Dilson Lages Monteiro Domingo, 16 de dezembro de 2018
A batalha do poder
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

Epílogo: O futuro começou

(Miguel Carqueija)

Termina aqui a dramática história de Faisão Verde e sua luta pela liberdade.

 

EPÍLOGO

O FUTURO CHEGOU


        Lorne tinha acabado de assinar um decreto que criava a Rede de Restaurantes Populares (que serviriam refeições pela metade do preço habitual, como recurso de emergência para atenuar o terrível custo de vida) quando a lâmpada de seu videofone acendeu, acompanhada pelo apito característico. Lorne teclou e a ligação se completou. Apareceu a figura conhecida de Hermelinda:
        — Presidente, o Ministro da Defesa e sua esposa já chegaram e pedem para ser recebidos.
       — Claro, claro. Mande-os entrar sem demora.
       Logo a porta se abriu e Riní, de mãos dadas com Lena, se aproximou. Ambos sorriam. Lorne levantou-se para cumprimentá-los calorosamente e em seguida indicou-lhes poltronas em frente à escrivaninha.
        — Bem, bem. O que é que os amigos vão tomar?
        — Um mate gelado estaria bem para mim. E você?
        — No dia em que eu pedir o mesmo que ela, Lorne, pode me demitir. Um xerez dos bons, se puder...
        — É claro que pode. Vou até lhe acompanhar.
        Depois que o robô (agora, só eram admitidos robôs construídos segundo as leis de Asimov) trouxe as bebidas e se retirou, Lorne iniciou a conversa:
        — Às vezes, sabem, eu ainda sinto a falta de tantos amigos que morreram na guerra... como o velho e bom Tousand, por exemplo.
        Lena, recostada na poltrona, observou:
        — Diga logo quase todos, Lorne. Como há tempos eu perdi meu pai nas mãos daquela gente, já estava de certa forma vacinada...
        — Lena, talvez seja melhor cicatrizarmos todas as nossas feridas... eu também perdi tanta gente... — observou Riní.
        — É verdade que eles também pagaram caro... — acrescentou Lorne.
        Realmente, a cúpula do governo iconoclasta morrera com o desabamento do ominoso Triângulo. Saturnino, Iantok, Helena, Marte, até o terrível Ipuwer haviam perecido. Todos os corpos puderam ser identificados. Lena e seus amigos escaparam, já que o aposento de controle achava-se super-energizado e isolado, tendo permanecido incólume após a espatifação do castelo, de modo que a grande perda foi para a Arqueologia. Foram necessárias horas para que uma tinta de normalidade retornasse a Gloria, mas a queda do Triângulo resultara em que as forças regulares, na sua maior parte, tinham aderido à rebelião, com o apoio da população sublevada e o que restou das brigadas rebeldes, dizimadas em 90%.
        A terrível Arma do Poder fôra aniquilada e, graças a Deus, ninguém sabia como reconstruí-la.
        Lena, heroína nacional, era agora uma pacata escritora, além de dona de casa. Pretendia ter muitos filhos.
        — Às vezes eu penso — disse Lorne — o Faisão Verde encerrou mesmo sua carreira para sempre?
      — Creio que, se ele voltasse, eu ganharia meus primeiros cabelos brancos — objetou Riní.
        LENA (rindo) — Faltando um motivo, eu realmente não vejo por que voltar... quem sabe um dia? Rita às vezes diz que sente saudades daquele tempo.
        Lorne comentou:
        — Estou lendo seu último livro. É bom saber que você faz sucesso nesse ideal... que é tão difícil. Mas é pena que não tenha acompanhado Rita...
        A amiga de Lena era a pessoa mais nova do gabinete. Era Ministra da Infância. O governo do Presidente Lorne Hurne (eleito oito meses atrás, por sufrágio universal) dedicava atenção especial às crianças, tendo proibido rigorosamente o abortamento, além de possibilitar, após tantos anos de proibição, o ensino do catecismo. Já não existiam padres, pastores e rabinos secretos.
        Lena respondeu à observação de Lorne:
        — Eu sempre quis manter minha independência, desde a rebelião. Por isso preferi continuar de fora... assim, um dia, meu caro Lorne, no futuro, se as forças do mal voltarem a dominar o nosso país...
        Fez uma pausa de pontuação dramática e concluiu, grandiosa:
        — O Faisão Verde retornará.



FIM

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

03.11.2011 - Epílogo: O futuro começou

26.10.2011 - Capítulo 12: Armageddon

19.10.2011 - Capítulo 11: O último recurso

13.10.2011 - Capítulo 10: A hora da verdade

05.10.2011 - Capítulo especial: E foi aqui que vocês entraram

26.09.2011 - Capítulo 9: A arma total

21.09.2011 - Capítulo 8: A máscara do Faisão

14.09.2011 - Capítulo 7: A rebelião evolui

08.09.2011 - Capítulo 6: Lorne Hurne

31.08.2011 - Capítulo 5: Lena

24.08.2011 - Capítulo 4: Iantok

17.08.2011 - Capítulo 3: As filhas dos cientistas nem sempre são personagens inúteis.

10.08.2011 - Capítulo 2: O Chanceler

03.08.2011 - Capítulo 1: O trem

29.07.2011 - Introdução: Apocalipse

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

15.12.2018 - A ARTE DA FUGA

A ARTE DA FUGA

12.12.2018 - Lovecraft e o Modernismo

O escritor de Providence é um dos grandes mestres da literatura de horror

11.12.2018 - A PANTERA 17

A PANTERA 17

05.12.2018 - A PANTERA 16

A PANTERA 16

05.12.2018 - 15. A PANTERA

15. A PANTERA

04.12.2018 - O AUTOR E AS GRALHAS

Alguns escritores

02.12.2018 - "Names", novela de Dalton Almeida

Ficção científica brasileira existe e é muito ativa. Vejamos este exemplo.

02.12.2018 - Meus tempos de editor na FCMC

Foi, na época a que me refiro, sem a menor sombra de dúvida, o mais importante e arrojado plano editorial do Estado do Piauí...

01.12.2018 - PRESSÁGIOS: DAS MOIRAS AOS SUECOS

Cloto, Láquesis e Átropos, três irmãs que tinham em suas mãos o destino dos deuses e dos homens.

26.11.2018 - A Pantera - 14

A casa em ruínas. Por isso, resolvemos morar na lancha que, apesar de apertada, nos oferecia melhor conforto e proteção

19.11.2018 - A Pantera - 13

Jara se recusou a entrar no elevador, que era pequeno e ameaçador. Subimos os sete andares de escada, eu e ela

18.11.2018 - Agro orgulho

Em meio século, o Brasil se tornou potência agrícola, com o preço dos alimentos caindo pela metade

18.11.2018 - No Facebook: entre o comentário e o artigo

Habituado que

14.11.2018 - A Pantera - 12

Ouvíamos todas as noites, no bar, a voz daquela cantora de jazz, em fita-cassete

14.11.2018 - Expedição a Batalha

O certo é que num percurso de poucos quilômetros, vimos cerrado ou chapada, caatinga ou sertão, este em tudo semelhante ao que é visto nas fotografias do cangaceiro Lampião.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br