito próximo da morte do autor. Os três, dentro do tema da Quarta-Feira de Cinzas, que inicia o Tempo Pascal.

Com sua erudição e mente aguçada Vieira não se limita a citar a Bíblia e autores sacros, menciona também pensadores pagãos da cultura grega, como Platão e Aristóteles, a quem ele chama “filósofos gentios”. Assim ele diz na primeira homilia, a respeito da imortalidade da alma: “... não é só fé, senão também ciência. Por ciência e por razão natural a conhecram Platão, Aristóteles e tantos outros filósofos gentios”. Como se vê o Padre Vieira, como em geral os pensadores católicos, tinha a mente aberta em relação a fontes não-católicas, não recusando aceitar o que de bom delas viesse.

Ele discorre eruditamente sobre a frase clássica do Gênesis: “És pó e ao pó voltarás” (Gen 3,19). A Quarta-Feira de Cinzas lembra a inevitabilidade da morte para o ser humano.

O segundo sermão continua comentando o fenômeno da morte e fala de como se pode acabar a vida antes da morte; trata-se do desapego ao mundo, às coisas materiais.

No último sermão Vieira refere-se ao combate interno de cada um de nós: o combate entre a carne e o espírito, referido inclusive por São Paulo.

Não é fácil descrever a beleza e a firmeza do pensamento de Vieira; é preciso ler e absorver. Ele consegue ser um escritor binacional, pois viveu no Brasil e em Portugal e, português de nascimento, foi de certa forma brasileiro.

Livro recomendado com louvor.

 

Rio de Janeiro, 11 de outubro de 2018.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

02.12.2018 - "Names", novela de Dalton Almeida

02.10.2018 - Relembrando 1989

01.10.2018 - Psycho Pass 10: batalha no túnel do metrô

12.09.2018 - Marina Silva dá entrevista ao jornal "O Globo"

01.09.2018 - Os entrevistadores carrancudos

01.08.2018 - Aborto: crime não pode deixar de ser crime

29.06.2018 - Uma Copa tatuada

15.06.2018 - Perseguição aos cristãos no mundo inteiro

07.06.2018 - "A Coisa" de Stephen King

18.05.2018 - Alguma coisa vem mudando no país

15.05.2018 - Psycho Pass 9: Akane se impõe

27.04.2018 - Godard e o conceito esquerdista de liberdade

17.04.2018 - As catástrofes de Asimov

18.03.2018 - "Sem olhos em Gaza", resenha

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

17.01.2019 - GUERRAS INÚTEIS

rEPUBLICADO

14.01.2019 - TIO GENARO E ANTÔNIO

TIO GENARO E ANTÔNIO

12.01.2019 - Trata-se de casos raros

Por que se diz “Trata-se de casos raros” mas ao mesmo tempo se pluraliza o verbo numa frase semelhante: “Tratam-se casos raros de câncer naquele hospital”?

10.01.2019 - O poeta João Carvalho na ágora do Ágora

Quando fui juiz em Capitão de Campos, já ouvia falar no João Carvalho, que havia sido médico nessa cidade, como um cidadão bem-humorado e cordato. Depois, o conheci pessoalmente e atesto essa opinião.

10.01.2019 - Pronome SE e indeterminação do sujeito

Vejamos os casos em que o verbo acompanhado do pronome se não configura voz passiva e, portanto, não se pluraliza

09.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - III

Prosa contemporânea, livros sobre livros

08.01.2019 - Livre-se

Acredito que quase todos os Extraordinários tenham problemas de espaço em casa no que toca à arrumação dos livros

08.01.2019 - NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

NOVO TEXTO DE "A PANTERA"

07.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - II

Ficção científica, fantasia, autores paraibanos

06.01.2019 - Nathan Sousa: um poeta em ascensão

Não se pode negar

05.01.2019 - Algumas leituras de 2018 - I

Aqui vão algumas das minhas leituras de 2018

04.01.2019 - Quarta-feira de Cinzas, sermões

O Padre Antônio Vieira é um notável autor binacional, brasileiro e português, vejamos um dos seus livros.

02.01.2019 - AS VOLTAS QUE A VIDA PODE DAR

Mudar é difícil. Aceitar a necessidade da mudança é ainda mais complicado. É sempre menos perturbador permanecer na mesma rotina de todos os dias, sabendo exatamente como agir ou quais decisões tomar.

26.12.2018 - A AGENDA MÁGICA

Era uma agenda

25.12.2018 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br